Anterior1 de 2Próximo

Com a chegada da etapa sete, chegavam também as dificuldades. Com o final a coincidir com o segundo ponto mais alto de Portugal continental. Os corredores que partiram de Bragança e tiveram como local de chegada a Serra do Larouco, em Montalegre. O final seria culminado com um prémio de montanha de primeira categoria, numa escalada de 9,2 quilómetros a 5.8% de inclinação média. A cerca de 40 quilómetros da meta, uma contagem de 1ª categoria em Torneiros, com 4,5 quilómetros a serem feitos com as pendentes a 8,7 % de inclinação já seria uma quebra pernas para o pelotão.

Antes disto tudo ainda havia uma contagem de 2ª categoria na Bolideira. Uma etapa que ficou marcada pelo vento e chuva durante o percurso e muita nebulosidade na parte final da subida ao Larouco.

Em 2014, David Belda foi quem levou a melhor no alto do Larouco. O português Luís Gomes da Rádio Popular Boavista foi quem venceu na chegada de hoje.

Fonte: Volta a Portugal

Uma etapa que já se previa complicada, teve uma fuga numerosa. Com 25 quilómetros corridos, juntaram-se na frente vários ciclistas: Brice Feillu (Team Arkéa Samsic), Álvaro Cuadros (Caja-Rural-Seguros RGA), Leandro Oyola (Medellin), Omer Goldstein (Israel Cycling), Marco Tizza (Amore & Vita-Prodir), David Livramento (Sporting-Tavira), Filipe Cardoso (Vito-Feirense), Mathias Reutmann (Swiss Racing Academy), Osório (Oliveirense-InOutBuild), Hugo Sancho (Miranda-Mortágua), Luís Gomes e Hugo Nunes (Rádio-Popular-Boavista) saíram para terminar com sucesso a sua iniciativa.

David Livramento ganhou a meta volante em Vinhais
Fonte: Volta a Portugal
Luís Gomes defendeu bem a sua camisola da montanha, apoiado do seu colega Hugo Nunes. Uma fuga recheada de talento, mas que foi perdendo unidades ao longo do tempo decorrido. O pelotão deixou a fuga ganhar uma vantagem enorme no início da etapa, dando indicações que o vencedor sairia do grupo fugitivo.

Lá atrás, o pelotão era comandado pela W52-FC Porto que assumia o controlo do ritmo no grupo principal. Foi assim durante grande parte da etapa, tal como foi na subida final até à meta. Ricardo Mestre impôs um ritmo elevado, ficando o grupo rapidamente reduzido a 15/20 unidades. A Aviludo-Louletano também trabalhou nesta etapa, principalmente na hora de tirar tempo à fuga e na fase final da tirada.

Na frente, Álvaro Cuadros ia lançado para a vitória, nos últimos dois quilómetros, mas foi alcançado pelo grupo perseguidor, que trazia Luís Gomes, Hugo Sancho e Mathias Reutimann. No final, o espanhol ficou para trás e os três homens ultrapassaram-no diretamente. No sprint final, o boavisteiro acabou por levar a melhor num sprint até ao risco de meta. Hugo Sancho fez segundo e Reutimann ficou no último lugar do pódio.

Luís Gomes mostrava-se muito emocionado na chegada após a vitória na etapa, com este a ser o marco mais importante da sua carreira. O camisola de montanha estava na fuga para amealhar mais pontos para conservar a sua camisola azul, mas acabou por conseguir algo mais, conseguindo a sua primeira vitória aos 25 anos.

Luís Gomes venceu a etapa 7 e consolidou ainda mais a sua posição na classificação da montanha
Fonte: Volta a Portugal

Mas esta etapa também tinha contas para a geral individual. A única movimentação foi feita por Jóni Brandão, que estava a 25 segundos da amarela e em quarto lugar na geral. Com a sua aceleração, o camisola amarela ficou para trás, no entanto, o seu colega João Rodrigues, que era segundo, tentava reduzir as diferenças para o ciclista da Efapel.

O ataque podia pecar por tardio, visto que foi feito a pouco mais de um quilómetro da chegada, mas Jóni não só ganhou os 25 segundos que tinha em atraso para Veloso, como ainda ganhou os dez segundos que o separava de João Rodrigues. Ultrapassava também o terceiro lugar, de Vicente De Mateos, que tinha três segundos a menos, visto que este já tinha ficado para trás há bastante tempo, ele que foi um dos derrotados do dia.

Jóni assume assim a camisola amarela, com 1 segundo de vantagem para o segundo lugar de João Rodrigues. Gustavo Veloso está em terceiro, a 15 segundos da amarela.

Daniel Mestre mantém-se em corrida e na liderança da camisola dos pontos e Luís Gomes continua líder na montanha. A classificação coletiva agora é liderada pela Boavista, saindo a W52-FC Porto da primeira posição.

Top 10 da etapa 7:

Luís Gomes (Rádio Popular Boavista) 4h:25m:39s

Hugo Sancho (Miranda-Mortágua) +0:02s

Reutimann (Swiss Racing Academy) m.t

4º Brice Feillu (Arkéa-Samsic) +0:13s

Juan Osório (UD Oliveirense) +0:18s

Cuadros (Caja Rural) +0:34s

Marco Tizza (Amore & Vita) +0:39s

8º Omer Goldstein (Israel Cycling) +0:43s

9º Hugo Nunes (Rádio Popular Boavista) m.t

10º Filipe Cardoso (Vito-Feirense) +0:47s

Anterior1 de 2Próximo

Comentários