Anterior1 de 4Próximo

O surpreendente líder da Primeira Liga na entrada para a sexta jornada, FC Famalicão, visitou a casa do eterno candidato ao título: o Sporting CP. O histórico de encontros é favorável aos leões, pois nunca perderam e venceram 19 vezes a equipa de Vila Nova de Famalicão. Para este jogo os famalicenses, que têm feito um excelente arranque de temporada, vinham a Alvalade com a mesma identidade e com o objetivo de vencer. Do outro lado, havia “leões” com vontade de acabar com os maus resultados e de voltar a sentir o sabor da vitória.

Os minutos iniciais da partida foram um pouco desinteressantes, uma vez que as duas equipas entraram com receio uma da outra, mas talvez a formação leonina tenha mostrado alguma vontade de querer assumir o controlo do jogo, sobretudo por Bolasie, que ia tendo bola, numa clara tentativa de querer ser protagonista no encontro que encerrava a jornada.

O primeiro lance de perigo da partida pertenceu a Miguel Luís, à passagem do minuto 19, que tentou picar sobre Defendi, mas sem sucesso. Em resposta, o Famalicão a atenção de Renan Ribeiro foi testada primeiro por Fábio Martins, num remate fora de área, onde o guardião brasileiro defendeu para frente e a bola acabaria por ir ter aos pé de Toni Martinez, que não foi capaz de fazer o primeiro golo em Alvalade.

Aos 25’, o marcador foi inaugurado: Lionn perdeu a bola na zona defensiva, Vietto ganhou a posse de bola, tirou o defesa da frente e disparou forte ao ângulo da baliza para fazer o seu primeiro golo (e que golo!) com a camisola dos Leões.

Os homens de Leonel Pontes estavam a apostar em remates à entrada da área, para tentar dilatar a vantagem: exemplos disso foram os remates de Vietto (28’) e Marcos Acuña (35’) que puseram em sentido a defesa adversária.

Momento do primeiro golo do argentino com a camisola do Sporting CP (e que golo!)
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Na sequência de um pontapé de canto, Coates, aos 39 minutos, tentou um golo de antologia com uma “bicicleta”, contudo, o seu remate saiu por cima e não criou grande perigo. Antes do apito para intervalo, houve espaço para mais um lance de algum perigo para o conjunto visitante, por intermédio de Pedro Gonçalves, mas Renan defendeu bem. O jogo foi para intervalo com o Sporting na frente com uma margem mínima e assentava-se bem a vantagem verde e branca.

Reinício do encontro e novamente com entradas muito diferentes por parte das duas equipas. Os leões voltaram novamente com vontade e de novo com muito perigo perto da baliza de Defendi. Já o Famalicão, que foi pela primeira vez em desvantagem para o intervalo, voltava a entrar tremido na partida.

Se os famalicenses não precisaram de muito esforço para chegar à baliza de Renan, aos 55 minutos, os avisos passaram a um golo. Começou tudo com Fábio Martins, que esperou pelos seus colegas, depois passou para Centelles, que fez um grande lance individual, e depois chegou a Rúben Lameiras. O jovem português só teve de receber, rodar e rematar com muita força para marcar o primeiro golo do Famalicão no jogo.

Mas que golaço e que jogada coletiva por parte da equipa sensação da Liga. Era o empate a uma bola em Alvalade. Há 27 anos que o Famalicão não marcava em casa do Sporting – foi um golo histórico.

Depois do golo do Famalicão, as bancadas não estavam nada agradadas com o que viam e pior ficou o ambiente com a saída de Vietto. Os adeptos assobiaram, e muito, pela decisão de Leonel Pontes e aplaudiram no final o argentino. O número dez leonino, depois de sair, pediu satisfações ao treinador português e não o cumprimentou.

A equipa leonina estava de cabeça perdida e os famalicenses iam aproveitando esta situação da melhor maneira. E, houve mesmo duas situações consecutivas para a equipa sensação: primeiro foi Lionn, que quase que se ia redimindo daquilo que fez na primeira parte, passou por Battaglia e rematou cruzado, mas Renan defendeu para canto; depois foi um livre rapidamente batido  e apareceu Toni Martinez, que tentou fazer um chapéu, mas acabou por sair um pouco por cima.

O Sporting ia acordando aos poucos, depois de muita contestação vinda da bancada, e aproveitando da melhor maneira os contra-ataques. Os leões acabaram por se instalar no meio-campo do Famalicão, em busca de vencer e não deixar que mais pontos fugissem na sua própria casa.

Porém, nem um ponto ficou em Alvalade, pois, aos 88 minutos, houve um balde de água gelada. Um passe que fez uma grande descoberta de Diogo Gonçalves pelo lado direito e o jovem acabou por percorrer o flanco direito todo, numa autêntica “via verde”. O número 17 do Famalicão cruzou para Anderson Oliveira, que deveria encostar, mas foi Coates quem acabou por fazê-lo. Foi a segunda vez a marcar auto-golos, depois de o ter feito em Eindhoven contra o PSV. Foi o pior que podia ter acontecido à equipa leonina. Era o 1-2 para os famalicenses.

Até ao final do encontro não houve, em Alvalade, mais oportunidades de perigo que merecessem a atenção do público e a vitória acabou por ser azul e branca. O marcador do Estádio Alvalade mostrava uma vitória famalicense histórica por 1-2.

O FC Famalicão é líder da Primeira Liga com 16 pontos – mais um do que SL Benfica e FC Porto – e continua sem perder para o campeonato, tal como o Boavista FC. São três pontos num campo naturalmente difícil, mas uma vitória famalicense mais do que justa com uma segunda parte de excelência. Já o Sporting continua sem ganhar para a Liga há três jogos e está no sétimo posto. Esta foi uma vitória histórica em Alvalade, já que os famalicenses nunca tinham trazido os três pontos do reduto do leão.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Sporting CP – Renan Ribeiro (GR), Rosier, Coates, Mathieu, Acuña, Doumbia, Battaglia (Jesé, 76′), Miguel Luís, Wendel, Vietto (Jovane, 62′) e Bolasie

FC Famalicão – Rafael Defendi (GR), Centelles, William, Nehuen, Lionn, Gustavo Assunção, Guga, Pedro Gonçalves (Racic, 87′), Rúben Lameiras (Diogo Gonçalves, 79′), Fábio Martins e Toni Martinez (Anderson Oliveira, 67′)

Anterior1 de 4Próximo

Comentários