o passado tambem chuta

Eram outros jogos. Eram outros jogadores. Os clubes conservaram os nomes, mas as vibrações que saltavam desde a relva para o mais longínquo dos espetadores eram diferentes. Na primeira metade da década dos 50 chegou a Lisboa um guarda-redes e um basquetebolista procedente do Ferroviário de Moçambique; as duas vertentes encarnavam numa única pessoa; chamava-se Costa Pereira. Chegara uma das personalidades mais marcantes do desporto e do futebol. O basquetebol do Benfica conheceu, durante os primeiros anos, as qualidades do jogador que mais tarde viraria articulista nos jornais desportivos. O futebol do Benfica viu como um guarda-redes podia ser eficaz e fino nos seus movimentos. Foi campeão tanto como futebolista como como basquetebolista. Não foi caso único; o desporto e a sua prática eram entendidos, ainda, com mentalidade formativa integral e bem olímpica. Acúrcio, também guarda-redes e jogador de hóquei patins do FC do Porto, era outro dos desportistas integrais. No entanto, poucos anos antes e mais alguns anos, o Sporting vivera a sua época mais esplendorosa de sempre: o Sporting dos cinco violinos. Tinha jogadores mágicos e tinha um extremo-direito chamado Jesus Correia; este bom atleta foi campeão em hóquei patins e em futebol. Mas, antes do Sporting ter o veloz e dinâmico Jesus Correia, o Benfica tivera, nas suas filas, um dos seus grandes mitos: Espírito Santo. O atletismo e o futebol desfrutaram deste fino estilista.

O sorriso de uma estrela Fonte: http://delagoabay.wordpress.com/
O sorriso de uma estrela
Fonte: http://delagoabay.wordpress.com/

Costa Pereira, no entanto, foi mais abrangente e estava possuído por uma magia especial. Era, na altura, culturalmente forte. Atreveu-se, mal chegou ao Benfica, com a mesa das negociações e discutiu e negociou, sem medos, com a Direção tudo o que tinha e queria negociar a equipa. Se não foi um sindicalista, foi um delegado do grupo. A sua magia e erudição rapidamente se espalharam e conjuntamente com o José Aguas e o Germano formou a coluna vertebral natural na equipa onde se podiam acomodar novos e velhos. Como todos os grandes teve um apodo. Era um guarda-redes completo muito elegante e as suas mãos, muitas vezes, parecia que acariciavam a bola para a roubar da cabeça do contrário, no entanto, teve descuidos espetaculares, tanto foi assim que era conhecido pelo Costa dos Frangos. Na famosa final da Taça da Europa do “tri”, entre a pressa e a autossuficiência, deixou passar uma bola mansa entra as pernas. Acabaria lesionado e o seu lugar ocupado pelo célebre defesa-central Germano.

Os três moçambicanos do Benfica (Eusébio, Costa Pereira e Coluna) Fonte: http://delagoabay.wordpress.com/
Os três moçambicanos do Benfica (Eusébio, Costa Pereira e Coluna)
Fonte: http://delagoabay.wordpress.com/

Retirou-se, finalmente, perto da década dos 70. Os jornais desportivos começaram a receber as suas crónicas. Tinha uma pluma ágil. Mais tarde, teve vida de treinador e passou uma boa temporada na velha CUF. Um ano, andou pelos lugares cimeiros sendo a sensação do campeonato. Finalmente, saiu da primeira linha. O Benfica e não só demoraram uma eternidade a superar a sua lenda. Fora único. Qualquer candidato a guarda-redes do Benfica padecia um bombardeamento de comparações. Saíam sempre derrotados; a grandeza do seu antecessor pairava sobre o Estádio da Luz e aplastava. Anos mais tarde apareceu o José Henriques. Finalmente, os sócios e adeptos do Benfica acalmaram a sua nostalgia. O firmamento benfiquista tem muitas estrelas chispantes, mas Costa Pereira é uma dessas estrelas que mais deslumbram.

Comentários