DESILUSÕES

Começo por falar do Arsenal, o último dos chamados “Big-6”. O clube do Norte de Londres ainda se encontra em reestruturação técnica após a saída de Arsenè Wenger. Após um Verão em que não foram colmatadas todas as lacunas do plantel, os gunners voltariam a mostram que estavam um passo atrás dos seus adversários directos e os maus resultados levaram ao despedimento de Unai Emery.

Para o seu lugar, foram buscar o braço direito de Guardiola no Manchester City. Mikel Arteta regressaria aos gunners, com o objectivo de implementar uma ideia de jogo a partir do zero, passando a mensagem de que estava a construir uma equipa para o futuro. Apesar de mostrar ideia positivas e potencialidades para se tornar num grande treinador, por esta época, o Arsenal falha o acesso às competições europeias e obtém a pior classificação dos últimos 25 anos.

Juntamente com os gunners, o Everton foi a principal desilusão desta Premier League. Com Marco Silva ao leme, a equipa manteve a sua espinha dorsal e ainda trouxe outros jogadores de qualidade como Moise Kean. Tudo apontava que os toffees teriam capacidade para melhor o oitavo lugar obtido em 18/19.

Anúncio Publicitário

No entanto, o clube de Liverpool esteve longe de corresponder a tamanhas expectativas e à 15ª jornada, Marco Silva seria despedido após perder por 5-2 no Merseyside’s Derby. Carlo Ancelotti substituiu o técnico português no Everton, e a fazer de levar a equipa a uma ligeira melhoria, um lugar na segunda metade da tabela não é um objectivo para os Toffees.