Cabec¦ºalho ciclismo

Após quase três décadas de ausência (sim, quase três e não duas, como tenho visto por muitos lados, visto que a equipa se extinguiu no ano de 1987), o Sporting Clube de Portugal vai regressar à estrada! Em parceria com o Clube de Ciclismo de Tavira, a equipa mais antiga do pelotão internacional, a formação leonina irá entrar em cena já nesta época vindoura.

Um regresso que corresponde à ânsia de vários sportinguistas em ter certas modalidades de volta ao clube, um desses casos era o próprio ciclismo, modalidade com uma grande tradição e história no clube, remontando para o princípio do século passado. Em 1911, António Soares Júnior (por três vezes, foi presidente do clube), ciclista campeão naquela altura, foi um dos primeiros a filiar-se na então União Velocipédica Portuguesa, instituição que, mais tarde, deu lugar à Federação Portuguesa de Ciclismo.

A primeira vitória apresenta mais de 100 anos, quando Laranjeira Guerra ganhou o II Porto-Lisboa, em 1912. Nos anos 40, o ciclismo chegou mesmo a ser a segunda modalidade mais relevante para o clube, que ia somando importantes vitórias, não só na Volta a Portugal, onde José Albuquerque e Francisco Inácio triunfaram, mas também nas inúmeras competições que disputavam ao longo de Portugal, onde se destacaram ciclistas como Ildefonso Rodrigues, João Lourenço ou João Rebelo.

A partir dos anos 70, o clube viveu os seus maiores êxitos, situação coincidente com a chegada ao ciclismo de um dos nomes mais incontornáveis da história do desporto português: Joaquim Agostinho! Nomes como Alfredo Trindade, Firmino Bernardino, Leonel Miranda ou João Roque também foram ciclistas que, de alguma forma, se destacaram.

Joaquim Agostinho, um nome grande do ciclismo português Fonte: Supersporting.net
Joaquim Agostinho, um nome grande do ciclismo português
Fonte: Super Sporting

Em 1984, a equipa teve um dos seus pontos altos, com a vitória de Paulo Ferreira numa das etapas da Volta à França. Infelizmente, esse ano não foi apenas para recordar pelas razões positivas. A 30 de Abril, numa etapa da Volta ao Algarve, como líder da classificação geral, o ciclista português e do Sporting teve uma grave queda, que, mais tarde, provocou, tragicamente, a sua morte.

Marco Chagas, um dos ciclistas portugueses mais conhecidos, também fez história pela equipa do Sporting. Na 48.ª edição da Volta a Portugal, disputada em 1986, Chagas venceu a competição pela quarta vez e a segunda de leão ao peito (a última vez que algum ciclista do Sporting venceu a competição), vitórias essas que determinaram, na altura, um recorde em termos de vitórias individuais. No ano a seguir, a modalidade extinguiu-se. No total, são mais de 150 títulos, quer na estrada, quer na pista, destacando-se, claramente, as 13 vitórias na Volta a Portugal.

Em 2009, existiu uma tentativa de regresso, mas acabou por não resultar. Os leões regressaram como uma equipa de sub-23, sendo que as circunstâncias naquela altura fizeram com que a experiência terminasse em 2011. Neste ano, o Sporting tinha encetado conversações com a W52 para criar uma equipa de ciclismo, chegando mesmo a ter um pré-acordo, mas a instituição acabou por se juntar ao FC Porto. O negócio esteve bastante perto de ser fechado, até porque, na altura, o Bola na Rede, no artigo que ia sair sobre o regresso do Sporting ao ciclismo, ia adiantar uma informação que tinha (apenas um pormenor) acerca das bicicletas, que iriam ter como marca e modelo a KTM (faltavam fechar as negociações). Na altura, o Sporting justificou a decisão de suspender o acordo com a W52 devido ao facto de eles, na altura, não terem esclarecido as dúvidas acerca dos procedimentos relacionados com análise e controlo antidoping, entre outros aspetos.

No comunicado de imprensa lançado nesta altura, é sublinhada “a importância dada pelo Sporting Clube de Portugal à sua inquestionável referência como maior potência desportiva nacional, através da descentralização e ligação a uma região como o Algarve que merece há muito uma atenção que as instituições ligadas ao fenómeno desportivo tantas vezes negligenciam por se focarem apenas em cidades ou regiões”. O clube de Alvalade explica ainda que a constituição desta equipa “é a resultante do esforço, do empenho e do sonho do vice-presidente, Comandante Vicente de Moura”, que atravessa um momento sensível devido a um problema de saúde.

A equipa algarvia dominou durante quatro épocas a Volta a Portugal, vencendo com David Blanco entre 2008 e 2010 e com Ricardo Mestre, que, provavelmente, estará de saída para a W52, em 2011. No entanto, nas últimas épocas, o Tavira enfrentou algumas dificuldades financeiras, que afastaram a equipa da discussão dos primeiros lugares da prova rainha do calendário português.

Com a chegada do Sporting ao ciclismo (juntando à entrada do FC Porto), sem dúvida que haverá ainda mais interesse na modalidade e acredito que, também, mais patrocinadores terão interesse em entrar em ação. Neste próximo ano, é difícil delinear os objetivos. Acredito que todos os sportinguistas querem logo a vitória na Volta a Portugal, mas tendo em conta certas circunstâncias, parece-me algo difícil, pelo menos para o ano de 2016, tudo depende também dos reforços que poderemos vir a ter. Nos anos seguintes, dependendo de como tudo correr, existirá a possibilidade de termos a equipa a um nível ProContinental, o que permitia a entrada nalgumas das principais provas do panorama internacional – mas este é um objetivo mais ambicioso e mais complicado de ser concretizado.

Hugo Sabido fará parte da equipa Fonte: cyclingfans.net
Hugo Sabido fará parte da equipa
Fonte: Cycling Fans

É verdade que, tendo em conta que estamos a falar de uma das equipas que teve mais dificuldades nestes últimos tempos em conseguir resultados de renome, o caminho a percorrer será mais complicado e terá mais obstáculos, mas tenho a plena confiança de que o Sporting chegará a um bom porto num futuro próximo. A primeira tentativa com a W52 não resultou, as negociações com a Efapel não chegaram a um bom rumo e o Tavira demonstrou, finalmente, o interesse e a forma necessária para chegar a acordo com o Sporting. A constituição da equipa ainda é uma incógnita, veremos quais os reforços que irão chegar e quem irá renovar. Manuel Cardoso, um dos melhores sprinters portugueses, irá, como tudo indica, fazer parte da equipa, tal como Hugo Sabido, ciclista recém-contratado, que “regressa a casa” e que foi o vice-campeão da Volta a Portugal em 2012.

Não tenho a menor dúvida de que esta é uma excelente notícia e de que a equipa tem capacidade para cumprir ao máximo com o lema do Sporting. Com esforço, dedicação e devoção, caraterísticas sempre presentes nos ciclistas, a equipa poderá chegar a uma imensa glória!

Comentários