Cabeçalho modalidades

A 15 de maio de 2016, escrevi um texto que tinha o título “18 anos, sete meses e 16 dias”. Na altura, falava sobre a primeira vitória de Max Verstappen, no GP de Espanha, e da página escrita pelo jovem holandês na história, enquanto piloto mais novo de sempre a vencer um Grande Prémio. Hoje, celebro os 20 anos de Max. Numa época em que o azar tem sido superior ao talento, Max mostrou que ainda tem muito para dar; mostrou que é grande parte dos motivos pelos quais vamos continuar a ver Fórmula 1 nos próximos anos.

Lewis Hamilton foi 45 milésimos de segundo mais rápido do que Kimi Raikkonen e conquistou a 70.ª pole-position da carreira. Depois do finlandês da Ferrari, os dois Red Bull ficaram com a segunda linha da grelha – Verstappen mais rápido do que Ricciardo. Quando a Vettel, passou a Q1 a queixar-se de falta de potência e ainda trocou de motor, mas acabou por não conseguir registar qualquer tempo. Saiu, então, da última posição do grid. O segundo Mercedes, de Valtteri Bottas, saiu do quinto lugar.

Se as coisas já estavam difíceis para a Ferrari com Sebastian Vettel a sair de último, imagine como ficaram quando o monolugar de Raikkonen foi transferido da grelha de partida para as boxes, para tentar resolver um problema – também no motor. Quando a corrida começou, toda a gente esperava a saída de um Ferrari da pit lane. Mas nada aconteceu. Raikkonen não arrancou e Vettel estava em último.

No arranque, Hamilton saiu bem e agarrou a liderança. Bottas também começou bem e atacou de imediato os Red Bull para se juntar ao colega de equipa, enquanto que Vettel na terceira volta já era 12.º. Um dos momentos da corrida chegou logo na quarta volta, quando Max Verstappen – que com a ausência de Raikkonen tinha saído de segundo – ultrapassou Lewis Hamilton e assumiu o primeiro lugar do pelotão. Com mais uma ultrapassagem saída dos livros de poesia, o holandês mostrou todo o talento que lhe corre nas veias.

Duplo pódio para a Red Bull Fonte: Red Bull Racing
Duplo pódio para a Red Bull
Fonte: Red Bull Racing

A partir daqui, Hamilton nunca fez muito para vencer. Fez o resto da corrida com os olhos nos espelhos retrovisores, enquanto controlava Vettel, claramente mais preocupado com a classificação geral do que com a classificação deste GP. O alemão da Ferrari fez uma autêntica corrida de escalada e foi ganhando posições a cada volta, mas não conseguiu passar do quarto lugar, quando esbarrou em Daniel Ricciardo. Ainda tentou a ultrapassagem e um estrondoso pódio, a dez voltas do fim, mas os pneus supermacios já acusavam um tremendo desgaste e a tentativa acabou por se revelar apenas e só isso mesmo – uma tentativa. Ricciardo segurou o terceiro lugar até ao final e a Red Bull colocou os dois pilotos no pódio. Bottas ficou mesmo em quinto, atrás de Vettel, apesar de a ultrapassagem ter acontecido enquanto o Mercedes estava na box.

Nota positiva, obviamente, para a Red Bull e Max Verstappen. Chegamos a uma altura em que já não podemos dizer que a scuderia é “a melhor dos outros”. Quanto um piloto ganha um GP e o outro fica em terceiro, já não são os outros; já são parte ativa da competição. Destaque também para a McLaren, já que Stoffel Vandoorne ficou no top 10 e Alonso às portas dos pontos, em 11.º. Na Hungria, o sucesso dos McLaren foi atribuído ao chassis. Mas na Malásia, é tudo sobre o motor. Será que é agora, quando é tarde demais, que o motor Honda está a corresponder?

Nota negativa para a Ferrari. Desde 2015 que Raikkonen não realizava uma única volta num GP. O quarto lugar de Vettel deixa Hamilton fugir ainda mais na classificação geral e uma vitória do alemão no Campeonato do Mundo deste ano torna-se cada vez mais improvável.

Esta etapa ainda teve um caso insólito: já depois da bandeira axadrezada, na volta de desaceleração, Stroll e Vettel bateram e o Ferrari ficou destruído. O alemão acabou por regressar à pit lane à boleia do carro de Wehrlein.

Naquela que foi a despedida da Fórmula 1 do circuito de Sepang, Verstappen ganhou e Sebastian Vettel está agora a 34 pontos de Lewis Hamilton, quando faltam cinco corridas para o fim do campeonato. A Fórmula 1 regressa já no fim-de-semana de 6 a 8 de Outubro, com o Grande Prémio do Japão.

Foto de Capa: Red Bull Racing

Comentários