A CRÓNICA: SPORTING VIU LUZ AO FUNDO DO TÚNEL POR DEFENDI

Os primeiros minutos serviram para ter certezas de uma coisa: o Sporting CP poderia vir a ter mais dificuldades do que aquilo que inicialmente se poderia pensar. O SC Farense entrou cauteloso, mas competente a nível defensivo. E a primeira oportunidade do jogo é mesmo dos leões de Faro. Aos seis minutos, Adán é obrigado a mostrar serviço. Quem o abriga a isso é Ryan Gauld, ex-Sporting que, depois de ganhar vários ressaltos, remata com o pé esquerdo, mas Adán impede o golo.

Anúncio Publicitário

A primeira parte não foi entusiasmante. Nem de perto, nem de longe. A equipa de Rúben Amorim dominou o primeiro tempo, mas não conseguiu traduzir essa supremacia em lances de perigo e muito menos em golos. Muita posse de bola, é certo, mas o Farense não estava a permitir que os leões da capital conseguissem chegar ao último terço. À semelhança daquilo que tinha feito no estádio da Luz, esta equipa de Sérgio Vieira mostrou que, apesar de uma posição mais modesta na tabela classificativa, consegue fazer frente a um grande. Muito mais a níveis defensivos, sim, mas sempre ouvi dizer que cada um joga com as armas que tem. Mesmo depois dos 45′, cheira a golo… nas duas balizas. O que faltou nos restantes minutos, chegou mesmo quase no momento do regresso aos balneários. Primeiro, Hugo Seco vai lançado pela ala direita e passa para Ryan Gauld que estava na meia lua. O escocês remata, mas a bola vai à figura do guardião dos leões. De seguida, foi a vez de Tiago Tomás criar muito perigo do outro lado do campo. Depois de um passe de Pedro Gonçalves, o avançado tenta aproveitar mas a bola vai ao poste.

O Sporting CP até entrou a dar bons indícios na vinda dos balneários. Aos 51′, Pedro Gonçalves remata depois de um lance muito bem trabalhado por Nuno Santos. Mas Rafael Defendi defendeu a bola e negou o 1-0 aos leões da capital. Ainda assim, a equipa de Rúben Amorim continuava a mostrar bastantes dificuldades para encontrar espaços esta noite. A partir dos 60 minutos, muito devido à entrada de Tabata que mexeu com o jogo, a equipa da casa conseguiu explorar muito mais os terrenos ofensivos. Aos 69 minutos, valeu ao Farense um olho de lince de Defendi depois de um cruzamento que mais parecia um presente envenenado de Natal de Tabata, com a bola a ir parar junto à trave. O guardião de Faro, atento, defende o lance. Mas ficava já o sinal de um Sporting finalmente mais incisivo nesta altura do duelo.

Os minutos finais foram momentos de sufoco para o SC Farense. E houve mesmo um balde de água fria para os leões de Faro. Aos 86′, é assinalada falta sobre Defendi (num lance que gerou alguma polémica). Depois de uns minutos de espera, Sporar converte o penálti e faz o 1-0 para o conjunto de Rúben Amorim. O Sporting continua então invicto no campeonato e, sim, pasmem-se: estamos a chegar ao Natal. Mas não é por hoje ter sido um jogo menos bem conseguido, que esta posição deixa de ser merecida.

 

A FIGURA

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Bruno Tabata – Veio muito bem do banco. Mexeu com o jogo de forma evidente e marcou mesmo diferença nos cerca de 40 minutos que esteve em campo. Tabata causou desequilíbrios, veio impor dinâmica no duelo e, com a sua entrada, o Sporting conseguiu ser muito mais atrevido.

 

O FORA DE JOGO 

Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Tiago Tomás – Podiam ser vários os jogadores escolhidos esta noite, mas a decisão final vai mesmo para Tiago Tomás. O menino teve oportunidade no onze inicial. Mas de facto não conseguiu corresponder com aquilo que lhe era pedido. Verdade seja dita: muito por mérito do Farense. Tiago Tomás não conseguiu criar dinamismos e criar os desequilíbrios de que o Sporting estava a precisar.

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP 

Rúben Amorim, como era de esperar, mantém apenas dois jogadores em relação ao onze com o CD Mafra, regressando ao onze a que nos tem habituado no campeonato. Destaque ainda para a continuidade de Tiago Tomás no onze inicial, que senta assim Sporar no banco pelo menos nos primeiros minutos do duelo.

O Sporting apresentou-se no seu esquema habitual de 3-5-2. A equipa de Rúben Amorim estava a ser muita parra mas pouca uva. Muita posse de bola, domínio claro de jogo, mas isto não estava a ser suficiente porque a falta de ligação entre os setores estava a ser para lá de evidente. Nota ainda para uma dinâmica individual diferente da primeira parte. Se todos se recordam, o melhor que vimos de João Mário foi em 2015/2016 quando jogava essencialmente sobre a esquerda. Ora, o jogador esteve uns minutos mais nessa zona e claramente serviu para ver que conseguiu criar mais desequilíbrios do que aqueles que cria na posição 8.

 

11 INICIAIS E PONTUAÇÕES

Adán (7)

Feddal (6)

Coates (5)

Nuno Mendes (5)

João Palhinha (7)

Nuno Santos (7)

Neto (6)

João Mário (5)

Tiago Tomás (4)

Pedro Porro (6)

Pedro Gonçalves (5)

SUBS UTILIZADOS

Tabata (8)

Gonzalo Plata (7)

Sporar (8)

Gonçalo Inácio (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC FARENSE

Sérgio Vieira manteve o mesmo onze que levou a melhor sobre o CS Marítimo na última jornada. Os leões de Faro mostraram-se num 4-4-2 muito recuado no seu meio-campo. Uma postura tão recuada e compacta causou sérias dificuldades ao conjunto de Alvalade que não estava a conseguir penetrar o seu último terço. O Farense estava a conceder domínio territorial na partida mas, sempre que podiam, espreitavam a oportunidade para sair em contra-ataque. Uma estratégia que estava a surtir efeito, uma vez que ia conseguindo controlar as ações ofensivas do adversário que, até ao final da primeira parte, não conseguiu criar nenhum lance de perigo iminente. Para isso, a equipa algarvia procurou anular um dos pontos fortes do Sporting: as transições fora do bloco defensivo adversário. E como? Não permitindo que Porro e Nuno Mendes conseguissem desequilibrar tanto como costumam fazer.

 

11 INICIAIS E PONTUAÇÕES

Rafael Defendi (5)

Amine (6)

Filipe Melo (6)

Hugo Seco (7)

Bura (6)

Fabrício Isidoro (5)

Patrick (5)

Ryan Gauld (6)

Bilel (7)

Cláudio Falcão (7)

Fábio Nunes (5)

SUBS UTILIZADOS

Stojiljkovic (5)

Mansilla (5)

Eduardo Mancha (5)

Alex Pinto (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Sporting CP

BnR: O Nuno Mendes sai aos 56 minutos para a entrada de Bruno Tabata. Apesar da boa entrada de Tabata, queria pergunta-lhe sobre o estado físico do Nuno Mendes. Foi uma substituição que se deveu ao estado físico do jogador ou mesmo uma opção técnica? 

Rúben Amorim: Foi opção técnica. Queríamos outra coisa. Metemos lá o Nuno Santos para dar mais profundidade, para ter lá um extremo e não um lateral. Apesar de ele ser um lateral muito ofensivo. E o Nuno precisa de crescer no seu rendimento. Vimos que o Nuno Santos estava bem no jogo. Estava com mais velocidade e mais energia e portanto foi essa opção.

SC Farense

Não foram colocadas questões ao técnico do SC Farense, Sérgio Vieira

Declarações:

“Sabemos que ficou muita coisa por fazer hoje. Apesar de ter sido um bom jogo da nossa parte, houve coisas que falharam”

“Não vale a pena estar a comentar o lance do penálti. Para mim é claro que o Defendi toca na bola, mas não quero entrar por aí. Tal como nós temos de evoluir, nota-se que a equipa de arbitragem também tem de o fazer”

“Se formos a ver na primeira parte, não estivemos assim tão defensivos quanto isso. E até mesmo comparando com o jogo na Luz. Conseguimos ainda criar algumas oportunidades de golo”

1 COMENTÁRIO

  1. Boa noite Inês, em análise ao pior jogador em campo, penso que o Tiago Tomás não foi o pior jogador do Sporting, ai destacaria mais o João Mário ou mesmo o Pedro Gonçalves (pelo menos na 1• parte).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome