O nome e o número que carrega na camisola traduzem aquilo que é dentro do campo: um craque! Com apenas 21 anos, Ianis Hagi é já internacional A pela Roménia, disputou as duas principais competições europeias de clubes e, desde janeiro, tem vindo a conquistar espaço num plantel bastante competitivo do Rangers FC, que anseia por destronar o Celtic da hegemonia completa do futebol escocês.

Detentor de um controlo de bola notável e de uma capacidade de drible que o faz saltar à vista do espectador, é na facilidade com que usa os dois pés e na qualidade de passe excecional que tem os seus principais atributos. Fisicamente, apesar de ter um ar franzino e de mostrar algumas debilidades no jogo aéreo, a forma como aguenta o choque é quase inacreditável, dada a sua constituição física, sendo que esta característica pode revelar-se bastante importante para a sua afirmação no campeonato escocês.

Anúncio Publicitário

Com a formação feita entre a academia do pai, o magnífico Gheorge Hagi, e o Viitorul, clube fundado em 2009, também pelo pai, a jovem estrela romena passou uma temporada na Fiorentina, antes de regressar ao clube romeno. Daí saiu para o Genk, da Bélgica, no início da atual temporada, mas as coisas não correram da melhor forma (chegou mesmo a ser apelidado de ‘flop’) e acabou por ser emprestado no mercado de inverno, chegando assim à Escócia.

O prodígio romeno apontou dois golos frente ao SC Braga, no encontro disputado em Ibrox                Fonte: Rangers FC

Aí, Hagi causou um positivo impacto imediato, marcando o golo da vitória no primeiro jogo que fez como titular, frente ao Hibernian, para a liga doméstica, e apontando também os golos que começaram e concluíram a reviravolta operada frente ao Sporting de Braga, a contar para a Liga Europa.

Caso o bom momento inicial se prolongue, o mais provável é que o Rangers decida avançar para a compra definitiva de Hagi. No entanto, tal não se adivinha com uma tarefa fácil, uma vez que será necessário bater a concorrência de peso que se aproxima. Metaforicamente, o prodígio romeno é um “pequeno peixe” num mar de “tubarões”: antes da transferência para o Genk, no verão de 2019, a jovem promessa apareceu associada a clubes como o Real Madrid, o Manchester United ou o Barcelona, mas este interesse acalmou depois do fraco desempenho do médio ofensivo em território belga. Contudo, a retoma da melhor forma com a camisola da equipa de Glasgow poderá voltar a atrair os holofotes do topo do futebol mundial, cenário que decerto não agradará aos responsáveis do “gigante adormecido” escocês. Os rumores mais recentes apontam para um possível interesse dos italianos da Lazio, mas a vontade do jogador em permanecer em Ibrox pode ser fundamental para que este continue a representar os “Gers” nas próximas temporadas.

Seja onde for, e apesar dos seus apenas 21 anos, Ianis Hagi parece cada vez mais destinado a ter uma carreira de sucesso, mas as comparações com o pai, Gheorghe Hagi, serão inevitáveis durante todo o seu percurso futebolístico. Se chegará a representar as cores de Barcelona e Real Madrid, tal como o progenitor, ninguém pode afirmar, mas aconselho todos a acompanharem o trajeto deste prodígio romeno, que muito dará que falar.