Outsiders

Pinot carrega consigo as esperanças dos franceses
Fonte: Groupama – FDJ

Thibaut Pinot  Será desta que finalmente um francês volta a ganhar um Tour? Tem estado a andar bem em provas francesas, vencendo a geral e conquistando uma etapa no Tour de l`Ain e fez a mesma coisa no Tour Du Haut Var, vencendo a geral e uma etapa também. Para além disso, ainda fez top cinco no Tirreno Adriático e no Critérium du Dauphiné. Com o apoio dos franceses na estrada, vai atacar certamente nos Pirenéus e nos Alpes. Se tudo correr dentro da normalidade e sem quedas, irá fechar no top dez com facilidade, agora no que toca à vitória final, já é mais difícil. 

Romain Bardet– Outro francês à conquista do sonho. Já fez segundo e terceiro lugar no Tour, conseguindo já três vitórias em etapas. Já não vence desde Fevereiro de 2018, mas as aspirações deste ciclista no Tour são sempre muito elevadas. É uma das suas provas de eleição e vai ter o apoio da falange de adeptos franceses. Vai certamente tentar vencer uma etapa, no mínimo.

Rigoberto Urán– É um exemplo perfeito de um ciclista regular. Mal se dá por ele, mas está onde é preciso estar e tende a não ter quebras quando se encontra em boa forma. Já conseguiu ficar em segundo no Tour, em 2017 e também ficou em segundo em 2013 e 2014 no Giro de Itália. A somar a isto, também já venceu uma etapa no Tour, em 2017, superando Barguil. Vai contar com um bloco de excelência, com Alberto Bettiol, Simon Clarke, Tanel Kangert, Michael Woods, Tom Scully, Langeveld e Tejay Van Garderen. Uma equipa forte na montanha e com nomes que andam muito bem no contrarrelógio.

Richie Porte– Desde 2018 até à atualidade, Porte apenas ganhou duas vezes e foi no mesmo local, mais precisamente, Willunga Hill, no Santos Tour Down Under. Ganhou a geral do Tour da Suiça em 2018 também, mas sem conquistar uma vitória em etapas. A melhor posição que conseguiu no Tour, foi um quinto lugar, em 2016, não tendo conseguido finalizar a prova nas últimas duas edições. No entanto, não deixa de ser um nome importante para as contas do top dez.

Anúncio Publicitário

Emanuel Buchmann– Já conta com duas vitórias nesta temporada, ambas em solo espanhol. Fechou top sete, pelo menos, em todas as competições, atingindo vários pódios. Vai ter uma equipa forte, no entanto, os esforços vão ser divididos entre Sagan no sprint e a montanha para Buchmann. Vai ter o apoio de Konrad e de Schachmann que são homens importantes em qualquer equipa e que o ajudarão no objetivo de terminar no top dez.

Kruijswijk– A sua melhor classificação de sempre no Tour foi um quinto lugar, em 2018. É um ciclista extremamente regular e capaz de andar com os melhores na alta montanha e contrarrelógio. Vai para a sua 16ª Grande Volta, com grandes intenções, apresentando um conjunto forte, com George Bennett e Laurens De Plus a serem os “guardas da coroa”. A equipa, no entanto, vai estar repartida, visto que levam também Dylan Groenewegen para o sprint. É um claro candidato ao top dez, disso ninguém duvida, apesar de apenas ter duas vitórias em toda a sua carreira!

Dan Martin– A sua última vitória foi precisamente no Tour do ano passado. Nunca conseguiu melhor que um sexto lugar na geral individual, mas já terminou três vezes dentro do top dez. Este ano, não está a andar espetacularmente bem, mas quase sempre entre os melhores dez. Vai ter um grupo interessante, com Fábio Aru, Rui Costa e Sergio Henao. Esta equipa é uma daquelas que vai ser dividida em dois blocos, visto que irão apostar também em Kristoff para o sprint. Muito provavelmente vão lutar pelo top dez com Martin e tentar amealhar etapas com os restantes ciclistas a intrometerem-se em fugas nas etapas de montanha.

Alguns nomes que é provável estarem entre os melhores: Enric Mas (Deceuninck-QuickStep), Valverde (Movistar), Ilnur Zakarin (Katusha-Alpecin), Bauke Mollema (Trek-Segafredo), George Bennett (Team Jumbo-Visma), Warren Barguil (Team Arkéa Samsic), Guillaume Martin (Wanty-Gobert), Michael Woods (EF Education First), Tejay Van Garderen (EF Education First) e Wilco Kelderman (Team Sunweb). São todos nomes válidos para entrarem no top 15, à espreita de um lugar no top dos dez mais.