recordar é viver

Hoje é dia de FC Porto vs Sporting, um dos grandes clássicos do futebol português. A partida de mais logo à noite terá sempre importância nas contas do título, ainda para mais quando já nos encontramos numa fase adiantada da prova. Sendo assim, e porque já houve muitos outros desafios entre estas duas formações em alturas decisivas dos campeonatos, optei por seleccionar dois clássicos que fizeram mossa em termos classificativos, com o relançamento da luta pelo título ou atraso na luta pelo mesmo.

1993/94: FC Porto 2-0 Sporting – Primeira Liga Portuguesa

Resumo do Jogo 

27.ª ronda, Primavera de 1994, Campeonato Nacional completamente ao rubro. Benfica e Sporting lutavam palmo a palmo pela liderança, com o FC Porto praticamente fora da luta pelo título. Na jornada anterior o Benfica havia perdido frente ao Salgueiros, o que possibilitou a colagem do Sporting em termos pontuais, depois de uma soberba exibição defronte do Boavista e que culminou com uma vitória por 3-1.

Anúncio Publicitário

Mas este clássico nas Antas era muito especial, tinha tudo para ser explosivo (como veio a ser): Bobby Robson, incompreensivelmente despedido por Sousa Cintra em Dezembro de 93, depois de uma goleada sofrida em Salzburgo, orientava agora o FC Porto, que também havia prescindido dos serviços de Tomislav Ivic a abrir o ano civil. Portanto, era notório todo um clima de desforra por parte dos dragões em defesa do seu técnico, bastante carismático. Já os leões, orientados por Carlos Queiroz, viam nesta temporada a hipótese soberana de recuperarem um título nacional que já lhes fugia desde 1982. E para isso muito contava a excelência do plantel do conjunto de Alvalade, que contava nas suas fileiras de jogadores jogadores como Valcx, Paulo Sousa, Figo, Balakov, Capucho, Pacheco, Juskowiak, Iordanov, entre outros.

Este clássico foi mesmo uma bomba-relógio. O Sporting, com maiores obrigações na altura, não resistiu à pressão, e mesmo com o apoio de milhares de adeptos em pleno Estádio das Antas viria a sair derrotado por 2-0. Mas em abono da verdade também há que dizer que o árbitro Carlos Valente foi tudo menos competente neste desafio. Numa partida marcada por imensos casos e por várias agressões de parte a parte, acabou por expulsar 3 jogadores do Sporting (sim, o Sporting acabou a jogar com 8!), de seu nome Juskowiak, Vujacic e Peixe. Mesmo sem criar muitas oportunidades a equipa da casa viria a triunfar com dois golos no segundo tempo, obtidos por Drulovic e por Vinha, respectivamente. E depois, bem…depois muitos já sabem aquilo que aconteceu. Naquele que foi um dos campeonatos mais famosos de sempre, o Benfica acabaria por praticamente definir a história da prova no celebérrimo 3-6 de Alvalade. E ironia das ironias, Bobby Robson conduziria o seu FC Porto a um 2º lugar na tabela, ultrapassando um Sporting que terminaria a época em perfeita agonia.

2006/07: FC Porto 0-1 Sporting – Primeira Liga Portuguesa

Resumo do Jogo

17 de Março de 2007, noite de sábado, Estádio do Dragão, 22.º jornada. O FC Porto de Jesualdo Ferreira era líder do campeonato, mas tinha à perna um Benfica de Fernando Santos que atravessava o melhor período da temporada, isto em vésperas de um sensacional Benfica vs FC Porto na Luz, em jogo decisivo para as contas do título. Já o Sporting, embora ainda lutando pelo primeiro lugar, entrava para este desafio como que desacreditado e com poucas hipóteses de lograr uma vitória, até por aquilo que ia sendo veiculado na comunicação social. Porém, a verdade é que os leões venceriam a partida por um golo de diferença, no jogo que marcou o início de um fantástico final de temporada por parte do conjunto orientado por um jovem Paulo Bento, e que culminaria com um segundo lugar final a apenas um ponto da formação azul-e-branca e com a conquista da Taça de Portugal.

Em relação ao jogo, muito equilíbrio, oportunidades de golo para ambas as equipas, grande personalidade do Sporting. De facto, não era expectável que tal acontecesse, fruto de um início de 2.ª volta titubeante por parte da equipa lisboeta. Mas com um grande sentido colectivo aliado à irreverência dos então jovens João Moutinho, Miguel Veloso e Nani, o Sporting triunfaria mesmo com o golo a ser obtido através de um remate soberbo de Rodrigo Tello, na transformação de um livre directo. Bola ao ângulo, Helton completamente batido, enorme alegria nas hostes sportinguistas. Como sempre, o futebol a mostrar o porquê de ser um desporto fantástico: a equipa que estava na mó de baixo a fazer uma gracinha e a relançar ainda mais o campeonato.

De referir que esta foi a última vitória do Sporting, em jogos a contar para a liga, no Estádio do Dragão. Portanto, já lá vão uns duradouros 8 anos. Veremos se o jejum se manterá ou se a malapata será quebrada.

P.S. : Atentem no resumo do clássico de 1993/1994, por volta dos 10 segundos do vídeo. A coreografia das claques sportinguistas, uma equipa de cada vez a entrar em campo. Complicado um adepto de futebol não se arrepiar ao ver/relembrar como era o ambiente nos estádios portuguesas naquela altura.

 Foto de Capa: Contra-Ataque