CRÓNICA: FC Paços de Ferreira esteve melhor, mas não consegue fugir da luta pela manutenção

O Sporting CP defrontou esta noite em Alvalade, no primeiro jogo em casa após a paragem devido à pandemia de COVID-19, a equipa do FC Paços de Ferreira. Ambos chegam a este jogo em posições distintas na tabela, 4º classificado contra o 16º classificado, mas também com resultados distintos apresentados na última jornada. Os Leões vinham de um empate (2-2) diante do Vitória SC em Guimarães, enquanto que os Castores fora, em Vila do Conde, por 3-2 a equipa do Rio Ave FC.

Wendel – regressado de lesão – e Borja foram titulares no Sporting CP em detrimento de Battaglia e Mathieu respetivamente – ambos (supostamente) com problemas de ordem física, ainda que Rúben Amorim tenha deixado no ar a hipótese de Mathieu abandonar a equipa no final da presente época, daí esta decisão gerar alguma apreensão nos adeptos leoninos. No lado forasteiro, Pepa acabou por realizar cinco alterações: Marco Baixinho (lesão), Bruno Teles (castigado), Eustáquio, Hélder Ferreira e Luiz Carlos são rendidos por Maracás, Oleg Reabciuk, Vasco Rocha, Murilo e Diaby.

O Sporting CP entrou melhor na partida, como seria de esperar, e tentou ditar o ritmo de jogo. A equipa de Rúben Amorim esteve sempre com bola e com bastante paciência na sua circulação, mas demonstrava dificuldades em criar situações de perigo. Os pacenses pressionavam alto e tentavam aproveitar algum espaço nas laterais, mas também sem grande sucesso. Não foi uma primeira parte particularmente brilhante e as ocasiões de golo tardavam em aparecer.

Apenas aos 38 minutos, Sporar teve nos pés a melhor ocasião de perigo, mas perdeu essa oportunidade após um excelente passe de Vietto. O argentino é mesmo o principal destaque nesta primeira etapa, após a lesão sofrida no choque com Maracás. O camisola 10 saiu com o ombro ligado e com expressões de dor. O Sporting CP terminou a primeira parte com 66% de posse de bola, mas sem criar grande perigo, trocando a bola de forma paciente e lenta, sem conseguir quebrar a defesa pacense. Depois dos 15 minutos mais pressionantes dos Leões, o FC Paços de Ferreira intensificou a pressão e dificultou (ainda) mais a tarefa do Sporting CP, que só por Wendel, ainda que de forma muito intermitente, conseguia quebrar linhas. Nulo ao intervalo.

Anúncio Publicitário

Na segunda metade, o jogo parecia desenhar-se de outra forma e com mais lances de perigo, contando logo nos minutos iniciais com algumas situações para as duas equipas. Volvidos 64 minutos, o Sporting CP chega finalmente ao golo. Após uma excelente arrancada de Wendel, Mohamed Diaby faz falta à entrada da grande área. Jovane Cabral assume a marcação do livre e com um remate potente ao ângulo superior direito faz um grande golo, com algumas dúvidas ainda a surgir, visto que a bola bate na barra e na relva – já dentro da baliza. Matheus Nunes ainda tentou tirar as dúvidas com novo remate à baliza, mas a bola já tinha mesmo entrado. Jovane Cabral fazia, assim, o seu segundo golo na temporada – e que golo!

Depois de uma primeira parte fria, a segunda parte aqueceu – e de que maneira. Após o lance do golo leonino, a equipa pacense, após uma boa jogada de entendimento, consegue isolar João Amaral que na cara de Maximiano permite a defesa do guarda-redes leonino, no entanto, o árbitro Rui Costa assinala penalty por alegada falta de Borja. Após análise do VAR e das imagens, o árbitro Rui Costa reverteu a decisão.

Aos 72 minutos, de assinalar a estreia do jovem Nuno Mendes (entra para o lugar de Acuña) que com apenas 17 anos fez, assim, a sua estreia com a camisola principal leonina. A equipa do FC Paços de Ferreira reagiu muito bem ao penalty anulado e começou a pressionar a equipa leonina. Pepa fez alterações no miolo e permitiu aos Castores crescer no jogo. O Sporting CP ia recuando numa perspetiva de matar o jogo na transição. Aos 79 minutos, o médio Luiz Carlos obriga Maximiano a fazer uma excelente defesa, que prontamente reagiu à recarga, evitando assim o empate. Aos 86 minutos, após um cruzamento traiçoeiro o jovem guardião português demonstrou, novamente, estar concentrado e somou, assim, mais uma bela intervenção, começando a ganhar destaque também nesta vitória leonina. Até ao final, o FC Paços de Ferreira tentou chegar ao empate e somou várias oportunidades – até mais que o Sporting CP ao longo de todo o jogo -, mas sem sucesso. Jovane Cabral ainda atirou a bola à barra aos 96 minutos com mais um remate potente, mas foi o 1-0 o resultado final.

O Sporting CP soma, assim, 46 pontos e iguala o Sporting Clube de Braga (com um jogo a menos) no terceiro lugar. O FC Paços de Ferreira mantém os seus 25 pontos e o 16º lugar, somando mais cinco pontos que o Portimonense SC, o primeiro clube na zona de despromoção.

A FIGURA

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Jovane Cabral – Numa primeira parte fria sem ideias e numa segunda parte morna, sobretudo para a equipa forasteira, Jovane Cabral, pelo golo e a espaços na transição, foi dos poucos destaques leoninos e o abre latas para conquistar os três pontos e desbloquear o jogo. O jovem cabo-verdiano está em destaque neste regresso à competição e vai conquistando o seu espaço. Hoje, com um excelente golo, irá certamente continuar a ser opção de Rúben Amorim. Já na parte final e sobretudo numa fase que o beneficia para jogar em transição, ainda atirou um potente remate novamente à barra. Forte, fisicamente, e a dar boas indicações, será certamente uma peça chave no que resta jogar da época. De salientar ainda Luís Maximiano (que salvou os Leões em várias situações), mas também Eduardo Quaresma.

O FORA DE JOGO

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Rafael CamachoÉ um jogador que vai demonstrando (se é que já não demonstrou ainda antes de ser contratado) que não tem qualidade para jogar no Sporting CP. Seja a extremo, seja a ala direito, seja onde for, o jovem vai demonstrando estar sempre uns furos abaixo dos restantes companheiros. Torna-se sempre previsível, lento nos processos, trapalhão, mau na decisão e raramente dá profundidade como era suposto dar no seu corredor direito. Já no início da partida os Leões iam demonstrado focar os seus ataques pelo lado esquerdo do terreno. Será, certamente, uma peça a retificar por parte de Rúben Amorim.

ANALISE TÁTICA – SPORTING CP

O Sporting CP voltou-se a apresentar no seu 3x4x2x1, apresentando apenas algumas alterações. Borja no lugar de Mathieu e Wendel no lugar de Battaglia. Matheus Nunes como 8, um pouco mais adiantado, e Wendel como “falso 6”, jogando mais recuado e a assumir mais a primeira fase de construção. Rúben Amorim procurou, assim, jogar com um meio-campo mais rotativo, mais criativo e mais ofensivo. O Sporting CP demonstrou ser muito lento com bola, sobretudo na rapidez de pensamento e na tomada de decisão. A única jogada que fugiu ao roteiro original foi a que Vietto conseguiu servir Sporar e assim criar imprevisibilidade e quebrar a alta pressão do FC Paços de Ferreira. De resto, equipa demasiado previsível com bola e que vai apresentando algumas dificuldades na construção e na ligação de sectores, sobretudo com a ausência de Mathieu e com a incapacidade de Vietto a decidir bem, procurando agir demasiado rápido.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Luís Maximiano (8)

Eduardo Quaresma (7)

Coates (6)

Borja (4)

Rafael Camacho (3)

Matheus Nunes (6)

Wendel (6)

Acuña (5)

Vietto (4)

Jovane Cabral (8)

Sporar (4)

 

SUBS UTILIZADOS

Plata (3)

Nuno Mendes (4)

Eduardo Henrique (3)

Francisco Geraldes (-)

ANALISE TÁTICA – PAÇOS DE FERREIRA

Pepa alterou cinco peças face ao jogo anterior. A equipa mudou de 4x3x3 para um 4x4x2 – João Amaral jogou muitas vezes próximo do avançado – ainda que a defender – e apesar de se apresentar num bloco alto em vários momentos do jogo – procurava defender em 4x5x1. Na primeira parte, a equipa pacense foi algo tímida, mas bastante competente e nunca foi uma equipa de estacionar o autocarro. Na segunda parte soltou-se, sobretudo após o golo do Sporting CP.  Uma exibição bastante positiva do Paços de Ferreira, não só depois do golo, mas antes. A equipa de Pepa mostrou estar bem trabalhada e ter boas individualidades para o que resta do campeonato. A alteração aos 65 minutos que coloca em campo Eustáquio e Luiz Carlos, permitiu alterar para 4x2x3x1 com Pedrinho a jogar solto atrás do ponta de lança e baralhar completamente a equipa leonina, e desde aí que o Sporting CP só conseguiu voltar a rematar aos 96 minutos, já numa fase de desespero forasteiro. Uma exibição personalizada e que dá boas indicações para o que resta jogar no campeonato e na luta pela manutenção.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ricardo Ribeiro (5)

Jorge Silva (6)

Marcelo (5)

Maracás (6)

Oleg Reabciuk (5)

João Amaral (7)

Diaby (7)

Pedrinho (6)

Vasco Rocha (5)

Murilo (4)

Douglas Tanque (8)

SUBS UTILIZADOS

Hélder Ferreira (4)

Eustáquio (5)

Luiz Carlos (5)

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por Joana Mendes