jogadoresqueadmiro

Fico muitas vezes perplexo. Raramente se compreendem as listas dos melhores de sempre. Em todas se encontram jogadores de fantasia; no entanto, se penso um bocado, parece-me que faltam outros tantos. Quando mencionamos jogadores brasileiros faltam muitos mais; quando mencionamos argentinos faltam outros tantos. No entanto, se navegamos pela Europa acontece o mesmo ou pior. Olhamos para Inglaterra e não se entende porque Kevin Keegan não está ao lado de Cruyf, ou, se pensamos em Itália, não percebemos porque Bagio não ficou no pedestal do top ten. Penso que estas coisas acontecem porque a memória é fraca e os carinhos marcam o valor, e estamos educados para fazer hierarquias com tudo. Mas são injustas; não dizem a verdade e não nos contam a História.

Espanha teve um jogador de eleição que nem sequer foi titular indiscutível no seu clube de sempre: o Real Madrid. Era um jogador do meio-campo. Apareceu na primeira equipa quando apareceram Raul e Álvaro. Álvaro era um extremo fantástico, mas uma lesão caprichosa retirou-o do futebol. Raul rapidamente se fez um astro e assentou-se na equipa com firmeza, até que se despediu quando chegou Mourinho. No entanto, José Maria Gutiérrez, Guti, entrava e esperava; esperava e entrava. Todos os anos o Real Madrid trazia alguém, sem deixar de ser mau, que tinha prioridade. Guti, então, espreitava um lugar e, como a sua qualidade era tanta, acabava por fazer muitos jogos e salvar muitas situações.

Zidane e Guti: Dois génios Fonte: Real Madrid CF
Zidane e Guti: Dois génios
Fonte: Real Madrid CF

Quando Ronaldo, o brasileiro, chegou ao Real Madrid, Guti adaptara-se a avançado-centro por necessidade da equipa; estava a finalizar as jogadas como se fosse um Killer cheio de veterania. Ronaldo, assim que chegou a Madrid, viu um jogo desde a bancada. Depois do jogo declarou que ficara admirado com a qualidade de Guti. Ronaldo entrou na equipa, e o eterno Guti teve de voltar ao banco e às suas posições do meio-campo. Era magistral. Álvaro, seu colega desde as equipas de formação, disse uma vez que Guti, com a bola nos pés, parecia que via o futebol desde um patamar superior. E via.

Considero que foi o melhor centrocampista espanhol que vi depois de Suares e Velasquez. Metia a bola pelo meio da defesa como se aquele carreiro fosse inventado. Lançava os extremos como ninguém. Tinha uns pés que eram mãos. Também era nervoso. A sua rivalidade com o Barcelona era, e é, clássica. Espanha teve recentemente jogadores como Xavi ou Iniesta, mas Guti sempre teve outra dimensão. Quando já estava na veterania, finalmente, um treinador, Schuster, entregou-lhe a equipa. E Guti bordou aquela equipa.

guti
Numa palavra: estilo
Fonte: Real Madrid CF

Pensei em Guti quando me dispus a escrever porque li esta manhã uma entrevista dum jovem jogador do Sporting de Gijón: Nacho Casas. Casas, desde os tempos da formação do Sporting, mostrou-se um centrocampista delicado, fino, técnico. Hoje é titular e é uma das peças da sua equipa. No entanto, a entrevista falava também da vida. A certa altura, perguntam-lhe: “Seria maior alegria ganhar a Taça da Europa ou passar os exames para entrar na escola pública como professor?”. Nacho responde que não sabia responder e justifica a sua indefinição; diz que desde as equipas de formação viu colegas que lhe pareciam excelentes jogadores mas que depois acabaram em equipas de nível inferior, por isso, sempre considerara muito importante a vida fora do futebol.

E então pensei escrever sobre Guti. Jogou sempre a nível alto mas, sendo um génio e um jogador que extasiava os adeptos, não o situaram como o Deus do relvado que realmente era. Inclusivamente, foi internacional mas não alinhou mais do que 14 vezes. Considero que o espaço O Passado Também Chuta estaria coxo sem uma crónica sobre uma das maravilhas que vi sobre os relvados.

Foto de Capa: TalkSports

Comentários