jogadoresqueadmiro

Pedro Miguel Carreiro Resendes, sabes quem é? E se te perguntar por Pauleta? É verdade, esta edição do Jogadores que Admiro é sobre o antigo ponta de lança da seleção portuguesa.

Como açoriano que sou, não podia deixar de admirar Pauleta. O milhafre dos Açores foi sempre um mal amado pelos portugueses, sendo muitas vezes criticado. No entanto, antes de aparecer um tal de Cristiano Ronaldo, era mesmo o jogador da ilha de São Miguel o melhor marcador da nossa seleção, com 47 golos em 88 jogos.

A carreira de Pauleta é diferente da da maioria dos jogadores portugueses de topo (sim, Pauleta foi um jogador de topo!). O ponta de lança nunca jogou na primeira liga portuguesa, e apenas fez 30 jogos (com 19 golos marcados) ao serviço de equipas fora dos Açores (no Estoril), antes de rumar ao estrangeiro.

Espanha foi o destino seguinte, com passagens pelo Salamanca e pelo Deportivo da Corunha. Foi precisamente neste país que se tornou uma referência. Na primeira temporada, conseguiu colocar o Salamanca na primeira divisão, ao marcar 19 golos em 37 jogos, para na segunda temporada marcar 15 golos na primeira divisão. As boas prestações valeram-lhe a transferência para o ‘Super Depor’, onde viria a ser campeão espanhol em 1999/2000, contribuindo com 11 golos para o título.

Anúncio Publicitário
Pauleta foi, talvez, o único português a brilhar no Mundial de 2002 Fonte: uolesporte
Pauleta foi, talvez, o único português a brilhar no Mundial de 2002
Fonte: uolesporte

No entanto, foi na França que se tornou rei, ou melhor, Imperador, foi assim que ficou conhecido no Parque dos Príncipes, casa do PSG. Mas antes, três temporadas no Bordéus, com 90 golos em 130 jogos e duas vezes a ser considerado o melhor jogador do campeonato.

A passagem para a capital deu a notoriedade que lhe faltava, não era o PSG que hoje conhecemos, mas aquando da minha passagem por Paris, de férias, deu para perceber que era ‘Deus na Terra’ para os parisienses. Pauleta estava presente em todos os cantos da loja do clube, era o mais adorado em campo, e ainda hoje se pode ver isto. Mesmo com tantas estrelas a passarem pelo clube depois de Pauleta, em 2016, foi eleito pelos adeptos do clube como o melhor jogador que já passou no PSG.

Por Portugal, o sucesso foi enorme, mas um Euro 2004 totalmente falhado ficou na memória de todos. Se Pauleta tivesse estado bem, talvez em 2016 tivéssemos celebrado o segundo título europeu… Nunca saberemos.

Pauleta é a prova de que nem só de títulos vive um jogador, e ele também os ganhou, quer pela equipa, quer individualmente. O que me fez admirar Pedro Miguel Carreiro Resendes ‘Pauleta’ foi a sua capacidade de lutar e de nunca desistir. O retorno está em todo o lado por São Miguel, fora a sua escola e o torneio com o seu nome, todas as crianças sonhavam, e sonham, um dia ser como o Pauleta.

Foto de Capa: Fundação Pauleta

Artigo revisto por: Francisca Carvalho