Parece que já foi há algum tempo que escrevi, a pedido do editor das modalidades naquele tempo, Rodrigo Fernandes, sobre a entrada de Fernando Alonso no campeonato mundial de endurance, com a equipa da Toyota Gazoo Racing.

Continuando a sua perseguição da Tripla Coroa, o piloto espanhol brinda-nos com várias experiências. Para ele, devem ser extremamente interessantes. Para nós, apaixonados por motores, deixa-nos a sonhar. Fernando Alonso já tem dois campeonatos do mundo de Fórmula 1, vitórias em circuitos históricos como o Mónaco, Daytona, Le Mans, sendo que ainda lhe falta Indianápolis com os carros do campeonato Indy.

Mas porquê este artigo? Ora, Fernando Alonso experimentou, na África do Sul, na companhia do sul-africano Giniel de Villiers, um veículo que nos deixou com água na boca. A Toyota Hilux, da Toyota Gazoo Racing South Africa, que ganhou o Dakar 2019. Estará esta prova histórica, que aparenta mudar-se para a Arábia Saudita, na cabeça de Alonso? Espero que sim, caro leitor.

Fernando Alonso testou a Toyota Hilux que venceu o Dakar em 2019
Fonte: TOYOTA GAZOO Racing

Fernando Alonso impressiona-me cada vez mais. Cada vez que me aprofundo mais neste mundo dos desportos motorizados, vejo em Alonso uma necessidade incessante de fazer tudo. Parafraseando João Carlos Costa, comentador Eurosport/Eleven Sports – “Alonso é, agora, um menino rico que tem oportunidade de experimentar tudo o que quiser, mas também é pago para experimentar tudo”.

Última vitória de Fernando Alonso foi nas 24h de Daytona, na Flórida, no campeonato americano de endurance – IMSA
Fonte: Daytona International Speedway

É pago porque tem talento. E tem algo que já não se vê muito hoje em dia. Tem um desejo de ser “o melhor piloto do mundo”. Eesse rótulo implica que experimente tudo e mais alguma coisa. Antigamente, não existia a variedade que existe hoje de disciplinas do desporto motorizado. Também não existiam assim tantos pilotos. Era normal ver-se um Jackie Stewart guiar um Fórmula 1, um Fórmula 2 em dois fim-de-semana diferentes. Isto mesmo quando Jackie já era um piloto estabelecido na elite mundial. Hoje em dia, isto já não é uma prática muito comum. Mas claro, há sempre exceções, muitas vezes pouco bem sucedidas. Kimi Raikkonen esteve no WRC durante uns tempos e correu na NASCAR, também pouco sucedido.

Voltemos a Alonso. O espanhol continua envolvido na Fórmula 1, com a McLaren. Mas para mim, o que fez com a Toyota Gazoo Racing foi o grande contrato da vida dele. A marca nipónica tem uma divisão de ralis, Dakar, e o endurance. Fernando Alonso a ganhar o rali de Monte Carlo era algo de inesquecível, mas gostava que, pelo menos, experimentasse o Toyota Yaris WRC.

Curiosidade: uma história que ouvi durante estes dias foi a de que Alonso, sempre que saía de uma volta na Hilux, telefonava ao Carlos Sainz, campeão mundial de ralis e vencedor do Dakar. Se experimentar o WRC, será que telefona a Sebastien Loeb e a Sainz?

Texto revisto por: Mariana Coelho

Foto de Capa: TOYOTA GAZOO Racing

Comentários