Anterior1 de 4Próximo

O Académico de Viseu FC recebeu e venceu o Real Massamá por 3-1, num jogo que foi de duas partes distintas, mas onde a vitória acaba por se ajustar aos viseenses.

A equipa da casa entrou forte e a querer marcar posição rapidamente, sendo que para causar “calafrios” ao Real utilizavam o jogo pelos flancos, com Luisinho e Jean Patric a serem duas “setas” nas laterais. As primeiras ocasiões dignas de registo surgiram, portanto, a favor dos viseenses, que dominaram por completo os primeiros dez minutos de jogo e chegaram ao golo inaugural precisamente em cima dessa marca.

Após uma boa jogada de construção pela esquerda, Lucas serviu Jean Patric que, naquilo que pareceu um cruzamento, acabou por beneficiar da ajuda do guardião do Massamá e viu a bola “beijar” as redes. Apesar de ter surgido numa fase ainda inicial da partida, o golo veio beneficiar aquela que estava a ser a melhor equipa.

O tento não veio diminuir a intensidade de jogo dos academistas, mas mesmo assim o Real tentou explorar potenciais situações de ataque e, por consequência, passou a beneficiar de maior tempo de posse de bola, embora a diferença não tenha sido significativa. No entanto, a equipa da zona de Lisboa também começou a expor-se mais no momento defensivo e foi precisamente na sequência de uma falha de Sandro Silva, defesa central da turma de Massamá, que o Académico chegou ao segundo golo. Carter recuperou a bola junto à entrada da área adversária, tocou para Fernando Ferreira e este, perante a saída de André Paulo, finalizou com classe, picando a bola por cima do guarda-redes.

Poucos minutos depois, numa altura em que a chuva deu tréguas, o Académico de Viseu não seguiu o exemplo e voltou a chegar ao golo, pouco antes da meia hora. Depois de uma excelente incursão pela direita do lateral Tiago Almeida, este tocou para Luisinho, que cruzou para área e viu a bola sobrar para Jean Patric. O extremo brasileiro não desperdiçou a oportunidade e bisou na partida, aumentando para três a vantagem dos viseenses.

Foi já perto dos 40 minutos que surgiu o primeiro esboço ofensivo do Real, através de uma iniciativa individual de Felipe Ryan. O médio ofensivo, que na época transata esteve ao serviço do Académico de Viseu, conduziu a bola desde o meio do terreno até perto da área academista, mas o remate saiu fraco e para defesa fácil de Ricardo Fernandes. Este foi um ato isolado em todo o primeiro tempo, estando a equipa de Massamá a demonstrar lacunas defensivas gritantes (sobretudo quando as bolas eram colocadas nas costas dos defensores) e uma falta de criatividade ofensiva preocupante.

Mesmo à beira do intervalo, mais uma oportunidade para o Académico: Tiago Almeida cruzou para Carter, André Paulo voltou a ficar mal no lance e a bola só não acabou dentro da baliza por felicidade da equipa do Real. Assim, o 3-0 manteve-se até ao apito do árbitro para o meio tempo, com os viseenses a dominarem por completo a equipa de Massamá.

O mau tempo afastou os espectadores do Estádio do Fontelo, onde o Académico protagonizou uma excelente primeira parte
Fonte: Bola na Rede

Com o reatar da partida veio também um Real que aparentava uma mudança de atitude, para melhor. Nos primeiros cinco minutos dispuseram de duas boas oportunidades, numa altura em que a defesa do Académico parecia completamente adormecida e onde já não contava com o capitão Pica, que havia saído segundos após o início da segunda parte com queixas numa coxa. O Massamá dispôs ainda de uma outra boa oportunidade para reduzir, com um remate de Ruizinho a passar muito próximo do poste esquerdo da baliza de Ricardo Fernandes.

A partida esteve “adormecida” durantes largos minutos, mas aos 73’ parecia ter “reanimado”: após uma perda de bola de Zimbabwe na zona defensiva, Juan San Martin, acabado de entrar, ficou no um para um com Ricardo Fernandes e não desperdiçou a chance que lhe foi oferecida. A redução podia ainda ter sido maior, não tivesse Dida falhado a oportunidade que teve no minuto seguinte, mas o resultado acabou por ficar no 3-1, aos 75 minutos.

A equipa de Massamá atravessava um bom momento no jogo e estava balanceada para o ataque, construindo jogadas com qualidade e ameaçando um Académico que parecia nervoso. No entanto, as oportunidades não mais surgiram no Estádio do Fontelo, e o jogo terminou mesmo em 3-1, favorecendo a equipa da casa.

O Académico segue em frente na Taça de Portugal após uma exibição que convenceu na primeira parte, mas foi em modo descendente e podia ter comprometido o bom rendimento inicial.

 

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Académico de Viseu – Ricardo Fernandes; Tiago Almeida; Pica (Steven, 49’); Mathaus; Lucas; Fernando Ferreira (João Oliveira, 66’); Latyr Fall; Zimbabwe; Jean Patric; Luisinho; Anthony Carter (Facundo, 84’).

Real SC – André Paulo; Sandro Silva; André Almeida; Ibraim Cassamá (Ballack, 46’); João Ventura (Tiago Morgado, 46’); Paulinho; Dinamite; Dida; Márcio Meira (Juan San Martin, 70’); Ruizinho; Felipe Ryan.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários