Anterior1 de 3Próximo

“Prefiro ganhar 3-2 a ganhar apenas por 1-0”. A frase é de Marcel Keizer e ilustra tão bem a partida de hoje. O Sporting CP venceu esta noite o CD Nacional por 5-2, num jogo completamente eletrizante, dos melhores do campeonato até agora. As duas equipas entraram em campo em grande nível e ambas deram espetáculo, mesmo com algumas alterações nos onzes – Bruno César em vez do lesionado Wendel foi o caso principal.

Apesar de ter chegado há pouco, já conhecemos a filosofia de Keizer: bonito é que haja espetáculo, que haja golos e emoção até ao fim. E o que haverá de mais emocionante do que tentar uma “remontada”? Pois é. É que na primeira meia-hora o Sporting ofereceu o jogo ao Nacional e este, extremamente competente e com todo o mérito, aproveitou. Foi tudo dos insulares, num autêntico vendaval madeirense.

Costinha trouxe a lição bem estudada: pressionar logo no primeiro terço do campo, onde o Sporting do holandês começa a construir, aproveitar a falta de velocidade leonina nas laterais e muitos homens no meio a fechar o principal corredor de construção dos “leões”. Tudo com uma pressão altíssima e grande confiança. E resultou!

Foram um, dois, três, quatro… e podíamos continuar até aos oito, porque foi esse o número de remates da equipa insular nesta primeira parte. A jogada de perigo inaugural serviu até de amostra do que aí viria: ainda nem o cronómetro tinha tocado o primeiro minuto completo e já João Camacho aquecia as luvas de Renan!

Não entrou à primeira, entrou à segunda! Sexto minuto e que golaço de João Camacho. Com calma e sentido de posicionamento, fugiu à marcação e variando para o meio atirou em arco e à entrada da área para o golo. Entretanto, aos 18 minutos, Bas Dost ainda meteu a bola na baliza de Daniel, mas o golo foi anulado por fora-de-jogo de Diaby. A partir daqui foi um “bailinho da Madeira”.

Rochez e Witi mantinham Renan acordado para que pudesse assistir da forma ao golo de Palocevic, o segundo do Nacional. Bom lance ofensivo dos visitantes pela direita, com Jota a cruzar milimetricamente para a cabeça do sérvio, que ainda viu a bola a bater na barra antes de beijar a rede. 2-0 para o Nacional ao minuto 25′, inteiramente merecido! Até porque o “bailinho” continuou: Palocevic voltou a assustar de livre – com grande defesa de Renan -, e depois foi Witi a rematar por cima. Que exibição dos homens de Costinha!

Só que o Sporting fartou-se de bailar e ao minuto 35′ decidiu pôr fim àquela “linda brincadeira”. Bas Dost foi derrubado na área por Vítor Gonçalves e de penálti reabria a partida em Alvalade. E de que maneira! Foi pressão e mais pressão até ao apito para o intervalo de Fábio Veríssimo. Com presença constante no meio-campo nacionalista – que se escondera -, crescia o apoio dos adeptos. Os últimos 15 minutos da primeira parte foram dos “leões”, que apesar de não terem chegado ao empate, estiveram perto, com investidas de Nani e Bruno Fernandes. 1-2 para o Nacional ao intervalo, com um grande jogo de futebol!

Na primeira parte o CD Nacional fez uma grande exibição, conseguindo mesmo dois golos de vantagem
Fonte: Bola na Rede

Na segunda-parte, e apesar de entrar com mais bola, o Sporting parecia regressar nervoso. Com pouco esclarecimento no último passe e com alguns erros do meio-campo para trás, crescia a pressão e o domínio leonino, ainda que existente e total, não tinha resultados práticos. Nani e Bruno Fernandes ainda tentaram resolver “à bomba”, de fora de área, mas tiveram o mesmo resultado que teve Júlio César do lado madeirense: a bola não entrou.

Ao minuto 70′ tudo muda: Jovane – que entrou para o lugar de Nani dois minutos antes – isola Bas Dost. O holandês atrapalha-se na cara do guardião insular, mas aparece no apoio Bruno Fernandes, que em jeito de recarga faz o golo do empate! Explosão em Alvalade!

Era um ritmo alucinante, “bola cá, bola lá”. O Sporting dominava a partida e perseguia agora o golo da reviravolta, que… não durou muito. Ao minuto 75′ houve falta de Felipe Lopes ainda a alguns metros da grande-área. Mathieu pegou na bola. Os adeptos pegaram na bola. Os sportinguistas de todo o mundo pegaram na bola. Respiraram fundo e lá foi ela. Que golaço de Mathieu! Que explosão de alegria em Alvalade! 3-2 e remontada. Keizer tinha razão.

Depois disto só deu Sporting, em grande comunhão entre os artistas da relva e os da bancada. Bruno Fernandes ainda esteve perto de matar o jogo, com uma grande jogada individual, mas Daniel parou o remate. Não conseguiu foi parar Bas Dost. Penálti discutível assinalado por Fábio Veríssimo e na segunda tentativa – a primeira foi anulada por violação de área – o holandês bisou e isolou-se ainda mais na tabela dos melhores marcadores da Liga, com 10 golos.

E ainda antes do final, tempo para mais um golo, não quisesse Mr. Keizer muitos golos. Bruno Fernandes cabeceia uma, é defendida. Cabeceia duas e faz o quinto golo dos “leões”. Sexto golo do médio no campeonato e mais um grande exibição. Dele e do Sporting! São seis vitórias consecutivas dos verdes-e-brancos orientados por Keizer, com… 25 golos marcados. São mais de quatro golos por jogo e os adeptos agradecem. O futebol é bom, os jogos são emocionantes e o Sporting lá continua: segundo lugar e cabeça no título.

Onzes Iniciais:

Sporting CP: Renan, Coates, Mathieu, Jefferson, Bruno Gaspar, Gudelj, Bruno César (Miguel Luís, 46′), Bruno Fernandes, Diaby, Nani (C) (Jovane, 68′) e Bas Dost.

CD Nacional: Daniel, Kalindi, Felipe Lopes, Júlio César, Nuno Campos, Jota, Palocevic (Hamzaoui, 80′), João Camacho (Brayan Riascos, 77′), Vítor Gonçalves, Witi e Bryan Rochez.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários