24 de julho de 2020. É preciso guardar este dia na agenda, porque foi o dia em que foi oficializado pela Fórmula 1 que Portugal voltará a ter um Grande Prémio da modalidade, 24 anos depois do último realizado em terras lusas.

E, o palco escolhido, como há muito se fazia «burburinho», é o Autódromo Internacional do Algarve, situado em Portimão. Pela primeira vez, o circuito algarvio recebe um evento deste calibre, sendo que os últimos Grandes Prémios de Portugal passaram por circuitos no Porto, Monsanto e Estoril.

Para além de Portimão, nesta última sexta-feira foram anunciados mais dois circuitos que há muito não entravam no calendário. Os circuitos históricos de Nurburgring, na Alemanha, e Imola, em São Marino (Itália), juntar-se-ão à festa do calendário mais inimaginário dos últimos tempos.

Anúncio Publicitário

Em contrapartida, Grandes Prémios realizados no continente americano foram devidamente cancelados. Países como Canadá, EUA, México e Brasil, que acolheram a Fórmula 1 durante anos, mostraram-se vulneráveis à realização de eventos, à conta do crescimento de casos de infeção por COVID-19.

Agora, chegamos à parte que mais nos interessa: O Grande Prémio de Portugal de 2020 realizar-se-á no fim-de-semana de 23 a 25 de outubro, e, ao que tudo indica, poderá ser dos primeiros eventos do calendário – se não mesmo o primeiro – a contar com público nas bancadas.

A sede de Fórmula 1 em Portugal é tanta que parece que, por um pouco, nos esquecemos que estamos ainda a viver numa pandemia, que tem assolado o mundo por aí fora.

Mas, a verdade é que, se não fosse a pandemia, a hipótese de termos em Portugal um Grande Prémio era nula, tendo em conta a emergência no mercado de países como o Vietname e países do Médio Oriente, e, por isso, a esperança e a possibilidade remota de que, até outubro, as coisas melhorem em termos de saúde pública, é muito grande.

E, em resposta a esta questão, cerca de 5.000 bilhetes já estão a ser disponibilizados e vendidos, através do site do Autódromo Internacional do Algarve.

Seja de que maneira for que o evento seja realizado, os esforços foram feitos para que, 24 anos depois, o tão esperado dia chegasse: O dia em que voltamos a ver a prova rainha do desporto motorizado em Portugal. De facto, nada disto seria possível sem a dedicação das entidades responsáveis por este regresso, nomeadamente o próprio AIA e o seu CEO, Paulo Pinheiro.

Este também acaba por ser um «prémio» aos fãs portugueses, que tanto esperavam por esta oportunidade. A oportunidade única de voltar a ver a Fórmula 1 em Portugal, numa condição que deveria ser fechada ao público, porém, também poderá haver a possibilidade de juntar-se o útil ao agradável e ter fãs nas bancadas. É apenas majestoso e ainda irreal.

Em suma, Portimão acarreta um circuito de que se gosta à primeira vista, uma pista complexa que agrada tanto às equipas, como aos pilotos. Da nossa parte, esperamos ver um regresso em grande do GP de Portugal, que, quer seja com público ou não, prova que o nosso país tem capacidade para organizar e levar avante eventos desta dimensão. E que seja para continuar assim.

Foto de Capa: Autódromo Internacional do Algarve

Comentários