logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Tribuna VIP Pedro Castelo

O primeiro ídolo nunca se esquece

TRIBUNA VIP é um espaço do BnR dedicado à opinião de cronistas de referência para escreverem sobre os diversos temas da atualidade desportiva.

Lembro-me da algumas imagens de 90, nomeadamente da grande penalidade convertida por Andreas Brehme e da festa alemã após confirmada a vitória sobre a Argentina de Maradona, dos festejos do camaronês Roger Milla ou do estilo inconfundível de René Higuita.

APOSTA AGORA ATÉ 50€ ATRAVÉS DESTE LINK NO CAMPEONATO DO MUNDO SEM RISCO!

Mas foi quatro anos depois, durante umas férias no Algarve, que me apaixonei pelo Campeonato do Mundo. Foi também aí que ganhei o meu primeiro grande ídolo no futebol: Romário de Souza Faria. “O Baixinho”, conforme também era tratado, era ele próprio um tratado, mas de futebol. Aquele golo de bico, as fintas, a irreverência, o entendimento com Bebeto, que celebrizou o festejo com o gesto de embalar uma criança nos braços.

Romário foi um génio. Chegou a esse Mundial dos Estados Unidos, em 1994, depois de uma época fabulosa em Barcelona, com mais de trinta golos e com exibições que enchiam o olho a qualquer adepto de futebol. É impossível esquecer aqueles jogos da LaLiga que a SIC nos mostrava depois de almoço, narrados pelo incontornável Jorge Perestrelo. Adorava ver o Barça de Johan Cruyff, com Zubizarreta, Koeman, Guardiola, Amor, Stoichkov, Salinas e, claro, Romário, entre outros vários craques.

“O Baixinho” foi o meu primeiro ídolo. Na minha coleção de camisolas estão lá as duas dessa época, tanto a do Barça como a do “Escrete”, da canarinha, como também aprendi nessa altura que se podia tratar a seleção do Brasil. Fiquei a torcer pelo país irmão, até porque Portugal não era presença assídua nas grandes competições. A primeira presença lusitana de que me lembro já aconteceu em 96, aquele Euro que para mim será sempre o Euro de uma linda camisola portuguesa e do chapéu de Poborsky.

Agora é diferente. Temos seleção nos Mundiais e nos Europeus e temos uma grande seleção. Se pensarmos em candidatos a vencer o Mundial, há vários. Mas Romário, “O Baixinho”, só houve um. O meu primeiro ídolo.

Artigo de opinião de Pedro Castelo,
narrador ELEVEN e ZAP

Desde que se lembra de ser gente que gosta de futebol, mas sabe que se apaixonou a sério pelo jogo em 1994, com 12 anos. Romário liderava o Brasil à conquista do Mundial dos EUA e tornou-se no primeiro ídolo do Pedro Castelo. O “Baixinho” e Iniesta são os seus jogadores preferidos de sempre. Na área da comunicação social desde 1998, o Pedro Castelo é daquelas pessoas com dias que parecem ter mais de 24 horas. Na televisão, é narrador na Eleven e na ZAP (Angola e Moçambique). Na rádio, é coordenador da Rádio Voz de Alenquer e relata na TSF - Rádio Notícias. Na imprensa, também em Alenquer, coordena o jornal Nova Verdade. No online, relata em flashscore.pt.

Desde que se lembra de ser gente que gosta de futebol, mas sabe que se apaixonou a sério pelo jogo em 1994, com 12 anos. Romário liderava o Brasil à conquista do Mundial dos EUA e tornou-se no primeiro ídolo do Pedro Castelo. O “Baixinho” e Iniesta são os seus jogadores preferidos de sempre. Na área da comunicação social desde 1998, o Pedro Castelo é daquelas pessoas com dias que parecem ter mais de 24 horas. Na televisão, é narrador na Eleven e na ZAP (Angola e Moçambique). Na rádio, é coordenador da Rádio Voz de Alenquer e relata na TSF - Rádio Notícias. Na imprensa, também em Alenquer, coordena o jornal Nova Verdade. No online, relata em flashscore.pt.

FC PORTO vs CD TONDELA