Há muito tempo atrás, o Seixal foi o local escolhido para o início da materialização do sonho de dois irmãos, que iria mudar para sempre a história de Portugal. Foi nessa cidade do Distrito de Setúbal que Paulo e Vasco da Gama construíram as embarcações para a viagem à Índia. 520 anos mais tarde, as margens do estuário do Tejo voltam a presenciar o início de uma nova história de sonho.

Este jovem não irá “navegar por mares nunca dantes navegados”, mas o único e fascinante “estou-me cagandismo” vai encantando as bancadas do Estádio da Luz.

Como todos sabemos, no próximo fim-de-semana o SL Benfica vai ao Estádio do Dragão para um jogo que será decisivo na luta pelo título. Félix vai marcar (novamente)? Assistir (novamente)? Colocar Seferovic em condições de decidir o jogo (novamente)?

Ninguém sabe, mas o tal “estou-me cagandismo” continuará a ser parte importante deste “novo” Benfica, que vai procurar assaltar a liderança azul e branca, com o veneno, a agressividade, e as chegadas constantes e de qualidade a zonas de finalização, que têm carterizado a equipa de Bruno Lage.

Afinal, o que é o “estou-me cagandismo”?

Para ter a resposta mais correta e verdadeira possível, só perguntando a Ricardo Araújo Pereira, que acredito ser o autor a quem “roubei” esta expressão. Contudo, recordo-me de pensar na primeira vez que o vi jogar João Félix: “Será que puto sabe quem é o adversário? Parece que está no parque”.

Agora, eu pergunto ao leitor: O que se recorda do SL Benfica x Sporting CP da 1ª volta?

Será que foi de um “puto” que entrou, dono de uma personalidade que não conhece intimidação ou pressão, e empatou o jogo?

Precisamente.


Fonte: BTV

Como ele sabe e como ele quer.

Joga com o 79, decide como um 10, finaliza como um 9 e impacta o jogo como um 5.

Entra para cada jogo sem expetativas nenhumas. Independentemente daquilo que o jogo lhe peça para tocar, seja piano, violino, bateria, acordeão ou bateria, a sua inteligência e capacidade técnica nunca deixam a equipa refém da incerteza do jogo.

Por mais difícil que seja o contexto, ele acaba sempre por encontrar e tomar a melhor decisão. Com e sem bola, todas as decisões deste “veterano” de 19 anos colocam o coletivo primeiro e mais perto do sucesso.

Não faz parte daquelas sensações do Youtube, que, por cada finta que adicionam ao seu fantástico vídeo de 5 minutos de “Skills”, somam uma brutalidade de perdas de bola. A sua intervenção aporta sempre valor. Tenta ser aquilo que a sua precisa que ele seja em cada momento do jogo.

Que seja um 10, numa cabine telefónica, a assistir?


Fonte: Liga Portugal

Que seja um 9, no sítio certo para encostar (e ainda fintado a câmara de TV)?


Fonte: Liga Portugal

Que seja o Defesa Central que sobe à área para a bola parada?


Fonte: Liga Portugal

Que seja o Médio Centro que ajuda no início da criação?

Fonte: Liga Portugal

A sua criatividade, inteligência, e tomada de decisão permitem-lhe ser tudo em campo, contudo, não é pela capacidade de ser “tudo” que João Félix é absurdo, mas pela sua capacidade em o ser no momento certo. Na forma como dribla, como provoca o adversário, tudo acontece no timing certo.

Assim é o “estou-me cagandismo” de João Félix. Onde não há urgência em ir atrás da gratificação imediata, não há existe pânico, mas sim serenidade, não há sofrimento, mas prazer.

Onde há futebol.

Artigo corrigido por: Mariana Coelho

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários