O Manchester City teve este sábado mais um difícil teste na caminhada para a retenção dos galardões de campeão, desta feita numa visita a Goodison Park, terreno do Everton. Pep Guardiola apresentou algumas alterações no onze inicial, relativamente à equipa que destruiu por completo o Watford na última jornada (incríveis 8-0), sendo o maior destaque a saída do português Bernardo Silva, que havia assinado um hattrick. Já do lado dos de Liverpool, Marco Silva fez duas mexidas em relação aos titulares que perderam em casa com o Sheffield United, trocando Bernard por Walcott e Moise Kean por Calvert-Lewin.

O jogo começou mal para os “Toffees”, uma vez que, logo aos sete minutos, foram obrigados a substituir Theo Walcott, tendo mesmo sido obrigado a abandonar o relvado de maca, após ter sido fortemente atingido na cabeça pela bola. Quando a partida reatou, a primeira grande oportunidade de golo surgiu para os “Citizens”, com Mahrez a ganhar a linha de fundo, pela direita, e a servir Gundogan, que apesar de ter a baliza completamente livre, atirou à barra.

A baliza de Pickford continuou constantemente sob ameaça, com Sterling e Mahrez em destaque, tendo sido este último quem iniciou o lance que deu o primeiro golo do City, aos 25 minutos: a bola chegou a De Bruyne, vinda do argelino, e foi colocada de forma perfeita na cabeça de Gabriel Jesus, que apontou o segundo golo da sua conta pessoal nesta edição da Premier League. Mais uma assistência de Kevin De Bruyne nesta temporada, sendo já nove ao serviço do clube e mais três ao serviço da seleção belga!

Apesar da supremacia da equipa de Manchester ser evidente, quem chegou ao golo foi o Everton, numa resposta ao tento que haviam sofrido oito minutos antes. Após alguma confusão na área dos pupilos de Guardiola, a bola sobrou para Seamus Coleman, que a picou por cima de Ederson e viu o jovem Calvert-Lewin “roubar-lhe” o golo mesmo em cima da linha de baliza, com um cabeceamento em mergulho.

A partir deste momento, o jogo começou a ficar mais partido, sendo notórias as dificuldades dos “Citizens” em ligar o jogo e estando também percetível um aumento de confiança no lado dos “Toffees”. No entanto, não se registaram quaisquer ataques perigosos até ao intervalo e este chegou com o resultado empatado, sendo mais “amigo” do Everton do que do Manchester City.

Calvert-Lewin a “mergulhar” para o golo do empate
Fonte: Premier League
Com o reatar da segunda parte veio ainda o ritmo baixo e monótono que havia fechado o primeiro tempo. Só aos 55 minutos surgiu uma oportunidade de golo, e teve que ser através de uma bola parada (um livre de Digne encontrou a cabeça de Mina, que atirou para defesa de Ederson, para canto).

O City respondeu cinco minutos depois, com Mahrez a isolar Sterling com um passe magnífico, mas sem que o inglês conseguisse finalizar com sucesso. O extremo argelino estava a protagonizar uma excelente exibição e, para coroá-la da melhor forma, assinou um livre direto esplêndido, reatribuindo a vantagem no marcador aos “Citizens”. Com 1-2 no marcador e faltando cerca de 20 minutos para o fim do jogo, os “Toffees” teriam que lançar-se na busca pelo golo do empate.

Anúncio Publicitário

O primeiro lance em que o Everton criou verdadeiro perigo, após estar de novo em desvantagem, foi protagonizado uma vez mais por Yerry Mina, e novamente através de um cabeceamento na sequência de uma bola parada, mas Ederson respondeu com uma parada fenomenal. Apesar desta tentativa, a equipa de Liverpool voltou a sofrer, desta feita com Raheem Sterling a marcar um golo que precisou da ajuda da tecnologia da linha de golo para ser validado. O extremo britânico apontou o sexto golo no campeonato inglês, ainda que não tenha protagonizado a exibição mais conseguida que já o vimos realizar.

Até final, o Everton ainda tentou correr atrás do prejuízo, mas o Manchester City não deu qualquer hipótese e segurou a vitória. Um resultado justo, a favor da equipa que mais procurou a vitória, embora não tenha sido o City avassalador que se mostrou na jornada passada.

 

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Everton FC: Pickford; Coleman; Keane; Yerry Mina; Lucas Digne; Schneiderlin (Tom Davies, 81’); Fabian Delph; Theo Walcott (Alex Iwobi, 7’; Moise Kean, 74’); Sigurdsson; Richarlison; Calvert-Lewin.

Manchester City FC: Ederson; Kyle Walker; Otamendi; Fernandinho; Zinchenko; Rodri; Gundogan; Kevin De Bruyne (Bernardo Silva, 80’); Riyad Mahrez; Sterling (David Silva, 87’); Gabriel Jesus (Aguero, 66’).