Anterior1 de 2Próximo

Nos últimos três meses temos vivido algo de que não há memória no passado recente: uma pandemia mundial. O mundo inteiro parou, desde as mais variadas indústrias até ao desporto. Todas as competições desportivas foram canceladas ou adiadas. O Andebol não foi exceção e também sofreu o mesmo efeito. Campeonato Andebol 1 cancelado, Liga dos Campeões adiada e será jogada em moldes completamente distintos, Taça EHF cancelada, play-off de apuramento para o Mundial cancelado. O Mundo parou e o mundo do Andebol parou também.

A equipa alemã THW Kiel a festejar o título de acordo com o momento que vivemos

Todos temos noção que já existiam, antes da pandemia, inúmeros clubes que passavam por dificuldades financeiras: as deslocações são muitas, as despesas com as inúmeras equipas de formação, os apoios financeiros e os patrocínios são quase nenhuns. Muitas equipas tentam impedir que a vertente financeira afete os resultados desportivos, mas mais tarde ou mais cedo é inevitável, como no caso do histórico ABC.

Anúncio Publicitário

Naturalmente, com a pandemia e com o cancelamento das competições, as condições destes e de outros clubes agravaram-se. Não há jogos, não há patrocínios, mas os gastos não desaparecem. A equação é muito simples e não afeta só clubes portugueses: no estrangeiro, mesmo antes da pandemia, sabíamos que o histórico RK Vardar estava em risco de desaparecer (felizmente já foi “salvo”), mas nos últimos dias foi o colosso polaco Kielce que anunciou que perdeu o seu principal patrocinador dos últimos 18 anos e que agora precisa de cerca de 600 mil euros para financiar o plantel na próxima época. De recordar que o Kielce foi vencedor da Liga dos Campeões em 2016 e que é um dos colossos do andebol europeu.

Por cá também temos recebido notícias do género. Há clubes a recusar a participação na Segunda Divisão (ACR Zona Azul, por exemplo), há clubes que tiveram de escolher entre a equipa sénior masculina e a equipa sénior feminina (NAAL Passos Manuel, que não vai competir nas provas seniores masculinas em 2020/21) e outros que procuram apoios financeiros, como CF Os Belenenses, para participar nas competições europeias.

Ora, alguns apoios já foram anunciados e algumas medidas já foram tomadas. O formato do Andebol 1 vai mudar na próxima época: as equipas vão passar de 14 para 16, mas a quantidade de jogos vai diminuir para 30, já que se vai jogar num formato todos contra todos, mas apenas numa fase, terminando a divisão em Grupos A e B.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários