Anterior1 de 3Próximo

Vitória fantástica da seleção da Holanda esta noite frente à Alemanha, em jogo de Qualificação para o Euro 2020. Os comandados de Ronald Koeman até começaram a perder mas o técnico soube recuperar a equipa para a segunda parte e subjugou os germânicos em Hamburgo, encurtando para três pontos a distância entre as duas seleções no Grupo C.

As expetativas eram altas para o jogo grande desta jornada da Qualificação para o Euro 2020, que opunha dois gigantes do futebol, Alemanha e Holanda. Mas a verdade é que a primeira parte ficou aquém dessas expetativas. Ambas as equipas apresentaram-se com uma primeira linha de construção a três, procurando sair a jogar com a bola controlada e preferencialmente pelo chão. Nos primeiros minutos a Holanda conseguiu fazê-lo bem e teve mais posse de bola, criando a primeira grande oportunidade de perigo aos 7’, num contra-ataque de Ryan Babel finalizado por Depay, ao qual Neuer se opôs com dificuldade.

Na resposta, a seleção alemã chegou ao golo com a frieza clínica que a caracteriza. Excelente abertura do meio-campo germânico a isolar Klostermann, que remata fraco à figura de Cillessen, aproveitando Gnabry a recarga para fazer balançar as redes. A Alemanha colocava-se a ganhar cedo no jogo e encarou com relativa tranquilidade o resto do primeiro tempo.

Gnabry abriu o marcador no Volksparkstadion
Fonte: UEFA

A Holanda procurou reagir ao golo sofrido, fazendo a bola circular entre os seus jogadores e conseguindo mais de 60% de posse de bola, mas a laranja apresentava dificuldades em furar o muro alemão. A seleção de Joachim Löw apresentou no momento defensivo uma linha de cinco elementos, tornando-se difícil para Depay, Babel e Promes soltarem-se dessas amarras.

Aos 22’, de Ligt cabeceou a centímetros da baliza após livre lateral e aos 42’ foi Reus a rematar dentro da área para enorme defesa de Cillessen, mantendo-se o 1-0 ao intervalo a favor da equipa da casa. Pairava no ar a sensação de que a Holanda podia fazer mais e concretizar melhor a sua posse de bola, mas era preciso mudar algo no plano de jogo inicial.

A segunda parte foi a antítese da primeira, com muitos golos, muita emoção e reviravolta no resultado. A Holanda entrou forte no segundo tempo e Koeman mexeu bem na equipa, conseguindo a seleção forasteira chegar ao empate aos 59’ por intermédio de de Jong. Ryan Babel centrou da esquerda e o médio do Barcelona desviou-se de Schulz com um toque subtil, rematando depois com classe para o 1-1.

Estava melhor a equipa de Ronald Koeman, que fez substituições cirúrgicas assim como alguns ajustes na disposição dos seus jogadores, o que acabou por mostrar-se extremamente certeiro. Aos 65’, cambalhota no resultado e a Holanda passava para a frente, após um golo na própria baliza de Tah.

Mas os alemães ainda queriam ter uma palavra a dizer e aos 73’ dispuseram de uma grande penalidade muito contestada pelos holandeses. Para além do fora-de-jogo de Schulz na jogada, a bola embateu na mão de de Ligt de forma casual. Polémicas à parte, Kroos foi chamado a bater e enganou Cillessen, voltando a empatar o resultado.

De Jong marcou primeiro golo da Holanda esta noite
Fonte: OnsOranje

O final de jogo foi frenético, com a Holanda a passar de novo para a frente do marcador aos 79’ numa excelente jogada do ataque holandês. Depay desmarcou Wijnaldum e o médio do Liverpool desviou subtilmente para Malen, que finalizou de primeira para o 2-3. A Holanda justificava a superioridade demonstrada ao longo do jogo e a Alemanha sofria um rude golpe nas suas aspirações, embora só se possa queixar da sua fraca exibição no Voklsparkstadion, em Hamburgo.

No último fôlego de uma Alemanha que procurava desesperadamente o empate, a Holanda voltou a marcar, num contra-ataque letal iniciado por Wijnaldum, conduzido superiormente por Depay e finalizado pelo mesmo Wijnaldum. Resultado final 2-4 a favor da Holanda, mantendo a tradição dos últimos embates entre estes dois colossos de reviravoltas no resultado e emoção até ao fim.

Com este resultado a Holanda mantém o terceiro lugar do grupo e aproxima-se da Alemanha, ficando apenas a três pontos dos germânicos.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Alemanha: Neuer, Klostermann, Sule, Jonathan Tah, Ginter (Brandt, 84’), Kimmich, Kroos, Schulz, Gnabry, Reus (Gundogan, 61’) e Werner (Havertz, 61’).

Holanda: Cillessen, Dunfries (Propper, 58’), de Ligt, van Dijk, Blind, de Roon (Malen, 58’), Wijnaldum, de Jong, Promes, Babel (Aké, 81’) e Depay.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários