A CRÓNICA: FALTA DE ACERTO NA FINALIZAÇÃO ACABOU POR DITAR A PRIMEIRA DERROTA PORTUGUESA NESTE CAMPEONATO DA EUROPA FRENTE À VICE-CAMPEÃ DO MUNDO

Com ambas as equipas já qualificadas para a fase principal da competição, esta terceira jornada iria definir quem passaria em primeiro e quem levaria pontos para essa segunda fase – os pontos conquistados entre as equipa apuradas para a main round transitam para essa fase.

O encontro começou com algum equilíbrio. Jogando em casa com mais de 8000 adeptos na Trondheim Spektrum, a Noruega ia sendo empurrada pelas bancadas, mas Portugal ia aguentando. Com uma defesa 6×0, que se transformava num 3×3 extremamente “agressivo”, a defesa lusa ia frustrando o ataque norueguês e conseguia roubar bolas que permitiam sair em contra-ataque.

No entanto, a Noruega é vice-campeã do mundo por alguma razão e com o central Sander Sagosen a comandar o ataque, os espaços lentamente começavam a aparecer. As ações de um-para-um norueguesas começavam a suceder-se e a vantagem começava a aumentar. Algum nervosismo ou ansiedade parecia dominar a equipa de Paulo Pereira e as precipitações sucediam-se, especialmente no plano ofensivo, onde as falhas de finalização começavam a amontoar-se. Ainda assim, ao intervalo a desvantagem portuguesa era de apenas dois golos com o marcador a assinalar 14-16.

Anúncio Publicitário

No segundo tempo essas precipitações mantiveram-se. Uma entrada endiabrada por parte da Noruega, que começou a segunda parte com um parcial de 6-1, permitiu-lhes construir uma vantagem de sete golos que acabou por ser determinante para o resultado final.

Apesar dos esforços lusos, a desvantagem nunca passava dos quatro golos e Sander Sagosen continuava a dominar o plano ofensivo nórdico. Assim, foi com naturalidade que a Noruega controlou o resultado e saiu vencedora por 28-34.

A FIGURA

Fonte: Noruega

Sander Sagosen – O central norueguês que alinha pelo PSG está num momento de forma incrível e tem-no mostrado neste europeu. Com apenas 24 anos mostra bastante maturidade e consegue impactar o jogo mesmo sem marcar. Ao arrastar as marcações dos dois defesas centrais, abriu inúmeros espaços que os laterais noruegueses aproveitaram para marcar.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: FAP

João Ferraz – Mais uma exibição que apesar de esforçada, não deu os frutos que Paulo Pereira esperaria. Foram várias as ocasiões em que João Ferraz limitou a circulação de bola e houve momentos em que parecia não saber o que fazer com o esférico – altura em que normalmente simulava um remate em suspensão e tentava entrar aos seis metros, apenas para ser parado pela defensiva norueguesa.

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTUGAL

A defesa portuguesa tem mostrado bastante versatilidade. Paulo Pereira tem mostrado vários esquemas defensivos e a equipa tem correspondido – neste encontro Portugal defendeu 6×0, 3×3 e 5×1. No entanto, tem sido o ataque que tem mostrado alguns “soluços”. Rui Silva é neste momento o jogador mais importante da equipa e Portugal sente cada vez que o central está fora de campo.

SETE INICIAL E PONTUAÇÕES

Alfredo Quintana – 6

Diogo Branquinho – 5

André Gomes – 6

Rui Silva – 5

João Ferraz – 4

Pedro Portela – 6

Alexis Borges – 7

SUBS UTILIZADOS

Humberto Gomes – 6

Miguel Martins – 7

Belone Moreira – 6

Daymaro Salina – 7

Alexandre Cavalcanti – 6

António Areia – 6

Fábio Vidrago – 6

Luis Frade – 6

Fábio Magalhães – 6

 

ANÁLISE TÁTICA – NORUEGA

Apoiados no seu 6×0 extremamente flexível, a Noruega demostrou todas as características de uma equipa escandinava: pontas rápidos e eficazes, disciplina, simplicidade de processos e muita frieza. Apoiados pelos seus adeptos e com Sander Sagosen e Magnus Röd a jogarem a este nível, a seleção norueguesa é uma das favoritas ao título.

SETE INICIAL E PONTUAÇÕES

Torbjoern Bergerud – 8

Magnus Joendal – 8 ´

Petter Overby – 6

Sander Sagosen – 8

Magnus Röd – 8

Kristian Björnsen – 6

Kristian Saeveraas – 6

SUBS UTILIZADOS

Goeran Johannessen – 8

Tom Nikolaisen – 7

Sander Overjordet – 6

Magnus Gullerud – 6

Christian O’Sullivan – 7

Eivind Tangen – 6

Harald Reinkind – 6

Kevin Gulliksen – 7

Alexandre Blonz – 6

Foto de Capa: FAP

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários