internacional cabeçalho

Ángel Di María é, como todos sabemos, um astro do futebol mundial. Detentor de um virtuoso pé esquerdo, faz as delícias dos amantes de futebol com os seus dribles diabólicos e arrancadas poderosas. É, sem dúvida, um dos nomes mais sonantes da história recente do futebol internacional.

Quando Di María chegou ao Benfica, era um menino com um enormíssimo talento mas pouco ritmo. Pouco trabalho de equipa. Pouco “um por todos e todos por um”. Talvez tenha sido isso que lhe garantiu aquele histórico primeiro hat-trick frente ao Leixões; fez capa de todos os diários desportivos e foi apelidado de “Tri” María. Quando saiu, era um jogador completo: jogava junto à linha mas puxava ao meio para trazer o lateral adversário consigo, tinha uma visão de jogo invejável, raramente falhava o passe e era o melhor braço-direito de um ponta-de-lança. Ainda assim, mantinha a rebeldia nos pés irrequietos que o fazia ganhar todas as situações de “um para um”.

O argentino custou 8 milhões ao Benfica. 36 ao Real Madrid. E foi no clube espanhol que viveu o ponto alto da sua carreira (so far). Mourinho fê-lo trabalhar bastante para melhorar o seu aspecto defensivo. Ancelotti fez dele um playmaker criativo, explosivo, ágil e perigoso. Di María carregou a equipa às costas na final da Champions que viria a ganhar, em 2014, e mostrava-se numa forma física galopante. Mas os desentendimentos contratuais precipitaram a saída e o consequente término do que poderia ter sido uma ligação mais longa, mais bonita e com mais frutos.

A dupla Di María/Falcao defraudou todas as expectativas  Fonte: Facebook do Manchester United
A dupla Di María/Falcao defraudou todas as expectativas
Fonte: Facebook do Manchester United

Mais um clube, mais milhões. 75, rumo ao Manchester United. Valor record na Premier League. E se a dupla Di María/Falcao fez muitos red devils sonhar, a história depressa se incumbiu de os decepcionar. A última época foi um deserto de concretizações para o argentino, o colombiano e o próprio United. O futebol é realmente um desporto ímpar: em duas épocas, separadas apenas pelos meses de Verão, Di María passou rapidamente de bestial a besta. Se no ano 2013/2014 havia sido um dos jogadores mais elogiados pela crítica, pretendido pelos gigantes europeus e responsável pelas melhores jogadas do defeso, no ano seguinte seria o “flop da época”, “uma das piores contratações do United”, “dinheiro atirado à rua”. Quem o disse foram os jornais britânicos, que depressa se apressaram a fazer artigos e mais artigos sobre a desilusão que foi o argentino.

Já nesta pré-época, Di María falhou a partida da equipa de Manchester para o estágio nos Estados Unidos. Louis Van Gaal respondeu que não sabia o porquê de o argentino não ter embarcado. Muito se especulou a partir daí e, segundo asseguram as notícias, Di María fará exames médicos no PSG nas próximas 24 horas. E, claro, com a transferência, mais milhões. Estima-se que o Manchester United terá aceitado uma proposta de mais de 63 milhões de euros pelo avançado.

Ángel Di María é um dos jogadores que mais dinheiro tem movimentado nos últimos anos. Com apenas 27 anos, o argentino já mexeu uma soma que ronda os 182 milhões de euros. Acho que todos sabemos que este homem dotado de um talento imensurável merece tanto aparato; se é digno, ou não, de tanto dinheiro, estamos aqui para ver. Anseio por ver Di María na equipa de Paris.

Foto de Capa: Football Daily

Comentários