É um facto mais do que evidente que este Sporting é um Sporting bem diferente do da época transata. No que diz respeito ao ‘jogo jogado’, e se compararmos com o ano passado, a equipa tem produzido um jogo manifestamente pobre e tem deixado saudades (e muitas!) do bom futebol desenvolvido enquanto Jorge Jesus comandava a equipa. O Sporting 18/19 é, e muito, um Sporting bastante diferente do Sporting de 17/18.

Muito se tem falado acerca disto. José Peseiro tem desculpabilizado a questão, dizendo que só quatro dos titulares da época passada podem ser utilizados (Coates, Battaglia, Acuña e Bruno Fernandes; recorde-se de que tanto Mathieu como Bas Dost estão com problemas físicos e não têm sido opção por isso mesmo). Por sua vez, os adeptos não estão nada satisfeitos com o atual técnico leonino: muitos golos sofridos, vitórias tangenciais e difíceis… só para se ter uma noção, o Sporting já não depende de si próprio para ser campeão.

Porém, neste texto, analisaremos a prestação dos “meninos mimados” (expressão utilizada por Bruno de Carvalho). Certamente que voltaram com a melhor das intenções, mas só isso não chega e nenhum dos três (Battaglia, Bruno Fernandes e Bas Dost) tem estado ao nível do ano passado.

Foram destaques na época passada, mas Bruno Fernandes e Bas Dost não se têm evidenciado esta época
Fonte: Sporting Clube de Portugal

O Bas Dost de 18/19 é um caso de muito difícil análise: o ponta de lança holandês lesionou-se na receção ao Vitória Futebol Clube ainda no mês de agosto e não tem sido opção desde então. Nos 135 minutos de jogo que tem nesta época (jogo completo contra o Moreirense e a primeira parte no jogo contra os sadinos), o avançado tem dois golos marcados, graças ao bis em Moreira de Cónegos logo na primeira jornada. Bas Dost não tem jogado e é exatamente por isso que fazer uma análise à época do holandês é uma tarefa praticamente impossível. Na altura, Sousa Cintra duplicou o salário a Bas Dost para o avançado regressar para regressar a Alvalade, mas hoje é impossível encontrar uma resposta concreta à pergunta estipulada no título.

Contudo, para Bruno Fernandes e para Battaglia as análises a fazer são bem distantes daquela que foi feita a Bas Dost. O médio português foi, inclusive, considerado o melhor jogador do último campeonato. A época do ex-Sampdoria ficou claramente marcada pelos golos (e que golos!), pelas assistências primorosas, mas, acima de tudo, pela notória entrega ao jogo do jogador formada no Bessa. Ora, apesar de já ter faturado esta época (três golos frente ao Marítimo, dois na Taça da Liga e um no campeonato, e um frente ao Moreirense na jornada inaugural do campeonato) o agora capitão do Sporting Clube de Portugal, decisão essa que provocou algum descontentamento na massa adepta leonina, tem estado muito abaixado daquilo que demostrou na época transata. Será por causa do treinador? É bem possível que sim, mas ainda assim a fraca prestação do internacional português na presente temporada não pode ser só justificada por isso. Pessoalmente não acredito na história de que Bruno Fernandes não tenha adquirido melhorias salários, mas caso a história se confirme como verdadeiro há outra questão a levantar: onde está o Bruno do ano passado?

Tal como Bas Dost, também Battaglia usufruiu de uma melhoria (e que melhoria!) salarial para voltar a ser leão. É verdade que não se esperava tanto de Battaglia como de Bruno Fernandes, mas o argentino tem estado muito abaixo daquilo a que nos já habituou. Batta nunca foi um jogador por aí além. Sempre muito discreto em campo, fazia valer muito da intensidade que colocava no seu jogo e na pressão que fazia aos adversários. Exemplo? Algum vez o Battaglia deste ano travaria todas as investidas de Messi como o do ano passado fez em Alvalade? Outro exemplo? Na deslocação a Portimão o internacional argentino foi mesmo apanhado por uma câmara a bocejar. A verdade é que parece ser só no Sporting que o médio defensivo não demostra o seu melhor jogo, dado que foi titular no encontro que opôs a seleção da Argentina à seleção do Brasil. Muitas eram as dúvidas sobre se valia mesmo a pena ter duplicado o salário ao jogador, mas este péssimo arranque de temporada veio retirar todas as dúvidas ainda existentes.

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por: Beatriz Silva

Comentários