logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Carlos Sainz

Antevisão GP Grã-Bretanha: Dios mio, Carlito

modalidades cabeçalho

A ANTEVISÃO: CARLOS SAINZ “TIRA COELHO DA CARTOLA” E GARANTE A PRIMEIRA POLE NA CARREIRA, NUMA SESSÃO REPLETA DE SURPRESAS

O primeiro fim-de-semana do mês de julho marcou o regresso da Fórmula 1 à Grã-Bretanha e ao circuito de Silverstone. Depois de, no ano passado, Hamilton ter conseguido a vitória em casa, numa corrida marcada pela colisão entre o piloto britânico da Mercedes e Max Verstappen, este ano as contas parecem bem diferentes e, dificilmente, se prevê um desfecho como o do ano passado.

Para este Grande Prémio, a maioria das equipas trouxeram alterações e melhorias nos seus monolugares e, por isso, a expectativa para ver o que Silverstone nos trazia era muita.

Depois das sessões de treinos, antevia-se uma qualificação bastante concorrida, com a Mercedes (dando um ar da sua graça) a intrometer-se entre Ferrari e Red Bull. Quem acabou por se intrometer foi Carlos Sainz que, sem ninguém esperar, conseguiu a sua primeira pole poisition, estragando o recital que Max Verstappen vinha a dar.

Durante as sessões de treinos, foi possível ver a Mercedes a dar sinal de vida logo na sexta-feira. Um dia que acabou por se mostrar bastante inconclusivo devido a fatores como a chuva, em que equipas como a Red Bull ou a Ferrari acabaram por ser discretas.

Posto isto, foi Valteri Bottas quem surpreendeu na primeira sessão de treinos livres, colocando a Alfa Romeo no primeiro lugar da classificação com o parcial de 1:42.249, seguido de Lewis Hamilton e Carlos Sainz. Uma sessão que ficou marcada pela chuva intensa, em que muitos pilotos acabaram por não marcar qualquer tempo.

Na segunda sessão, o clima mudou e os rasgos de sol que se fizeram sentir no asfalto de Silverstone levaram todos os pilotos a sair das boxes. Carlos Sainz, acabou por cravar o melhor tempo de toda a sessão (1:28.942), com Hamilton e Norris a fecharem o “pódio”.

Com a chuva a dar um pouco de descanso aos pilotos, acabou por ser notória a melhoria dos tempos da primeira para a segunda sessão de treinos livres.

Já na última sessão, realizada nesta manhã de sábado, vimos a Red Bull a “sair da toca”, com Verstappen a mostrar um ritmo impressionante e distante, quer dos pilotos da Mercedes e Ferrari, quer do seu companheiro de equipa, deixando um gap na casa das quatro décimas para estes.

Os resultados nestes TL3 prometiam uma boa luta na qualificação entre as três unidades motrizes da frente, todas separadas por muito pouco, à exceção do piloto neerlandês da Red Bull que mostrou ser o “desmancha prazeres”, distanciando-se dos demais. (1:27.901)

Entrando nas sessões de qualificação, a chuva começou por marcar presença no início, mas rapidamente foi desaparecendo à medida que o tempo na Q1 ia caindo. Sessão em que Max Verstappen voltou a ser o mais rápido. A surpresa, pela negativa, foi mesmo a Aston Martin que acabou por ver os seus dois pilotos ficarem para trás. Além destes, também os dois Hass e o Williams de Alex Albon não passaram à Q2.

Latifi acabou por marcar a segunda sessão de qualificação e, com uma pequena ajuda da chuva, alcançou pela primeira vez a Q3, sendo, assim, a grande surpresa desta sessão. Para trás ficaram os Alpha Tauri de Gasly e Tsunoda, o Alfa Romeo de Bottas, o Alpine de Ocon e o Mclaren de Ricciardo.

Na decisão pela pole position, com a chuva a atrapalhar os tempos dos pilotos, Carlos Sainz tirou um coelho da cartola e conseguiu o primeiro lugar na grelha de partida para a corrida de amanhã, garantindo assim a sua primeira pole da carreira. Verstappen garantiu o segundo lugar com Charles Leclerc a fechar o pódio.

Foto de Capa: Scuderia Ferrari

Duas são as paixões que definem o Duarte: A Comunicação e o Desporto. Desde muito novo aprendeu a amar o desporto, muito por culpa dos intervenientes que o compõem. Cresceu a apreciar a mestria de Guardiola, a valentia de Rossi e a habilidade de Hamilton, poder escrever sobre estes é algo com que sempre sonhou.

Duas são as paixões que definem o Duarte: A Comunicação e o Desporto. Desde muito novo aprendeu a amar o desporto, muito por culpa dos intervenientes que o compõem. Cresceu a apreciar a mestria de Guardiola, a valentia de Rossi e a habilidade de Hamilton, poder escrever sobre estes é algo com que sempre sonhou.

FC PORTO vs CD TONDELA