logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Vizela x Braga

FC Vizela 1-0 SC Braga: Mágico Nuno tirou um coelho da cartola

A CRÓNICA: NUNO MOREIRA FEZ UM GOLO À FIFA, ABEL RUIZ E HORTA JOGARAM UFC

Naquele que é o último jogo antes do Natal de ambas as equipas, o FC Vizela recebeu o SC Braga, numa partida a contar para os oitavos de final da prova rainha do futebol português – a Taça de Portugal!

Como normalmente acontece em competições internas extracampeonato, ambos os treinadores promoveram alguma rotação nos seus onzes, em relação aos habituais titulares. Álvaro Pacheco mudou seis peças em relação ao jogo frente ao FC Porto, enquanto Carvalhal mudou quatro homens no Braga, em relação ao onze na receção ao Belenenses SAD.

O jogo começou, desde cedo, muito animado e logo à passagem do minuto oito estava inaugurado o marcador. Nuno Moreira recebe a bola à esquerda, ainda muito longe da baliza, encarou Tormena, ajeitou para dentro e lançou um míssil do meio da rua, fazendo os adeptos vizelenses saltarem dos seus lugares. Um golo do outro mundo do extremo português, o seu primeiro na temporada.

A equipa do Braga reagiu e esteve perto de chegar ao empate por duas vezes. Primeiro André Horta, que depois de uma combinação no corredor central atirou à baliza adversária e de seguida Diogo Leite, na sequência de um canto ao primeiro poste desviado por Lucas Mineiro, ameaçaram a baliza vizelense. O desfecho? Duas enormes defesas de Pedro Silva, mantendo a sua baliza a zeros e a sua equipa na frente.

Ao minuto 26, foi o Vizela quem esteve à beira de aumentar a vantagem. Nuno Moreira (mesmo tendo sido carregado em falta) isola Cassiano e o avançado brasileiro, já depois de ter passado por Matheus viu o seu golo negado por um corte “in extremis” de Tormena. O jogo parou e o VAR avisou Nuno Almeida que a carga sobre Nuno Moreira poderia ser merecedora de expulsão. O árbitro da AF Algarve foi ao monitor e decidiu anular a decisão anterior (cartão amarelo) e mostrou a cartolina vermelha a Abel Ruiz, autor da falta fora de tempo.

Até ao intervalo, o Vizela teve mais bola e as oportunidades não existiram.

A segunda parte iniciou-se bem mais calma que a primeira e tivemos de esperar 20 minutos para vermos a primeira oportunidade digna desse nome. Excelente combinação entre os manos Horta, do lado do Braga, batendo o meio-campo vizelense, bola para Moura à esquerda que cruza atrasado para André Horta e este dominou e atirou por cima da baliza da casa.

O Braga ia tentando chegar ao golo do empate, mas foram os da casa que estiveram mais perto de aumentar a vantagem. Recuperação de bola a meio-campo, com o Braga desorganizado, boa jogada do Vizela que termina com um cruzamento açucarado de Kiko Bondoso, mas Cassiano chega atrasado, já em carrinho e não consegue o golo.

Já em cima do minuto noventa, André Horta viu também o cartão vermelho, depois de uma entrada muito perigosa sobre Kiko Bondoso, deixando assim a equipa do Braga reduzida a 9 unidades para os últimos minutos de jogo. Apito final, 1-0 para o Vizela, que está na primeira vez na sua história nos quartos de final da Taça de Portugal.

 

A FIGURA

Nuno Moreira – Marcavam apenas oito minutos no cronómetro quando aconteceu o momento do jogo. Nuno Moreira colocou a bola onde mora a coruja, candidatando-se ao melhor golo da competição. Na segunda parte tentou repetir o feito, mas a bola passou um pouco ao lado. Aproveitou muito bem a oportunidade com um grande golo.

 

O FORA DE JOGO

Jan Vertonghen Abel Ruiz
Fonte: Sebastião Rôxo / Bola na Rede

Abel Ruiz – Com uma entrada imprudente e fora de tempo, colocou o Braga a jogar com dez logo ao minuto 26. Até lá, não tinha estado muito em jogo. Fica apenas marcado pela negativa.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC VIZELA

O Vizela, fiel aos seus princípios, manteve o 4-3-3, que em processo defensivo é um 4-1-4-1. Kiki voltou ao onze, depois de ter sido relegado para o banco nos últimos jogos. Os médios foram Marcos Paulo, Samu e Mendez, que substituiu Zag, mas os princípios mantiveram-se os mesmos. Equilibrados, contam sempre mais os posicionamentos e os comportamentos a nível coletivo do que individual, havendo rotação de quem é o médio mais de contenção da equipa.

Cassiano muito mais em apoio e Nuno Moreira mais à profundidade. Kiko pediu entrelinhas, mas não foi muito solicitado. Com as alterações a equipa foi perdendo qualidade, mas foi tendo bola e não permitiu muito perigo ao adversário

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Pedro Silva (8)

Bruno Wilson (6)

Aidara (6)

Kiki (6)

Igor Julião (6)

Samu (7)

Marcos Paulo (7)

Kiko (7)

Mendez (6)

Nuno Moreira (9)

Cassiano (7)

SUBS UTILIZADOS

Koffi (5)

Zag (5)

Cann (5)

Zohi (5)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA

O SC Braga atuou no seu habitual 5-2-3, que vai variando para um 4-2-3-1. Diogo Leite, homem mais à esquerda da linha de 3 centrais, aparece por vezes como lateral, partindo o ala Francisco Moura para zonas mais ofensivas e André Horta para mais junto do avançado.

A partir da expulsão a equipa bracarense foi mais disciplinada e manteve-se mais com a linha de 3 centrais até ao intervalo. Para o recomeço do jogo, Carvalhal lançou Bruno Rodrigues, Musrati e Mário Gonzalez, passando de forma quase permanente para uma defesa a 4, com Musrati e André Horta a tomare conta do miolo, Moura e Horta entrelinhas e Mário González mais como referência ofensiva.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Matheus (6)

Yan Couto (7)

Tormena (6)

Diogo Leite (5)

Raul (4)

Moura (6)

Horta (5)

Mineiro (5)

Piazon (5)

Abel Ruiz (2)

Ricardo Horta (7)

SUBS UTILIZADOS

Bruno Rodrigues (5)

Musrati (6)

Mario González (6)

Rogér (6)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Vizela

BnR: O Vizela trocou seis homens em relação ao jogo com o Porto e a ideia de jogo continuou bem vincada e os jogadores deram uma boa resposta. Como se trabalha estes jogadores que não jogam tanto e não têm tanto ritmo de jogo para eles chegarem aqui e darem uma resposta tão boa?

Álvaro Pacheco: É o treino, os jogadores vão se identificando com a ideia individual e coletiva que temos. O segredo é mesmo esse, todos treinarem e todos quererem ser melhores mediante sempre daquilo que é a nossa ideia de jogo. Eles querem muito e treinam para estes momentos chegarem e, felizmente eles agarraram a oportunidade.

 

SC Braga

BnR: Hoje vimos um lado esquerdo do Braga um pouco descoordenado, com Diogo Leite e Francisco Moura a não atinarem nas combinações. Na segunda parte o Leite passou a ter uma função diferente, funcionando mais como um lateral. O que procurou tirar dessa alteração e o que é que não correu bem?

Carlos Carvalhal: Até atacamos mais pelo lado esquerdo, mas pelo lado direito fomos muito mais perigosos. Temos tido muitas mutações no lado esquerdo da defesa, ainda há pouco tempo o nosso lado esquerdo era o Sequeira e o Galeno, é normal a química não ser a melhor, mas a tendência é para melhorar. Na segunda parte, com a saída do Diogo e o Moura a passar para trás melhoramos mas não chegou. Temos muita juventude e eles estão a crescer.

O Francisco é natural de Santo Tirso. Encontra-se a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Sempre teve uma paixão enorme pelo deporto, sobretudo pelo futebol. Tem também um gosto especial pelo basquetebol, mais concretamente NBA. Jogou futebol durante 13 anos, mas agora é na vertente do treino que vai continuando o bichinho pela modalidade.

O Francisco é natural de Santo Tirso. Encontra-se a tirar uma licenciatura em Ciências da Comunicação, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Sempre teve uma paixão enorme pelo deporto, sobretudo pelo futebol. Tem também um gosto especial pelo basquetebol, mais concretamente NBA. Jogou futebol durante 13 anos, mas agora é na vertente do treino que vai continuando o bichinho pela modalidade.

FC PORTO vs CD TONDELA