spot_imgspot_img

    CD Tondela 0-0 Estoril Praia SAD: Frio da Beira congelou o resultado

    A CRÓNICA: EMPATE AJUSTADO, FALTOU O GOLO

    O Grupo H da Taça da Liga 2022/23 abriu com a deslocação do primo-divisionário Estoril Praia SAD ao Estádio João Cardoso, casa do CD Tondela, equipa que milita esta temporada na Segunda Liga Portuguesa. Numa noite fria de novembro, com grande parte dos adeptos já a pensar no Campeonato do Mundo que se avizinha, a prova nacional tem a sua primeira fase ao mesmo tempo que o torneio se realiza no Catar.

    Numa primeira parte sem golos, foi a equipa do Tondela a que conseguiu a melhor entrada em jogo, com mais bola e iniciativa ofensiva até cerca dos 20 minutos de jogo. Aí, um remate forte de Tiago Araújo serviu como despertador para o Estoril, que entrou mais em jogo e até dispôs da melhor oportunidade para marcar no primeiro tempo: Rodrigo Martins, após um grande trabalho individual, deixou Yusuf isolado e com a baliza aberta, mas o extremo não foi capaz de conseguir uma finalização certeira.

    No segundo tempo, as equipas também não foram capazes de desfazer o nulo, apesar de ambas as equipas terem disposto de oportunidades: do lado do Tondela, Lacava evidenciou-se e teve no pé esquerdo o remate mais perigoso da equipa de Tozé Marreco; já no Estoril, Rodrigo Martins foi sempre o mais inconformado e também ele disparou ao alvo por várias vezes.

    No final, fica um ponto para cada equipa, começando assim esta fase de grupos da Taça da Liga sem golos, mas mantendo-se ambas bem vivas na luta pelo primeiro lugar, o único que vale o apuramento para os quartos-de-final da prova.

     

    A FIGURA

    Estoril Praia SAD
    Fonte: Cláudia Figueiredo / Bola na Rede

    Rodrigo Martins – O extremo do Estoril foi a figura “mais” no movimento ofensivo da equipa lisboeta. Com os movimentos mais perigosos, foi através dos rasgos dele que a equipa mais se mostrou. Nota também para Matías Lacava, do Tondela, que foi a principal figura da equipa hoje.

     

    O FORA DE JOGO

    CD Tondela
    Fonte: Paulo Ladeira / Bola na Rede

    Pedro Augusto – Num jogo onde se torna difícil escolher alguém pela negativa, o médio do Tondela acabou por ter algumas ações falhadas, perdendo a bola no meio e, assim, entregando a posse ao adversário.

     

    ANÁLISE TÁTICA – CD TONDELA

    Tozé Marreco manteve-se fiel ao 3-4-3 habitual, mas mexeu nas peças dentro desse esquema. A principal novidade esteve no ataque, com uma frente onde, ao contrário do que se podia esperar, foi Telmo Arcanjo a estar mais ao centro, com Rúben Fonseca e Lacava nas alas. Nota também para a baliza, onde Babacar Niasse descansou, rendido por Philip Tear.

    11 INICIAL E PONTUAÇÕES

    Philip Tear (6)

    Manu Hernando (6)

    Marcelo Alves (6)

    Ricardo Alves (6)

    Tiago Almeida (6)

    Jota Gonçalves (6)

    Pedro Augusto (5)

    Bebeto (6)

    Telmo Arcanjo (6)

    Matías Lacava (7)

    Rúben Fonseca (6)

    SUBS UTILIZADOS

    Bruno Cuba (5)

    Dário Miranda (-)

    Rodrigo Fajardo (-)

     

    ANÁLISE TÁTICA – ESTORIL PRAIA SAD

    Os pupilos de Nélson Veríssimo entraram no habitual 4-3-3, que pode também ser um 4-2-3-1, consoante a posição de João Carvalho (como segundo ‘8’ ou a ’10’). O treinador estorilista aproveitou a Taça da Liga para mexer na equipa, também fruto de algumas ausências devido às seleções. Assim, o maior destaque foi para a frente de ataque, onde, por opção, apareceu Marqués, com Erison e João Carlos no banco.

    11 INICIAL E PONTUAÇÕES

    Pedro Silva (6)

    Shaquil Delos (6)

    Edson Mexer (6)

    Pedro Álvaro (6)

    Tiago Araújo (6)

    Loreintz Rosier (6)

    Serginho (6)

    João Carvalho (6)

    Rodrigo Martins (7)

    Dele Yusuf (6)

    Alejandro Marqués (6)

    SUBS UTILIZADOS

    Mor Ndiaye (5)

    João Carlos (5)

    João Marques (5)

    Tiago Santos (5)

    Gilson Benchimol (5)

     

    BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

    CD TONDELA

    BnR: O Rúben apareceu hoje a jogar pela esquerda, com o Telmo no meio. Porquê esta colocação dos jogadores, quando seria esperado que jogassem ao contrário?

    Tozé Marreco: Tem a ver com a organização da equipa. O Telmo pode ser mais um a jogar no meio, aliás, respondeu muito bem aí contra o Moreirense, por isso ganhámos mais uma solução pelo meio. Já o Rúben, pela dinâmica da equipa, pode jogar bem a partir dali. Contudo, aos 20 minutos, troquei a frente toda, com novas adaptações, mas gostei da reposta do Rúben e do Lacava, que foram hoje titulares.

     

    ESTORIL PRAIA SAD

    BnR: Só a partir da meia hora de jogo é que o Estoril conseguiu pôr o seu jogo em prática. O que é que faltou para entrar melhor na partida?

    Nélson Veríssimo: Julgo que seja uma questão de confiança. Sentimos que a equipa entrou preocupada em ter consistência a defender e isso tirou discernimento no momento de ter a bola. Contudo, a equipa foi-se galvanizando com o jogo, nem sempre com o critério que queríamos, portanto temos que melhorar isso. Fica o resultado, contra uma equipa que sabíamos que nos ia criar problemas.

    - Advertisement -
    spot_img

    Subscreve!

    Artigos Populares

    Alexandre Candeias
    Alexandre Candeiashttp://www.bolanarede.pt
    Apaixonado por futebol desde sempre, tem o hábito de escrever sobre o desporto rei desde os tempos da escola primária, onde o tema das composições de Português nunca fugia da bola.
    Bola na Rede