Anunciou agora a sua retirada das estradas um muito subvalorizado especialista das corridas do paralelo e um dos grandes belgas da sua geração, Stijn Devolder.

A correr esta época na Corendon-Circus, termina a carreira após um ano em cheio no apoio a uma das novas sensações da modalidade, Mathieu van der Poel, incluindo ter feito parte da equipa da fantástica vitória do holandês na Amstel Gold Race.

Os seus anos dourados foram na Quick-Step, conjunto pelo qual conquistou os seus dois Monumentos, a Ronde van Vlaanderen em 2007 e 2008, bem como um título nacional de fundo e dois de contrarrelógio. Mostrou-se ainda em provas menores, conquistando uma edição da “nossa” Volta ao Algarve e uma caseira Volta a Bélgica.

O belga despontara na Discovery Channel e até parecia primeiro montado às provas por etapas, vencendo a Volta à Austria e sendo 11.º numa Vuelta, mas acabariam por ser os paralelos das Clássicas do Norte a marcar a sua carreira.

O segundo reinado de campeão nacional de fundo foi na Trek ao serviço de Cancellara
Fonte: Trek Factory Racing

Na segunda parte da sua vida ciclística, correu primeiro pela Vacansoleil, onde não teve grande sucesso e depois pela Trek. Na formação americana, voltaria a ser campeão nacional e seria parte fundamental da entourage de Fabian Cancellara no pavé, ajudando o suíço a conquistar duas Rondes e um Paris-Roubaix.

Finalmente, passaria os seus últimos anos como um experiente capitão a ajudar ao desenvolvimento de grandes promessas das clássicas. Antes de estar, em 2019, com van der Poel, esteve duas temporadas ao serviço da Verandas Willems e do grande rival de MvdP, Wout van Aert.

Como alguém cuja primeira vez que assistiu aquela que é hoje a sua prova preferida, o Tour de Flandres, numa vitória de Devolder, irei para sempre recordar o belga e agradeço-lhe os bons momentos de ciclismo que nos proporcionou durante estes longos anos.

Foto de Capa: Ronde van Vlaanderen

Comentários