Anúncio Publicitário
Anterior1 de 2

O equatoriano Richard Carapaz sagrou-se vencedor da 84.ª edição da Volta à Suíça, no passado domingo, na localidade de Andermatt.

Os 17 segundos de diferença para o segundo classificado Rigoberto Urán, asseguraram-lhe o triunfo final. Em terceiro lugar finalizou o dinamarquês Jakob Fuglsang, da Astana, já a 1m15s do líder.

Anúncio Publicitário

A prova começou logo a abrir com uma grande vitória para Stefan Kung, “homem da casa”, no contrarrelógio inicial de 10.9 quilómetros. Em segundo lugar ficou Stefan Bissegger, a quatro segundos, outro ciclista suíço que tem estado em grande destaque nos últimos tempos. Mattia Cattaneo ficou em terceiro, a 12 segundos.

Depois veio o “show” de Mathieu Van der Poel, que acabou por vencer as duas etapas seguintes. Após a sua segunda vitória, arrebatou mesmo a camisola de liderança da prova. A competição não apresentava muitos nomes para o sprint, e nas duas etapas mais talhadas para homens rápidos, o holandês correspondeu da melhor maneira.

Ao quarto dia, Stefan Bissegger acabaria mesmo por vencer, após ter estado muito perto na primeira etapa. O ciclista da EF Education-Nippo esteve na fuga do dia e foi o mais forte no momento decisivo. Van der Poel mantinha a sua camisola de líder.

A partir do quinto dia começavam as decisões para a classificação geral. A montanha aparecia e os líderes de cada equipa também. Richard Carapaz e Jakob Fuglsang fugiram do pelotão, e alcançaram uma vantagem de 39s para os rivais. O sprint final, entre os dois, foi brilhante, com o equatoriano a levar a vitória na raça.

O dia seguinte ficou marcado por novo sucesso dos homens escapados. Rui Costa estava na frente e acabou mesmo por vencer o sprint final, contra Andreas Kron e Hermann Pernsteiner. Só que foi considerado um sprint irregular pelo painel de comissários da corrida, que referiram ter sido uma abordagem perigosa e que podia prejudicar o dinamarquês Kron. O português acabaria por ser relegado para segundo. Polémica à parte, Carapaz mantinha-se na liderança, com 26s de vantagem para Fuglsang e 38s para Schachmann.

Ao sétimo dia, novo contrarrelógio, desta vez de 23.2 quilómetros. Rigoberto Urán viria a obter uma vitória surpreendente, tendo feito o percurso em 36m02s. Alaphilippe terminou em segundo, a 40s, enquanto Gino Mader fechou em terceiro lugar a 54s. Na geral, o colombiano Urán subia três postos, passando para segundo lugar, a 17s da liderança de Carapaz.

A última vitória de Urán tinha sido no Tour da Eslovénia de 2018! Praticamente três anos depois, o corredor experiente, natural de Urrao, parece estar de volta à sua melhor forma.

No último dia, Urán ainda tentou, mas Richard Carapaz esteve sempre em cima do acontecimento e nunca deixou os seus concorrentes brigarem pela sua camisola. A vitória na etapa acabou por cair para Gino Mader, outro ciclista suíço, que está a dar cartas esta temporada. Esta Volta à Suíça foi brilhante para os corredores suíços. Os três ciclistas mais conhecidos do país e com mais provas dadas nos últimos tempos acabaram por vencer. Carapaz triunfou na geral, passando a ser o primeiro equatoriano a vencer a esta prova.

Anterior1 de 2

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome