olheiro bnr

Um dos jogadores que se tem assumido como uma grande revelação nestas primeiras jornadas da actual edição do campeonato nacional  é o internacional montenegrino Nikola Vukcevic, médio-defensivo que já se encontrava no Sporting de Braga desde 2013/14, mas só agora arranjou espaço para confirmar o elevadíssimo potencial que o fez merecer a aposta minhota.

Trata-se de um jovem nascido a 13 de Dezembro de 1991 em Podgorica, Montenegro, e que cresceu precisamente no Buducnost da sua cidade natal, onde somou 65 jogos (quatro golos) entre 2010 e 2013, altura em que deu o salto para o futebol português e para o Sporting de Braga.

Aí, contudo, a sua ascensão esteve longe de ser imediata, com Nikola Vukcevic a passar as últimas duas temporadas preferencialmente na equipa B dos arsenalistas, onde somou um total de 31 jogos (um golo), limitando-se, no mesmo período, a somar apenas três jogos pelo conjunto principal do Sporting de Braga, e sempre como suplente utilizado.

Vukcevic tem sido uma das revelações do Sp. Braga Fonte: Sporting Clube de Braga
Vukcevic tem sido uma das revelações do Sp. Braga
Fonte: Sporting Clube de Braga

Montenegro acordou mais cedo para o seu talento

Anúncio Publicitário

Mas se Nikola Vukcevic apenas se conseguiu impor no onze da equipa principal do Sporting de Braga em 2015/16, somando até ao momento oito jogos e dois golos, a verdade é que o mesmo não se passou no que à selecção montenegrina diz respeito.

Afinal, desde Março de 2014 que o médio-defensivo tem sido opção regular nas escolhas de Branko Brnovic, tendo inclusivamente chegado recentemente à dezena de internacionalizações por Montenegro.

Qualidade técnica e inteligência táctica

Quando nos deparamos com o estilo de jogo do jovem de 23 anos, salta imediatamente à vista a superior qualidade do seu pé esquerdo, algo que lhe permite ser muito importante no início do processo ofensivo do Sporting de Braga, tal é a sua capacidade de progressão com bola e a precisão que apresenta no passe. Para além disso, esse mesmo pé esquerdo também se revela muitas vezes letal no capítulo da finalização, seja a média ou curta distância.

Dinâmico nas transições, com boa dimensão física e muito inteligente em termos tácticos, Nikola Vukcevic é igualmente um jogador muito importante para marcar os tempos no miolo arsenalista, tendo vindo a ser muito importante no equilíbrio defensivo de um conjunto que sofreu apenas quatro golos em todas as competições oficiais que disputou até ao momento.

Obviamente, que, estando a dar ainda os primeiros passos no espectro da primeira divisão do quinto mais importante campeonato europeu, o internacional montenegrino ainda terá que crescer em termos de intensidade de jogo e até ganhar uma maior eficácia nas escolhas com bola, mas é inegável que se trata de um dos melhores projectos de craque que a nossa liga está a oferecer.

Foto de Capa: Sporting Clube de Braga

Comentários

Artigo anteriorComo travar uma Guerra de castelos de papel?
Próximo artigoUFC 192: A legitimidade do reinado de Cormier
Sportinguista sofredor desde que se conhece, a verdade é que isso nunca garantiu grande facciosismo, sendo que não tem qualquer problema em criticar o seu clube quando é caso disso, às vezes até com maior afinco do que com os rivais. A principal paixão, aliás, sempre foi o futebol no seu contexto mais generalizado, acabando por ser sintomático que tenha começado a ler jornais desportivos logo que aprendeu a ler. Quanto ao ídolo de infância, esse será e corre o risco o de ser sempre o Krassimir Balakov, internacional búlgaro que lhe ofereceu a alcunha de “Bala” até hoje. Ricardo admite que ser jornalista desportivo foi um sonho de miúdo que conseguiu concretizar e o que mais o estimula na área passa pela análise de jogos e jogadores, nomeadamente os que ainda estão no futebol de formação ou naqueles campeonatos menos mediáticos e que pensa sempre que ninguém vê como o japonês, sul-coreano ou israelita..                                                                                                                                                 O Ricardo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.