sporting cp cabeçalho 1Antes do jogo de apresentação aos sócios, o Sporting encerrou a sua sequência de jogos do estágio da Suiça frente aos franceses do Marselha. Na baliza, Jorge Jesus deu a titularidade a Pedro Silva enquanto que o quarteto defensivo manteve-se com Piccini e Fábio Coentrão nas laterais e Coates e Mathieu ao centro. No meio-campo, Petrovic jogou à frente da defesa com Rodrigo Battaglia à sua frente. As alas ficaram entregues a Bruno César e Bruno Fernandes enquanto que Alan Ruiz ficou encarregue de apoiar o avançado Bas Dost.

Na primeira parte, o Sporting esteve muito longe daquilo que se imagina que o treinador Jorge Jesus venha a querer da equipa. Para além da grande dificuldade em sair a jogar (onde Mathieu tentou, vezes sem conta, a saída com bola e todas elas sem sucesso), o Sporting não conseguiu impor o seu jogo e, acima de tudo, as suas ideias ofensivas. Os contra-ataques da equipa do Marselha foram com regularidade uma grande dor de cabeça e a defesa foi permeável à velocidade dos atacantes franceses. Aliás, foi assim que o Marselha se colocou em vantagem no marcador por N’Jie logo no primeiro minuto de jogo.

O início da segunda parte foi uma cópia daquilo que se passou na primeira. O Sporting voltava a sofrer um golo depois de não conseguir estar por cima no jogo, apesar de todas as alterações feitas por Jorge Jesus. Apesar disso, as entradas de Jonathan Silva, Matheus Pereira, Mattheus Oliveira e Daniel Podence que substituíram Coentrão, Petrovic, Bruno César e Alan Ruiz  foram uma mais-valia para a equipa que a partir do segundo golo melhorou muito sobretudo a nível ofensivo. Os grandes responsáveis por isso foram Podence e Matheus Pereira que deram velocidade ao ataque enquanto que a entrada de Palhinha deu outra consistência defensiva. A entrada de Doumbia para o lugar de Bas Dost também criou outro perigo, apesar, obviamente de a bola lhe ter chegado com mais facilidade, algo que não tinha acontecido com o holandês. Doumbia foi, aliás, o responsável pela marcação da grande penalidade a favor do Sporting e chegou a estar perto de empatar a partida.

Em relação aos reforços, existem obviamente notas positivas e negativas neste encontro. Cristiano Piccini ainda não dá conta do recado na lateral direita e, é muito provável, que os rumores da chegada de um novo reforço para esse lugar sejam verdade. O italiano defende melhor do que ataca mas nem nesse capítulo consegue ser brilhante. Nas incursões ao ataque, não foi um perigo constante, como se pretende que seja. O central Jérémy Mathieu teve grandes dificuldades para acompanhar a velocidade da defesa contrária, sendo que o segundo golo é também culpa sua. Para além disso, nota-se que está habituado a sair a jogar com bola mas, de todas as vezes que tentou, foram mais aquelas que deram em contra-ataque do Marselha do que propriamente aquelas que levaram perigo à baliza contrária, fruto sobretudo da lentidão que deu às jogadas. Neste momento, ainda tem que melhorar o seu ritmo competitivo. O português Fábio Coentrão ainda está longe daquilo que já foi mas existe uma melhoria daquilo que se viu nos primeiros jogos. A atacar esteve bem e a defender ainda melhor, sendo que o seu corredor é relativamente seguro, sobretudo quando estiver adaptado a cem por cento.

Matheus Pereira e Doumbia foram uma mais-valia no ataque leonino Fonte: Facebook Sporting Adeptos
Matheus Pereira e Doumbia foram uma mais-valia no ataque leonino
Fonte: Facebook Sporting Adeptos

Battaglia é daqueles jogadores que nunca vira a cara à luta e imprime muita agressividade na disputa pela bola. Apesar de ainda haver dúvidas em relação à posição na qual vai jogar, funciona melhor como 8 do que como 6, sendo que a equipa não tem perdido com ele em campo sobretudo a nível defensivo.

Bruno Fernandes é, provavelmente, o melhor reforço para 2017/2018. O português não engana na qualidade que tem nos pés e a sua visão de jogo tem encantado os adeptos. Mais uma vez, jogou de início e fez um grande jogo. Se Adrien Silva sair, a posição está mais do que assegurada.

O brasileiro Mattheus Oliveira tem sido a grande surpresa deste defeso. Apesar de muitos o considerarem carta fora do baralho, no tempo que tem estado em jogo tem justificado a sua contratação e tem mostrado que podem contar com ele. Ainda se está a entrosar na equipa mas o entendimento com os colegas é cada vez melhor e tem uma visão de jogo assinalável, algo que lhe tem permitido criar situações de perigo.

O costa-marfinense Doumbia entrou em campo para substituir Bas Dost, marcou o golo que reduziu a desvantagem e podia perfeitamente ter chegado ao empate. Fez a dupla perfeita com Podence e criou muito perigo à baliza contrária. Tal como se esperava, é jogador para ter em conta e pode perfeitamente aspirar ao onze inicial.

Foto de Capa: Sporting CP

Comentários