Kevin David Medina Rentería nasceu a 9 de março de 1993 na República da Colômbia, mais concretamente em Carepa, um município pertencente ao departamento de Antioquia localizado a 308 quilómetros de Medellín (a cidade capital daquela região administrativa).

Nascido numa localidade onde a existência de clubes profissionais escasseava, o sonho de fazer do «desporto-rei» a sua vida era, tão-somente, uma miragem para o jovem Kevin, que acumulava outra atividade profissional (barbeiro), enquanto jogava por hobby: numa primeira fase, na “Fundación Global” e, mais tarde, no Club Deportivo Girardota Fútbol Club, formação com sede no município com o mesmo nome pertencente à Área Metropolitana de Valle de Aburrá.

Portugal, em busca do sonho:

Decorria o ano de 2014, quando surge a oportunidade que o futebolista natural de Carepa tanto ansiava: ingressar no futebol europeu e, assim, se poder exibir num contexto totalmente diferente daquele a que estava habituado. O destino escolhido? Portugal, que fora igualmente o país eleito por vários compatriotas seus (casos de James Rodríguez, Radamel Falcao ou Brayan Riascos), aquando da sua primeira incursão pelo «Velho Continente».

Todavia, contrariamente aos exemplos supracitados, a estreia de Kevin em terras lusas deu-se no anonimato dos escalões distritais, ao serviço da Associação Naval 1893. Daí, em janeiro de 2015, deu o salto para o Moura Atlético Clube, conjunto alentejano que militava no Campeonato Nacional de Seniores. Ao serviço do MAC (emblema pelo qual, ainda hoje, nutre uma grande estima e gratidão) permaneceria até julho de 2017, disputando mais de meia centena de partidas e marcando três golos.

Posteriormente, a temporada de 2017/2018 foi repartida entre dois emblemas do CNS: o Sport União Sintrense, conjunto pelo qual em 17 jogos até janeiro e, depois, o CD Pinhalnovense, ao serviço do qual somou um golo em 12 partidas.

2018/2019 – Um verdadeiro Viriato, que mereceu a recompensa em Viseu:

Após cerca de anos na segunda divisão do futebol português, Kevin Medina foi (finalmente, aos 25 anos) premiado com a possibilidade de se estrear como profissional pela primeira vez na carreira, ao assinar pelo Académico de Viseu FC, emblema da Segunda Liga. Ao serviço dos Viriatos, a transição far-se-ia com grande naturalidade, com o futebolista colombiano a afirmar-se, rapidamente, como um elemento imprescindível no 3-5-2 (esquema-tático, utilizado numa fase inicial) montado por Manuel Cajuda. Porém, após um começo prometedor (o Académico era segundo classificado, à passagem da quarta jornada da Segunda Liga), o conjunto viseense protagonizou uma série de resultados negativos (três vitórias, três empates e seis derrotas), que o colocou no 14º. posto ao fim da 17ª. jornada, levando a que o experiente treinador algarvio deixasse o comando técnico da equipa em meados de janeiro. Contudo, as exibições positivas realizadas (onde fez sobressair a sua polivalência, atuando em ambos os lados do eixo central da defesa e, até, como líbero) por Medina, camisola 18 do Académico, contribuíram para perpetuar o seu estatuto de imprescindível no setor mais recuado da equipa, e nem a chegada de um novo treinador (Rui Borges) e consequente alteração do sistema-tático (o 4-3-3, passou a ser a formação mais utilizada) abalou essa condição. No total, o defesa central natural de Carepa realizou 31 jogos (falhou, apenas, três jornadas do segundo principal escalão da hierarquia do futebol luso), nos quais marcara um golo e fizera uma assistência.

Pese embora a irregularidade vivenciada em termos exibicionais pelo Académico, o defesa central colombiano conseguiu revelar uma regularidade (e qualidade) acima da média, em época de estreia como profissional
Fonte: FIA – Football Consultancy & Management

Nome: Kevin David Medina Rentería

Altura: 1,85 metros; peso: 83 quilogramas;

Pé preferencial: esquerdo;

Pontos fortes: capacidade de desarme (revela-se bastante eficaz em desarmes de carrinho), polivalência, concentração e pujança física (atributo que faz sobressair no seu excelente jogo aéreo).

Foto de Capa: FIA – Football Consultancy & Management

Revisto por: Jorge Neves

Comentários