Cabeçalho Futebol Nacional

Os quatro graus que se fizeram sentir no Complexo Desportivo da Covilhã estavam condizentes com a fase que se jogava da Taça de Portugal. A equipa da casa apresentou-se com a máxima força, querendo ser o David de outro Golias: o Vitória de Guimarães. Por sua vez, os visitantes não se deixaram ficar atrás, encarando este jogo com a seriedade que merece, apresentando também um onze forte nesta partida dos quartos-de-final.

No primeiro quarto de hora da partida o Guimarães foi mais dono da bola e tentou sempre chegar perto do último terço do campo. O Covilhã procurava surpreender através de saídas em contra-ataque, mas sem conseguir criar problemas para a defensiva dos vimaranenses.

A primeira vez em que os serranos chegaram com perigo à baliza de Miguel foi através de um remate à entrada da área de Diarra, que acabou por ser intercetado por Josué. No seguimento da jogada, a equipa visitante saiu em contra-ataque, criando também algum perigo através de um cruzamento de Raphinha.

Chaby, perto dos 20 minutos, após uma excelente iniciativa na extrema direita, conseguiu entrar na área vimaranense com relativa facilidade, mas acabou por deixar escapar a bola, tentando ainda Diarra rematar novamente à baliza, mas sem sucesso.

Anúncio Publicitário

O Covilhã, apesar da sua entrada nervosa, começou a crescer no jogo, com boas oportunidades perto da área do seu adversário, dando trabalho à defesa da equipa da Primeira Liga. O jogo aparentava estar cada vez mais equilibrado, emocionante e prazeroso de se ver, não desiludindo os adeptos que se deslocaram em massa ao Complexo Desportivo da Covilhã.

O Vitória de Guimarães esteve perto do golo já na chegada ao intervalo. Após uma iniciativa particular de Soares, este sofre falta que resulta num livre perigoso à entrada da área do Sporting da Covilhã, em que Rapinha remata para uma excelente defesa do guardião, Igor, e na recarga Hernâni remata ao poste da baliza.

No início da segunda parte os leões da serra entraram bastante pressionantes, conseguindo chegar-se perto da baliza da equipa nortenha com perigo mais do que uma vez. Pedro Henriques, técnico do Vitória, apercebeu-se de que a sua equipa não estava a sair do seu meio-campo e decidiu colocar mais um elemento para este setor: Bernard.

Hernâni foi decisivo na vitória forasteira Fonte: FPF
Hernâni foi decisivo na vitória forasteira
Fonte: FPF

A pressão do Covilhã era cada vez mais forte, e perto do minuto 60 esteve mesmo perto de chegar à vantagem, através de um cabeceamento de Pintassilgo após cruzamento de Medarious. Numa tentativa de criar perigo, o Guimarães só conseguiu chegar perto da baliza de Igor através de um remate a meia distância de Soares que não chegou a criar preocupação.

Nesta fase do jogo os vimaranenses não conseguiam mesmo trocar a bola, muito por culpa da excelente organização defensiva da equipa treinada por Filipe Gouveia.

Completamente contra a corrente do jogo o Vitória de Guimarães chegou ao golo já na entrada dos dez minutos finais da partida. Após um bom trabalho na extrema direita do ataque vimaranense, surge um cruzamento de Bruno Gaspar para o segundo poste, onde Hernâni fuzilou com um remate portentoso as redes da baliza do Covilhã.

Até ao final do encontro, os da casa foram à procura do sonho de chegar à próxima fase da Taça de Portugal, mas já sem as forças com que começaram o segundo tempo. Com o futebol apresentado, principalmente na segunda parte, o Sporting da Covilhã não merecia este final. A equipa apresentou-se a um excelente nível e merecia mais. É de ressalvar a excelente atitude dos adeptos de ambos os conjuntos, que os apoiaram incansavelmente durante os 97 minutos.

Desta forma, o Vitória de Guimarães passa para as meias-finais da Taça de Portugal, onde irá defrontar o Chaves, equipa que derrotou o Sporting CP.

 

Foto de Capa: Bola na Rede