Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidades

Há dois anos, FC Porto e Sporting abalaram o Ciclismo em Portugal, quando decidiram apostar na modalidade. Quem não se lembra da “luta” entre leões e dragões, pelo patrocinador W52, tendo estes, à última hora, optado pelos portistas, quando tinham quase tudo apalavrado com o Sporting. Isto motivou uma atenção mediática que, até então, escasseava no mundo do Ciclismo Português. Também desde essa altura que o nome do Benfica foi sempre associado a um projecto no ciclismo, havendo algumas notícias que dão conta de a intenção dos responsáveis benfiquistas de avançar com essa possibilidade, já na próxima época.

Muito já foi dito e escrito sobre o regresso do Benfica às estradas, os adeptos da modalidade todos os anos pedem o regresso do glorioso a uma modalidade que lhes diz muito e que até tem um aro de bicicleta como fundo do seu símbolo, mas vou deixar aqui a minha opinião.

O Ciclismo precisa do Benfica, mas o Benfica não precisa do Ciclismo.

E é fácil perceber o porquê. O Benfica é aquilo que é hoje devido ao seu ecletismo, isso é ponto assente, mas temos que admitir que o historial do Benfica é, maioritariamente, feito no Futebol. A nível nacional sim, o Benfica dominou e domina em muitas modalidades, inclusive no Ciclismo, mas a nível internacional, por exemplo, não tem a visibilidade que há no Futebol.

Também a nuvem negra que paira sempre sobre o Ciclismo não beneficia em nada a modalidade e penso que a direcção do clube tem essa questão em grande conta na hora de decidir sobre se avança ou não com algum projecto.

Há outra questão a ter em conta: a sustentabilidade da modalidade. Acredito que o Benfica encontre um parceiro que consiga investir grande parte do orçamento, alguém que já anda no mundo do Ciclismo, até pode ser uma equipa do pelotão nacional actual, mas as ambições de ambos têm de ser coincidentes e expectativas realistas para que não haja desilusões e o projecto vá por água abaixo. Não adianta construir um plantel com bons valores, uma equipa sub-23 para apostar na formação, se depois o projecto finda passado dois ou três anos.

Imagem que muitos benfiquistas desejam voltar a ver Fonte: SL Benfica
Imagem que muitos benfiquistas desejam voltar a ver
Fonte: Paulo César

O próprio Ciclismo em Portugal, nas suas provas nacionais, se tirarmos a Volta ao Algarve, não consegue atrair grandes equipas, logo os patrocinadores também não são atraídos, devido ao pouco mediatismo. Há que haver uma aposta forte, também da parte da Federação Portuguesa de Ciclismo, na promoção da modalidade, mesmo nas provas de menor destaque.

A começar pela rivalidade existente nos três grandes, as conversas de cafés, da Internet e das notícias desportivas iriam enriquecer e extravasar para além do Futebol, a velha disputa dos grandes de Portugal iria também passar para as estradas, uma rivalidade diferente daquela que vemos, por exemplo, nos estádios em Portugal. Seria uma rivalidade saudável: termos portistas, benfiquistas e sportinguistas lado a lado, cada um com o seu cachecol na subida da Srª da Graça, por exemplo.

Só o volume de adeptos a seguir a modalidade iria aumentar  e a dimensão das provas nacionais também, portanto é uma razão plausível para os responsáveis do Benfica ponderarem.

O nome “Benfica” poderia atrair também ciclistas de maior renome, e, com isso, o interesse de adeptos de fora.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários