3.

Atalanta BC – Gian Piero Gasperini tem feito um trabalho absolutamente notável à frente do Atalanta. Desde a sua chegada ao clube, em 2016/2017, o pior resultado foi um sétimo lugar. Já levou a equipa de Bergamo à quarta e à terceira posição, como sucedeu esta época, somando o último lugar do pódio e 78 pontos amealhados, além da magnífica campanha na Champions e do futebol alegre da equipa. Com o desflorar de alguns talentos, como Caldara na defesa, De Roon como âncora no meio campo, mais a a imaginação de Pasalic e Papú Goméz e o sangue-frio de Ilicic, a Atalanta construiu uma equipa sólida e consistente, mas capaz de jogar bonito e de equilibrar o campeonato italiano, além de proporcionar bons espectáculos aos adeptos, com bonitos desenhos atacantes e excelente circulação de bola.

Assim sendo, lutou por passar a fase de grupos da Liga dos Campões, terminando em segundo lugar, apenas atrás de Manchester City FC. A partir daí, pareceu poder sair dali um “Ajax em potência” quando se viu a equipa de Bergamo eliminar o Valencia CF, num agregado de 8-2 (!). Os quartos de final prometiam ser um teste à equipa de Gasperini, que teria de defrontar o todo poderoso Paris SG. As coisas até começaram melhor para os italianos que após um início equilibrado, puseram-se em vantagem logo aos 27’, por Pasalic. A equipa de Bergamo aguentou bem o resultado e até podia ter ampliado a vantagem, mas com o passar dos minutos, o cansaço fez-se sentir, a equipa foi abaixo e o PSG, carregado às costas por um Neymar decidido a fazer a diferença, conseguiu dar a volta no final do jogo. Um duro golpe para a equipa de Bergamo, não só pelo jogo em si, mas por toda a época. Ainda assim, deu para sonhar. A ver se para o ano, o sonho continua.