No último fim-de-semana o FC Barcelona recebeu o Real Bétis Balompié, naquele que era o jogo de regresso de Lionel Messi, depois da lesão no braço. Campo Nou, acabou mesmo por assistir a um encontro histórico, mas não (para fugir à rotina) por mérito de Messi.

O artista, responsável pela noite inesquecível do dia 11 de Novembro, dá pelo nome de Quique Setién. O treinador espanhol, que já tive oportunidade de falar aqui no BnR, conduziu os seus comandados à conquista da primeira vitória forasteira no Camp Nou nos últimos dois anos.

Mais do que uma vitória, foi a afirmação de uma ideia, de uma filosofia de jogo e de uma forma de ver o futebol. Nesse artigo que tive a oportunidade de escrever, no dia 29 de Setembro, assumi que: “William e Lo Celso, vão ser duas peças muito importantes no tabuleiro de Quique Setién. “e não podia ter sido mais preciso, já que foram absolutamente vitais nesta vitória, como vamos ver.

Equipas Iniciais

Anúncio Publicitário

O Barcelona, apesar do regresso de Leo, não podia contar com Coutinho, assim foi a primeira oportunidade de Malcom, no onze inicial de Ernesto Valverde. Estruturalmente, não houve alterações no 4-3-3 ofensivo com que a equipa têm alinhado.

Os visitantes, como descrevo no título, acabaram por usar uma estrutura similar aquela que o Real Madrid CF utilizou na segunda parte, na pesada derrota em Camp Nou. Foi um 3-4-1-2, montado para jogar à bola! Apresentado uma proposta corajosa, assumindo riscos (como sair a jogar desde trás sobre intensa pressão), um futebol positivo.

William Carvalho e Guardado, ocupavam as posições centrais no meio campo, com Junior Firpo (pela esquerda) e Tello (direita) a completarem a linha de quatro. Na frente desta linha de quatro, e no apoio à dupla atacante Joaquin-Loren, estava Lo Celso.  Na linha de três defensiva alinharam Sidnei (Ex-Benfica), Bartra (que rubricou um jogo monstro) e Mandi.

 

Outra vez, Xadrez | Dos 20 min de Lopetegui aos 90 de Setién

O treinador espanhol é um confesso apaixonado por Xadrez, portanto não é surpreendente que grande parte das suas abordagens aos jogos, passam pela tentativa de controlar o corredor central.

Sem a bola, o Betis pressionou o Barcelona em zonas altas, subiu a linha defensiva e assumiu uma marcação homem a homem, não só no meio campo, como na defesa. No limite do risco, sem medo, os defesas Verdiblancos, assumiram o 1vs1 com Messi, Suarez e Malcom. William e Guardado não deixavam Arthur e Rakitic respirar, com a mesma intensidade com que Lo Celso pressionava Busquets, estes comportamentos agressivos sem bola tinham o objetivo de nunca deixarem os médios do Barcelona receberem de frente para a baliza do Bétis, sempre de costas.

Vemos, nos dois exemplos em baixo, como o Bétis pressionou o Barcelona alto, assumindo os duelos individuais. Objetivo: Nunca deixar rodar, só podem receber de costas!

via GIPHY
Fonte: BeIN Sports

Neste primeiro, reparem como o defesa central do Betis acompanha Messi até ao limite, nunca o deixando rodar.

via GIPHY
Fonte: BeIN Sports

Pressão agressiva dos alas laterais, sempre em zonas altas.

O papel dos alas laterais foi importante, Tello e Junior Firpo, nos corredores também quando a equipa tinha a posse, garantido a largura a todo o instante, para esticar horizontalmente a equipa do Barcelona, criando separação entre os jogadores, o que permitia a William e Guardado realizar passes de penetração para Lo Celso, que explorava constantemente as costas da linha média adversária.

Para Lo Celso poder trabalhar nesses espaços, era também necessário esticar a equipa adversária verticalmente, ou por outras palavras, afastar a linha média da defensiva. Foi aí que emergiu o eterno Joaquin, que tinha a missão de fixar os centrais, afastando-os dos médios.

Fonte: BeIN Sports

Em cima, vemos como Joaquin era o jogador mais adiantado, e como criava também espaço para Loren, para este baixar, receber o passe vertical e jogar no apoio frontal dos médios, que ao receberem a bola, ficavam de frente para o jogo.

FC Barcelona | Problemas na primeira parte

Como vimos nos Gifs em cima, o Betis pressionou o Barcelona em zonas altas, assumindo marcações homem a homem. Esta postura, levou Marc-Andre ter Stegen, com o avançar do tempo, a recorrer mais a bolas longas para ultrapassar as primeiras linhas de pressão do Betis, fazendo a bola chegar a Suarez-Messi-Malcom dessa forma.

Apesar da qualidade de Suarez em jogar de costas para a baliza e dar a bola a Messi no apoio frontal, o Betis começou também a adaptar-se a estas situações, também porque a distância entre os médios do Barcelona e os avançados aumentava, o que tornava impossível ao Barcelona ganhar segundas bolas fruto dos intensos duelos Suarez-Bartra. Busquets e Arthur, como vemos em baixo, baixavam muito para ajudar a defesa e o guarda redes a tentar ultrapassar a pressão do Betis.

Fonte: BeIN Sports

Na segunda parte Vidal entrou para o lugar de Arthur, e o Barcelona melhorou imenso com a introdução do box-to-box chileno, no meio-campo. Ele trouxe a agressividade que faltava ao Barcelona no centro do terreno, afinal o Betis estava a apostar no 1vs1 e se há algo que Vidal sabe ganhar, são duelos.

Sem bola, o Barcelona (pela ausência de Messi na fase defensiva) organizava-se em 4-4-2, com Rakitic a descair sobre o corredor direito, levando a fazer missões defensivas (cobrir os espaços de Messi) que acabavam por impactar negativamente as ofensivas. Este posicionamento adiantado de Messi, sempre em zonas centrais, até criou alguns momentos preocupantes para o Betis, que não resultaram em golo.

Já sentia falta de o ver jogar dentro de uma cabine telefónica:

via GIPHY
Fonte: BeIN Sports

A transição para a vitória

A capacidade do Bétis, ou melhor a incapacidade do Barcelona para ganhar as segundas bolas, de que falei, foi fundamental nos golos que os visitantes marcaram. Com a bola a cair nos pés de William e Guardado, e com o meio campo do Barcelona demasiado longe para os pressionar, estes podiam encontrar várias opções de passe dentro da estrutura blaugrana, entre linhas e/ou nas costas dos laterais.

Emergiu aí Junior Firpo, que solicitava sempre bolas para encarar Sergi Roberto no 1vs1.

via GIPHY
Fonte: BeIN Sports

Particularmente os dois golos do Bétis na primeira parte, acabaram por ter um contributo importante da dificuldade que os médios do Barcelona tinham em fazer a transição defensiva, já que eram apanhados entre duas missões. Ou seja:  Iniciar a construção em zonas muito baixas, depois tinham de subir para pressionar os médios do Bétis, mas como chegavam sempre tarde acabavam a correr na direção da sua baliza, tentando dar apoio à sua linha defensiva … chegando, mais uma vez, tarde.

Foto de capa: Real Bétis Balompié

 

 

Comentários