Este ano as estradas estiveram ainda mais brancas do que em anos anteriores. Lá está, branco é o que nós aficionados esperamos de um rali de Inverno. Uma das atrações deste fim-de-semana viu os carros de rali mais rápidos do mundo voarem. Esta atração tem o nome de Colin’s Crest. O maior salto desta edição pertenceu ao norueguês Mads Ostberg, que tripula o Citroen C3 WRC pela primeira vez. Este “voou” 42 metros, para delírio da multidão, que todos os anos lá se junta.

Maior salto deste fim-de-semana pertenceu ao Mads Ostberg
Fonte: Rally Sweden

Mas passemos à ação. A primeira especial juntou dois pilotos ao mesmo tempo, sendo que o mais rápido pertenceu ao Toyota Yaris WRC de Ott Tanak, seguido do seu companheiro de equipa Jari-Mati Latvala e do norueguês da Citroen, Mads Ostberg, numa especial em Karlstad.

O segundo dia de prova foi totalmente dominado pela marca sul-coreana, Hyundai. Thierry Neuville, Andreas Mikkelson e Haydon Paddon formaram o pódio. A surpresa deste dia vai para as formações da Ford e da Citroen. Se no rali passado a Ford e os seus principais pilotos, Sebastian Ogier e Elfyn Evans, mostraram um bom andamento, na neve sueca a história foi completamente diferente. No fim do primeiro dia ambos encontravam-se fora dos dez primeiros classificados. O facto de Ogier abrir a estrada também contribuiu muito para que estivesse abaixo na tabela. Assim sendo, o melhor da M-Sport era Timmo Sunninem na sexta posição da geral.

Anúncio Publicitário

O finlandês mostrava um bom ritmo, num ambiente quase caseiro para os pilotos nórdicos.
Na Citroen, Craig Breen e Ostberg completavam o top cinco no primeiro dia, enquanto Kris Meeke só conseguia décimo. Breen foi o que mais impressionou, apesar ter ido contra um banco de neve consegui acabar o primeiro dia como líder entre os carros da marca francesa e em quinto da geral. A Toyota colocava os seus três carros nos dez primeiros classificados, mas quem liderava era o mais novo dos seus pilotos, Esapekka Lappi.