Cabeçalho modalidadesO circuito de Spa-Francorchamps é longo. Dá tempo e espaço para recuperar de erros que possam ser cometidos. Contudo, se algo acontece nas primeiras curvas de uma corrida, é preciso percorrer 7 quilómetros para chegar novamente perto das boxes. É preciso cautela para ser bem sucedido em Spa. Ou então fazer o que Lewis Hamilton fez hoje: não cometer erros.

O piloto inglês começou a fazer história logo na qualificação. Foi o mais rápido, ganhou a pole, e igualou Michael Schumacher enquanto recordista de pole-positions na Fórmula 1: 68. Terminou com o tempo canhão de 1m42.553 – o melhor de sempre no circuito belga. Valtteri Bottas ainda andou perto de confirmar a dobradinha da Mercedes na grelha mas Vettel não deixou, acabando a qualificação a dois décimos de Hamilton. O finlandês caiu para a segunda linha do grid, seguido de perto por Raikkonen. A terceira linha foi, sem surpresas, dos dois Red Bull.

A partida foi tranquila e Lewis Hamilton conseguiu segurar a liderança. Alonso tirou do bolso a carta da experiência e ganhou quatro posições, saltando de 11.º para 7.º. Ainda assim, a falta de potência do motor Honda fez com que rapidamente voltasse a cair para décimo. A reacção do espanhol diz tudo: “simplesmente constrangedor. Mas agora já não me importo muito com as diferenças. Isto é só um teste”. Quando um piloto já não se preocupa com os problemas do carro, algo está muito errado na equipa. Acabou por abandonar na vigésima sexta volta.

Anúncio Publicitário

Na oitava volta, Verstappen volta a ser atraiçoado pela sorte – o jovem piloto teve de abandonar devido a problemas no motor do Red Bull. Lá à frente, Hamilton consegue cavar uma boa distância para Vettel numa primeira ocasião, mas o alemão puxa dos galões e faz a melhor volta da pista, chegando bem perto do Mercedes. Até que o safety-car chegou: para manter a rotina, os dois Force India voltaram a causar o caos. Esteban Ocon e Sergio Perez tocaram-se e o saldo final foi uma asa partida e um pneu furado. Ocon arrasou o colega de equipa via rádio e a Force India já fala em tomar medidas preventivas para que algo assim não volte a acontecer. Durante o safety-car, os dois da frente param mas com estratégias diferentes – o Mercedes monta pneus macios e o Ferrari ultra macios. Vettel, mais confortável, ataca e tenta mesmo a ultrapassagem, mas Hamilton esteve irrepreensível no GP de deste domingo. Tranquilo, sem grandes hesitações, o piloto inglês fechou o ângulo e impediu que o Ferrari passasse.

A Red Bull volta a ter uma corrida agridoce: um pódio e um abandono Fonte: Red Bull Racing
A Red Bull volta a ter uma corrida agridoce: um pódio e um abandono
Fonte: Red Bull Racing

Até ao fim, Vettel nunca desistiu e foi sempre mais rápido nas curvas. Hamilton tinha superioridade na velocidade de ponta nas rectas. O piloto da Mercedes aguentou bem a pressão e soube controlar a corrida e a vantagem até ao fim, confirmando a vitória no seu 200.º Grande Prémio. O último lugar do pódio ficou para Daniel Ricciardo: o australiano soube aproveitar o período de velocidade controlada e mudou de pneus, o que lhe deu uma grande vantagem sobre Bottas e Raikkonen. Passou os dois e beneficiou da penalização do piloto da Ferrari, que não desacelerou com as duas bandeiras amarelas no ar. Mesmo com este castigo, Raikkonen ainda conseguiu ficar à frente de um apagado Valtteri Bottas.

Nota negativa para os abandonos de Fernando Alonso e Max Verstappen. O espanhol resignou-se à falta de potência do McLaren e a falta de competitividade do experiente piloto é uma má notícia para a F1. O holandês tem sofrido inúmeros baldes de água fria devido à inconsistência do Red Bull – apesar de já ter abandonado por erro próprio –, e depois de uma primeira temporada cheia de promessas, esta está a ser uma verdadeira desilusão. Nota positiva para mais um pódio de Daniel Ricciardo. Na Red Bull, se um chora, o outro sorri. Grande destaque para a prestação de Lewis Hamilton, que mostrou o porquê de ser considerado o melhor piloto da última década.

O choque entre Esteban Ocon e Sergio Perez merece notoriedade, no prisma negativo, claro. Os dois pilotos da Force India voltaram a envolver-se num conflito que levou, inclusive, à desistência de Perez. Ocon criticou severamente o colega de equipa pelo rádio e é visível a má relação dos dois. Hamilton e Rosberg davam-se mal, é um facto; mas nunca chegou a este ponto. A Force India tem de agir e proteger-se de danos mais graves.

Lewis Hamilton venceu no regresso da pausa de verão e está apenas a sete pontos de Sebastian Vettel. O inglês só precisa de vencer o próximo GP para saltar para a liderança da classificação geral. A Fórmula 1 volta já no próximo fim-de-semana, de 1 a 3 de Setembro, no Grande Prémio de Monza.

Foto de Capa: Mercedes-AMG