As equipas portuguesas do pelotão nacional já se encontram a apresentar os seus plantéis, com o intuito de começar a preparar a nova época.

Este ano, prevê-se que o pelotão nacional seja composto por nove equipas continentais. Com a descida da W52-FC Porto de pro continental para continental, o número aumenta em relação às oito do ano passado.

A equipa portista já fez duas contratações para a próxima temporada, incluindo Raúl Rico (ex-Vito-Feirense Pnb) e o regressado Amaro Antunes (ex-CCC Team). O primeiro é um jovem espanhol de 22 anos, que apenas correu um ano na equipa da Vito Feirense, e o segundo é já um corredor com provas dadas em Portugal, ao serviço da LA Alumínios-Antarte e da própria W52-FC Porto. Depois de duas temporadas a pedalar na equipa polaca da CCC Team, o algarvio não teve a melhor experiência no World Tour e acaba por voltar a Portugal.

A equipa boavisteira, a Rádio Popular Boavista, irá contar com os seus homens da geral para 2020. Daniel Silva, David Rodrigues e João Benta irão liderar a equipa rumo aos objetivos. As entradas confirmadas incluem os jovens Vinício Rodrigues e Gonçalo Carvalho. Este mercado de transferências fica também marcado pelo regresso do espanhol Alberto Gallego, que está suspenso desde 2016, voltando agora à competição.

Fonte: Rádio Popular Boavista

Pedro Silva, o campeão nacional de estrada na categoria de juniores, também vai fazer parte do elenco boavisteiro. Por fim, a entrada de Luís Fernandes, vindo da Aviludo-Louletano, que vai acrescentar mais experiência à equipa.

A Efapel é a equipa que mais apostou nas contratações. A próxima temporada promete ser cheia de bons resultados. Foram buscar António Carvalho à equipa da W52-FC Porto, ele que foi uma peça importante na montanha da equipa portista, ao longo das últimas temporadas. Terminou a última Volta a Portugal em quarto lugar, ganhando a etapa da Senhora da Graça.

O comboio amarelo foi ainda buscar Tiago Machado ao Algarve, sendo este mais um ciclista experiente que irá dar o apoio necessário nas provas mais duras. Não teve a melhor temporada ao serviço do Sporting-Tavira, mas é um ciclista importante para as equipas em que se insere. Vencedor de inúmeras camisolas da juventude, já foi campeão nacional de contrarrelógio em 2009, venceu um contrarrelógio individual no Circuit Sarthe em 2010, triunfou na camisola de montanha do Tour da Valónia em 2013, venceu a classificação geral do Tour da Eslovénia em 2014 e arrebatou um triunfo a abrir a época de 2018, com a vitória na Prova de Abertura.

Comentários