Anterior1 de 2Próximo

O Grande Prémio do Brasil chegou ao circuito José Carlos Pace. Com os títulos de construtores e de pilotos já definidos, a razão para ver este fim de semana a Fórmula 1 é a luta pelo terceiro lugar, que, por enquanto, é de Charles Leclerc.

O monegasco da Ferrari soube logo no inicio que seria penalizado em dez lugares na grelha de partida pois trocou o motor do seu Ferrari, sendo esta a quarta unidade que a equipa italiana usa, daí a penalização.

Começando pelos treinos livres, o TL1 trouxe-nos chuva e pneus de banda azul e verde. Com a pista muito molhada, nada se tirou daí quanto a estratégias de qualificação ou de corrida. Alexander Albon terminou na frente, mas também no muro, com uma saída mesmo no fim da sessão, quando o piso não estava totalmente seco mas já havia pilotos a arriscar colocar os pneus slicks.

No TL2, a Ferrari mostrou um excelente ritmo de qualificação. Num circuito de Interlagos seco, os Ferrari colocaram os pneus macios e voaram para os dois primeiros lugares, com Sebastian Vettel a ser o mais rápido. Aqui, Robert Kubica foi ao muro, quando Kevin Magnussen atirou água do corretor para a pista e o polaco ao passar de pneus slicks não evitou o muro. Na Toro Rosso, desastre. Os dois motores Honda desta equipa decidiram “entregar a alma ao criador”.

No TL3, mais um treino um pouco inconclusivo. Lewis Hamilton foi o mais rápido, tendo Max Verstappen sido segundo. Depois do terceiro lugar no TL2, Verstappen parecia um dos candidatos à pole position, juntamente com os Ferrari e os Mercedes.

E, no domingo à tarde/noite (em Portugal), chegou a qualificação. Os Williams já sabemos de onde partem. Não é da última posição, porque esta pertence a Carlos Sainz, que, com problemas de motor, não conseguiu sequer marcar um tempo. Lance Stroll e Daniil Kvyat juntaram-se a Sainz, Robert Kubica e George Russell.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários