Terra, lama, nevoeiro, chuviscos. Ao ver as imagens do rali da Grã-Bretanha estas fazem-me lembrar do Azores Airlines Rally. A cor da terra por onde os carros passam é parecida, as árvores das enormes florestas são verdes como os pastos do rali açoriano. Enfim a, até parece que cheiro através de um ecrã de televisão (ou computador, porque hoje em dia com o WRC+, televisão até parece obsoleta). Este ano a grande diferença é a data. O rali da Grã-Bretanha este ano deixou de ser em novembro.

Mas a três rondas do final do FIA World Rally Championship a luta para ver quem sairá campeão está ao rubro. Thierry Neuville/ Nicolas Gilsoul em Hyundai i20 Coupé WRC, Sébastien Ogier/ Julien Ingrassia em Ford Fiesta WRC e Ott Tanak/ Martin Jarveoja em Toyota Yaris WRC são os candidatos ao título. 

Anúncio Publicitário

Primeiro dia do rali da Grã-Bretanha e o piloto em forma continua a ser Ott Tanak. O estónio vem de três vitórias consecutivas no mundial de ralis e neste primeiro dia não deu hipóteses a ninguém, vencendo cinco das nove especiais. Simplesmente fantástico. Quem também teve um ínicio de rali muito bom foi o vencedor da edição de 2017, Elfyn Evans. O britânico estava em segundo até que problemas no Ford Fiesta WRC ditaram a sua desistência prematura. No primeiro carro da M-Sport Ford, o cinco vezes campeão do mundo, Sébastien Ogier tinha problemas de caixa e ao longo do dia ia caindo na classificação. Teemu Suninem parecia o melhor da equipa britânica, mas uma saída de estrada colocou também fim à sua participação. Já o líder do campeonato, Thierry Neuville, era o primeiro na estrada. Com isso não tinha tanta vantagem, mas com uma boa tarde de rali conseguiu levar o Hyundai ao segundo lugar da geral. Na terceira posição vinha o finlandês da Toyota, Jari-Mati Latvala. O melhor Citroen era o irlandês Craig Breen em sexto.

O estónio, Ott Tanak voou pelas estradas enlameadas do País de Gales
Fonte: TOYOTA GAZOO Racing WRC

Segundo dia e Ott Tanak continuava ao ataque. Mas a surpresa do dia estava para vir. O piloto da Toyota desistiu após um embate no solo que enterrou bem fundo a proteção de carter do motor, provocando problemas de radiador e de motor. E quem estava lá para apanhar o lugar cimeiro do pódio? Sébastien Ogier! Não foi só a desistência de Tanak que mexeu com as contas do rali da Grã-Bretanha. Thierry Neuville teve uma pequena excursão à valeta, o que o fez perder minutos e posições. No fim do dia estava em oitavo. O pódio agora estavam os dois Toyota, Latvala em segundo e Esapekka Lappi em terceiro. Craig Breen levava o Citroen C3 WRC a um brilhante quarto lugar seguido de Mads Ostberg. 

O irlandês Craig Breen fez um brilharete com o Citroen C3 WRC. Conseguirá estar em 2019 com o retorno de Ogier
Fonte: Citroen Racing