Anterior1 de 3Próximo

O Sporting CP venceu hoje o Club Atlético de Madrid por 1-0, sendo, contudo, eliminado da Liga Europa. Em jogo a contar para a segunda-mão dos quartos-de-final da competição, os “leões” precisavam de marcar pelo menos dois golos para empatar a eliminatória, o que não aconteceu. Os motivos? As ausências de alguns jogadores-chave podem ter ajudado, mas Jorge Jesus usou as suas melhores peças para atacar a partida: apostou em três centrais na zona defensiva e em Montero, a grande novidade, para substituir Bas Dost no ataque leonino. Já Diego Simeone apenas alterou um jogador do onze titular, trocando Ángel Correa por Vitolo.

O jogo começou a todo o gás, mesmo apesar de muita chuva! Dois cabeceamentos, duas ocasiões para cada uma das equipas: primeiro foi Marcos Acuña, ao segundo minuto, a atirar por cima da baliza de Oblak; depois foi Diego Costa, a cabecear perto do chão, ao lado do golo. Um grande início de jogo, principalmente para a equipa leonina.

Notava-se, de longe, a vontade de vencer do Sporting. Boa gestão de jogo, posse de bola, e futebol ofensivo. Tanto que, ao minuto 10, iam explodindo as bancadas do José de Alvalade: canto batido, Coates sobe ao quarto andar e de lá ia fazendo o primeiro. A bola só não entrou porque Oblak fez uma defesa incrível, a meias com o poste. Domínio em Alvalade, sempre em crescendo, com Fredy Montero igualmente perto do golo, mas com dois remates por cima.

Os adeptos acreditavam e, mais importante, os jogadores também. E quem acredita fica mais perto. Muito mais perto. Nem mesmo perante obstáculos pontuais: Mathieu saiu lesionado e foi rendido por Petrovic, logo após nova ocasião falhada de Bruno Fernandes. Mas mesmo assim, a fé manteve-se. Bruno Fernandes vai à linha. Cruza. A bola descreve um arco tão perfeito que nem Oblak a conseguiu sacudir. O único que o fez foi Montero. Cabeceamento quase no chão e golo do Sporting! Explodiu Alvalade!

Os “leões” não abrandaram e continuaram por cima. Mas mais oportunidades só em cima do intervalo: primeiro foi Bryan Ruiz, com um “míssil” defendido por Oblak; depois com Gelson Martins a cabecear, sozinho e à beira da baliza, por cima. Intervalo com vantagem leonina e domínio da partida, com os leões a terem mais que motivos para acreditarem na vitória. Faltava um golo para empatar a eliminatória.

O momento do golo de Fredy Montero, que ainda deu esperança aos adeptos leoninos
Fonte: Bola na Rede

Estando um pouco insatisfeito com a prestação da sua equipa no primeiro tempo, Diego Simeone fez logo uma alteração no retomar do jogo: Vrsaljko entrou para o lugar de Lucas Hernández. O Atlético entrou melhor, e ia empurrando a equipa leonina para a zona defensiva, até que veio uma má notícia: ao minuto 51, na disputa de um lance, Diego Costa lesionou-se e saiu do jogo – para o seu lugar, entrou Fernando Torres.

Gelson voltou a tentar marcar um golo de cabeça, ao minuto 53 e na sequência de uma canto marcado por Bruno Fernandes, mas a bola voltou a ir por cima da baliza de Oblak. Poucos minutos depois, foi Coates, num remate acrobático (a tentar imitar Cristiano Ronaldo frente à Juventus), embora não tenha causado calafrios ao guardião esloveno.

Para a última meia hora da eliminatória, o jogo parecia cair na seguinte toada: o Sporting a carregar em busca do segundo golo, com o Atlético à espera de uma perda de bola a meio-campo para lançar um contra-ataque venenoso, aproveitando o espaço vazio na defesa leonina.

Bruno Fernandes no seu típico remate fora de área obrigou Oblak a aplicar-se, ao minuto 69. De seguida, Jorge Jesus fez a primeira alteração: Rúben Ribeiro foi lançado, substituindo Bryan Ruiz, com o intuito de dar mais criatividade à frente de ataque. Os adeptos leoninos iam incentivando os seus jogadores, dando mostras de acreditar que era possível ultrapassar este difícil obstáculo.

Num livre direto muito bem marcado, Griezmann quase fez o empate, ao minuto 76, mas a bola passou por cima do travessão da baliza de Rui Patrício. Já à entrada dos últimos dez minutos, o treinador do Sporting retirou um defesa e pôs mais um elemento no ataque: Doumbia foi chamado para o lugar de Ristovski.

O Atlético teve duas excelentes ocasiões consecutivas para “matar” o jogo: Griezmann, nas duas vezes e cara-a-cara com o guarda-redes do Sporting, não teve discernimento suficiente para marcar.

Até ao final do encontro, o Sporting não baixou os braços, em busca do golo que levasse o jogo para o prolongamento, mas não conseguiu fazer o 2-0. O jogo terminou com a vitória pela margem mínima dos “leões” sobre os “colcheneros”, embora quem passou às meias foi o Atlético. Uma despedida inglória da turma de Alvalade da Europa, numa partida que merecia ter terminado com um desfecho diferente.

Como jogou o Sporting: Rui Patrício, Coates, Bruno Fernandes, Acuña, Ristovsky, Battaglia, Bryan Ruiz, Mathieu, Montero, André Pinto e Gelson Martins.

Como jogou o Atlético de Madrid: Oblak, Godín, Koke, Griezmann, Saúl Ñiguez, Gabi, Savic, Diego Costa, Lucas Hernández, Juanfran e Vitolo.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários