O campeonato italiano tem sido, nos últimos anos, um dos mais desinteressantes dentro daqueles que consideramos como os principais europeus. Isto não se deve à peculiaridade do futebol praticado no país, adorado por uns, pouco apreciado por outros, mas sim ao facto da Juventus se ter assumido como a principal candidata à conquista de todos os troféus internos, cavando um enorme fosso que a separa das restantes equipas, que pouco podem fazer face ao poder da Vecchia Signora.

Afinal de contas, nos 19 campeonatos já realizados esta década ganharam dez, mais de metade. Para além disso, foram os vencedores das últimas oito edições da Serie A, não dando espaço para grandes dúvidas sobre quem manda no futebol nacional.

No que a este capítulo diz respeito, temos agora uma realidade bem diferente, que pode representar o fim de tamanha hegemonia, ainda que o cenário se possa voltar a repetir pela nona vez consecutiva. Isto porque, ao contrário do que tem acontecido nos últimos anos, temos mais duas equipas na corrida, que promete ser bem acesa até à última partida. Assim, à Juventus juntam-se Inter e Lazio que fizeram uma primeira volta como há muito não se via, fazendo com que a diferença pontual seja muito pequena e facilmente recuperável.

Falando um pouco dos três e começando pelo líder, rapidamente percebemos que a equipa de Cristiano Ronaldo não fez uma primeira volta por aí além, perdendo mais pontos do que o habitual. Neste momento leva já 22 partidas realizadas e perdeu por duas vezes, não sendo nem o melhor ataque nem a melhor defesa da competição. Para além disso, o futebol promovido por Sarri nem sempre tem sido o mais espetacular, fazendo com que muitas vezes dependam da inspiração do craque português ou de um rasgo de génio de Paulo Dybala.

Anúncio Publicitário

Um pouco mais abaixo vem o Inter de Milão, que não fossem os últimos jogos onde empatou três vezes consecutivas e estaria em primeiro. Ainda assim, está apenas três pontos atrás da Juventus e tem o registo de melhor defesa, apesar de não marcar muitos golos. Lukaku e Lautaro Martínez têm conduzido a equipa ao topo, e prometem cada vez mais e melhor, tornando esta numa corrida a três, como há muito não víamos em Itália.

Lautaro Martinez e Lukaku são a dupla do momento no futebol internacional
Fonte: Internazionale Milano

Apenas um ponto abaixo encontramos a Lazio, que vê em Immobile a sua maior esperança de uma época de sucesso. O avançado italiano leva já 25 golos e tem aproveitado bem o bom futebol praticado pela equipa, que apenas perdeu uma vez, e que está a fazer um percurso notável, dignificando o nome do clube que andou desaparecido pelos lugares medianos durante várias temporadas.

Daqui para baixo estão equipas que não lutam pelo tão ambicionado título, mas que têm os seus objetivos e mostram também uma competitividade muito acima do normal. É o caso da Atalanta, que tem o melhor ataque da liga, da Roma de Paulo Fonseca e do AC Milan que conta agora com a ajuda do experiente Zlatan Ibrahimovic para atingir os lugares europeus.

Para além disso há ainda equipas como o Parma, o Napoli, o Cagliari e a Fiorentina que têm sempre de ser enfrentadas com muito respeito, uma vez que já mostraram em várias ocasiões que são capazes de roubar pontos aos “três grandes”.

Assim facilmente nos apercebemos de que temos aqui um leque de cerca de 11 ou 12 equipas com capacidades para se derrotarem umas às outras, tornando assim o campeonato muito mais interessante e imprevisível. Os jogos da Juventus já não são vitórias quase previamente anunciadas e Lazio e Inter terão de continuar a fazer o seu trabalho se quiserem permanecer na luta até ao fim.

O desfecho é, como disse, impossível de prever. Consequentemente a emoção é garantida e a promessa de bom futebol também. A minha satisfação é imensa, bem como a de todos os amantes do bom futebol, que certamente acompanharão a par e passo todos os jogos desta edição da Serie A. No fim, que ganhe o melhor, e que seja uma segunda volta tão cheia de emoções como foi a primeira.

Foto de Capa: Juventus FC

Artigo revisto por Diogo Teixeira