RACING POINT

De uma equipa que verá o seu nome trocado, para uma que sofreu o mesmo destino em 2019. Tal como com o nome, havia muita confusão em redor da performance da equipa na época passada. Uma equipa que sempre fez bons carros num orçamento muito magro, ter dinheiro não pareceu melhorar as coisas, pelo contrário, porém, isso explica-se pela confusão que foi 2018. Quando o consórcio liderado por Lawrence Stroll adquiriu a Force India durante o verão desse ano, a grande maioria das equipas já tinha começado a desenvolver os seus carros de 2019, tirando a Racing Point, porque até ali, pura e simplesmente não tinha dinheiro para o fazer. Isso deixou-os em grandes desvantagens para 2019, porém, prestes a começar a época de 2020, a estabilidade da equipa é muito diferente, por isso acredito que esta temporada, os “pantera cor-de-rosa” poderão ser uma séria ameaça ao quarto lugar da tabela, se os dois pilotos ajudarem…

Digo isto porque Sergio Perez é fenomenal, todos os anos, com carro bom ou não, se conseguir-se intrometer no top 10, silenciosamente, colecionando pontos e sendo consistente. Já Lance Stroll mostra que pouco evoluiu como piloto em três anos. Nas qualificações é possivelmente o pior piloto da grelha, só não ficando em último, porque pronto, a Williams existe, mas, apesar de nas corridas ganhar várias posições, os defeitos nas qualificações prejudicam imenso a equipa. E não, certamente que ele não é melhor do que Esteban Ocon.

Um provável ano de afirmação para a Racing Point.
Fonte: Formula 1