O Sporting CP venceu hoje o Boavista FC por 3-0, em jogo a contar para a oitava jornada da Primeira Liga. A partida afigurava-se importante para os “leões”, depois do empate do SC Braga e da derrota do SL Benfica, pelo que José Peseiro apostou de início em Diaby, para dar explosão ofensiva aos da casa. De destacar também a manutenção da titularidade de Renan, na baliza; e os regressos de Mathieu ao onze titular e de Bas Dost ao banco de suplentes. Já Jorge Simão, do lado boavisteiro, fez estrear Edu Machado nesta edição do campeonato.

E que início de jogo! Ainda não estavam completados três minutos de jogo e Battaglia disparou do meio da rua para uma grande defesa de Helton Leite. O guarda-redes brasileiro nem teve tempo de recuperar o fôlego antes de defender novo remate na sequência da jogada, desta vez por Acuña. A resposta dos axadrezados não foi menos perigosa: que obra de arte ia fazendo Mateus, mas o remate em jeito a partir da esquina da área só parou no poste da baliza de Renan.

O Sporting foi gerindo a partida e tendo mais presença ofensiva do que nas últimas partidas, ainda que a pontaria não estivesse afinada. Seba Coates subiu e cabeceou aos 16 minutos, mas a bola saiu ao lado. Depois foi Nani, num ensaio mais perigoso, a cabecear para defesa atenta de Helton.

Mas se o tal ensaio do internacional português não correu bem, Nani soube aprender com os erros e não falhou na oportunidade seguinte. Cruzamento de Montero após bom trabalho individual e Nani a voar para o golo. O cabeceamento ainda foi defendido por Helton, mas tinha selo de golo e só parou lá dentro. 1-0 para o Sporting.

Até ao final da primeira parte, o Sporting conseguiu gerir bem a vantagem, que se adequava bem ao que se estava a passar dentro das quatro linhas.

Anúncio Publicitário
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Já no segundo tempo, os ânimos aqueceram um bocado, mas num bom sentido. O Boavista tentou dar o ar da sua graça através de Fábio Espinho, que rematou bem junto ao poste. O Sporting não se fez de rogado e carregou no acelerador.

À passagem da hora de jogo, os leões ampliaram a vantagem pelos pés de Bruno Fernandes (e que pés!): Diaby cruzou para a entrada da área, onde o internacional português apareceu para armar um portentoso remate que só parou no fundo das redes.

Os adeptos leoninos ainda não tinham recuperado a voz do segundo golo quando levantaram os cachecóis e festejaram o terceiro: Bruno Gaspar cruzou para a entrada da área, à semelhança do segundo golo, Bruno Fernandes remata contra um defesa e a bola sobra para Nani, que bisou na partida.

Pensava-se que o ponto alto da partida era este grande ímpeto ofensivo do Sporting, que não aparentava assim tanto desgaste quanto se pensava, mas na verdade foi o regresso de Bas Dost. Quando o holandês se aproximou da linha de meio-campo, já se ouvia o típico canto dedicado ao ponta-de-lança, porém, quando este entrou, os 27 mil adeptos gritaram em uníssono o nome de Bas Dost, com o mesmo a agradecer o carinho demonstrado.

A partir deste momento, poucas jogadas ofensivas se viram por parte do Boavista, que tentava responder aos dois golos repentinos mas sem sucesso. Por sua vez, o Sporting conseguia aproximar-se facilmente da área de Helton, com os jogadores boavisteiros a fazerem das tripas coração para não sofrer o quarto tento.

A partida acabou por terminar com uma vitória confortável do Sporting, após a derrota na Europa, contrariando assim o estigma dos maus jogos na caminhada europeia.

Onzes Iniciais:

Sporting CP: Renan, Bruno Gaspar, Coates, Mathieu, Acuña (Bas Dost, 78′), Battaglia, Gudelj, Bruno Fernandes, Nani, Diaby (Bruno César, 87′), Montero (André Pinto, 78′)

Boavista FC: Helton, Cardoso, Talocha, Rochinha, David Simão, Mateus (Índio, 58′), Fábio Espinho (André Claro, 74′), Edu Machado, Neris, Rafa, Idris (Rafael Costa, 43′)