Ronaldo Nazário Lima, o “Fenómeno”, nasceu no Rio de Janeiro, no ano de 1976, para se tornar uma das maiores estrelas do futebol mundial, um dos melhores da sua geração. Ronaldo foi considerado o melhor jogador do mundo, pela FIFA, em três ocasiões – 1996, 1997 e 2002.

Ronaldo viveu uma infância difícil, nessa altura tentou ingressar nos escalões de formação do Flamengo, acabando por desistir por não ter como se deslocar para os treinos. Acabou por dar os seus primeiros passos no futebol, ao serviço do São Cristóvão. Aos 14 anos, despertava interesse de clubes como o Botafogo, o São Paulo, entre outros. Rumou a Belo Horizonte, para representar o Cruzeiro, contratado pelo histórico do futebol brasileiro, Jairzinho.

Com apenas 16 anos cumpriu o seu primeiro sonho, estreou-se com a equipa principal do Cruzeiro, numa partida a contar para o Campeonato Mineiro, em 1993, diante do Caldense, lançado pelo treinador Pinheiro. Ao serviço do Cruzeiro viria a realizar 47 jogos e marcou 44 golos, vencendo a Copa do Brasil.

No verão de 1994, viveu a sua primeira aventura no futebol europeu, transferindo-se para o PSV Eindhoven, a troco de 5.48 M€. Aos 18 anos brilhava no topo do futebol holandês, onde permaneceu duas temporadas, disputando 54 jogos, nos quais marcou 57 golos. Na Holanda, foi o melhor marcador na época 94/95 e conquistou a Taça, na temporada seguinte.

Ronaldo impressionou a Europa do futebol, com as extraordinárias exibições no PSV a suscitarem o interesse, dos grandes clubes. Na época 96/97 rumou à catalunha para representar o Barcelona, numa transferência avaliada em 15 M€. Ao serviço dos “blaugrana” continuou a brilhar, somando golos e títulos, apontou 47 em 49 jogos. Numa temporada apenas, com a camisola catalã conquistou a Taça das Taças, Taça do Rei e a Supertaça de Espanha, sendo ainda o Melhor Marcador da La Liga e Bota de Ouro.

No verão seguinte, depois de conquistar títulos ao serviço do Barcelona, rumou a Itália. Ronaldo representou nas quatro temporadas que se seguiram, o Inter de Milão, que pagou uma verba de 28 M€ ao Barcelona, para garantir a contratação do melhor jogador do mundo desse ano. Em Itália, conquistou na primeira temporada a Taça UEFA ao serviço dos “nerazzurri” em 96/97. As temporadas seguintes ficaram marcadas pelas graves lesões do avançado brasileiro, ainda assim somou 99 jogos e 59 golos com a camisola do Inter.

Na temporada 2002/2003 protagonizou uma das maiores transferências de sempre do futebol mundial, regressando a Espanha, desta vez para se juntar aos galácticos do Real Madrid. Os espanhóis pagaram ao Inter, cerca de 45 M€ pelo passe de Ronaldo. No futebol espanhol, voltou a brilhar ao mais alto nível conquistando por duas vezes a La Liga, uma Supertaça de Espanha e a Taça Intercontinental. Ao serviço do Real Madrid disputou 177 jogos e marcou 104 golos, sendo o melhor marcador da La Liga na época 2003/2004.

Na sua quinta temporada em Madrid, sendo pouco utilizado acabou por voltar ao futebol italiano, sendo reforço de inverno do AC Milan. Sendo uma fase, em que Ronaldo se aproximava no final da carreira, nunca se estabeleceu como titular. Em 2009 regressa ao Brasil, para vestir a camisola do “timão”, o Corinthias. No seu regresso ao futebol brasileiro, ainda venceu um Campeonato Paulista, disputando 69 jogos, nos quais marcou 35 golos. Viria a retirar-se do futebol, decorria o ano de 2011, depois de muitas lesões e de ser diagnosticado com hipotireoidismo.

Ronaldo sagrou-se bicampeão mundial, ao serviço da seleção brasileira
Fonte: CBF

Ronaldo destacou-se ainda mais, ao serviço da sua seleção, com uma história de títulos e de superação. Com o Brasil, o “Fenómeno” venceu dois Mundiais – 1994 e 2002 – e uma Taça das Confederações, em 1997. Foi internacional em 99 ocasiões, marcando 62 golos pelo seu Brasil, participando em quatro campeonatos do mundo – 1994, 1998, 2002 e 2006. No auge da sua carreira, conduziu o Brasil à final do Mundial França 98, sendo derrotado pela seleção de Zidane por 3-0.

O Mundial da Coreia – Japão, em 2002, representa a superação de Ronaldo. Scolari convoca o “Fenómeno” deixando de fora Romário, contra a crítica brasileira. Ronaldo chega ao campeonato do mundo, sem ritmo e após recuperar de mais uma lesão ao joelho direito. O ponta de lança, marcou oito golos no Mundial 2002, sendo decisivo na final frente à Alemanha, com os dois golos, dando o “Penta” ao povo brasileiro.

Para sempre, na memória dos adeptos do desporto rei ficarão as fintas, a qualidade técnica, a explosão, a velocidade e a frieza finalizadora. Bem como, o exemplo de superação após o verdadeiro calvário de lesões que sofreu ao longo da sua carreira. Um verdadeiro campeão, um dos melhores pontas-de-lança de sempre do futebol mundial.

Foto de Capa: CBF

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários