o passado tambem chuta

Não raras vezes a expressão “histórico” é associada aos clubes, e raramente nos debruçamos sobre o real sentido da palavra, ou o contexto a que está associada.

Em traços gerais, um clube histórico é aquele que ao longo da sua existência logrou conquistar feitos épicos. Vejo o futebol pelo seu lado mais romântico, e não fico indiferente aos grandes feitos preconizados pelos vários clubes ao longo do tempo. Pois bem, hoje escrevo-vos sobre a mítica equipa do Celtic de Glasgow dos anos 60.

Antes de destaparmos a mais bela página da história do clube, releva mergulhar na génese da sua essência e salientar que o Celtic não se resume a um mero clube. Católico dos pés à cabeça, representa o maior emblema de toda a Escócia, com uma particularidade: a sua dimensão resultou da união dos mais fracos. O Celtic Football Club nasceu com o nobre propósito de ajudar a combater a pobreza que se instalara entre a população emigrante irlandesa e católica, oriunda dos bairros industriais de Glasgow.

Não obstante o elevado número de títulos internos, nunca uma equipa deste gigante escocês ganhou um espaço no Olimpo como os célebres “Leões de Lisboa”, uma criativa alcunha dada à equipa do Celtic que conquistou a Taça dos Campeões da Europa, o único troféu internacional que consta do seu palmarés.

O capitão Billy McNeill com a Taça dos Clubes Campeões Europeus Fonte The Scottish Sun
O capitão Billy McNeill com a Taça dos Clubes Campeões Europeus
Fonte: The Scottish Sun

Naquele quente e seco dia de Maio de 1967, o Celtic tinha pela frente o colosso italiano Inter de Milão, no emblemático Estádio Nacional, em Lisboa, completamente lotado, com 45 mil espectadores.

Os “The Lisbon Lions” derrotaram o Inter por 2-1, tornando-se o primeiro clube britânico a conquistar a Taça dos Clubes Campeões Europeus. No percurso até à final eliminou o Zurique, o Nantes, o Vojvodina e o Dukla Praga, tudo adversários “humildes”, numa campanha em que os ditames do sorteio foram sempre favoráveis. Independentemente do facto de o Inter ter sido o único “tubarão” dessa caminhada triunfal, não deixa de ser um feito inolvidável do futebol escocês no geral e do Celtic em particular. Os onze heróis escoceses conquistavam a Europa do futebol pela sua bravura e pelo seu vertiginoso futebol, e foram recebidos em Glasgow num clima de autêntica euforia.

Pouco tempo depois, em 1970, o Celtic disputou novamente a final da competição, mas foi derrotado no prolongamento pelo Feyenoord.

Desde então nunca mais se registou alguma conquista na Europa, mas para a história ficaram imortalizados os célebres Leões de Lisboa.

Foto de Capa: The Scottish Sun

Comentários