Virtuoso, inteligente, mágico, técnico, rápido com a bola nos pés e com uma grande visão de jogo. Todas estas características encaixam no perfil de James Maddison, médio ofensivo inglês, com 23 anos, que atua atualmente no Leicester City FC. Pode atuar no centro do terreno ou a partir de uma ala, fazendo movimentos interiores, sempre com preferência no ataque.

Este jovem médio inglês é o principal criativo e um dos maiores responsáveis pela atual terceira posição do Leicester na Premier League. Um jogador raro, como eu considero, um “número 10” moderno. Assume a batuta do último terço atacante no que toca a criativadade, sendo o maestro da equipa. Segundo o site especializado em valores de mercado de futebol, Transfermarkt, está avaliado em 60 milhões de euros.

Formado no Coventry City, em 2015, aos 19 anos “deu o salto” para o Norwich City FC. Após dois empréstimos, na época de 2017/18 finalmente assumiu-se como titular indiscutível no Norwich, fazendo 15 golos e dando a marcar oito em 49 jogos. Na época seguinte transferiu-se para o Leicester por 25 milhões de euros. Conta com apenas um jogo na principal seleção inglesa, mas muitas mais internacionalizações estarão para vir.

Na sua primeira época nos “Foxes” marcou sete golos e realizou cinco assistências em 38 jogos. Em apenas metade da época decorrente, em apenas 26 jogos, já quase igualou a participação em golos da época transata, marcando nove tentos e feito duas assistências.

Anúncio Publicitário

Excelente batedor de livres diretos, com a sua a técnica a fazer lembrar David Beckham. É um jogador com muita classe e poder de decisão, tendo a capacidade de desmarcar os seus colegas e criar situações de golo iminente, ou rematar à baliza com perigo.

Fonte: Leicester City FC

Na minha opinião, apesar da grande época que o Leicester City está a realizar, Maddison está pronto para “voos” maiores. A sua versatilidade em campo e as suas características apuradas assentam em qualquer equipa em Inglaterra, e até noutros colossos europeus.

Vários rumores apontam uma transferência para o Manchester United FC, clube que necessita urgentemente de voltar ao topo do futebol britânico. Imagino Maddison a encaixar com excelência no Arsenal FC ou Chelsea FC, ou até ser o “10 puro” no 4-2-3-1 de Mourinho.

Olhando para a seleção inglesa, o futuro aparenta sorrir a esta nova geração do futebol britânico. James Maddison, no meu ver, será uma das figuras principais da seleção dos “Três Leões” em breve, ao lado de atuais prodígios, como Jadon Sancho, Declan Rice, Phil Foden, Trent Alexander-Arnold ou Mason Mount.

Na minha opinião, Maddison reúne todas as condições para representar Inglaterra no Campeonato de Europa de 2020, e até pode afirmar-se como um dos pilares ofensivos de Southgate. Mas para isso é necessário manter o nível exibicional e conquistar mais oportunidades de representar a principal seleção inglesa.

Por enquanto, a atual “equipa sensação” de Inglaterra continua no topo da tabela e conta com James Maddison como um dos seus maiores trunfos. É um jogador que, na minha ótica, brilhará noutros palcos maiores muito brevemente, apesar da atual qualidade da equipa de Brendan Rodgers.

Foto de Capa: Premier League

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários