logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

GP Itália: Ma che bravo, Pecco!

modalidades cabeçalho

A CRÓNICA: MIGUEL OLIVEIRA EXTRAI O MÁXIMO DA KTM E ACABA NO NONO LUGAR

O Grande Prémio de Itália recebeu a oitava prova da categoria rainha do motociclismo, no circuito de Mugello, no último fim de semana do mês de maio e, desde cedo, se percebeu que este seria um grande prémio repleto de emoção. Se de um lado a qualificação havia ditado um pódio surpreendente, com o rookie, Fabio di Giannantonio, a garantir a sua primeira pole position no MotoGP. Por outro, havíamos tido uma incrível homenagem a Valentino Rossi que culminou com a exclusão do número 46 do mundial de MotoGP.

Passando para o dia de domingo e para a corrida em si, o ambiente em Itália era fantástico e no paddock sentia-se aquele nervoso miudinho pré-corrida. A expectativa era grande, não só pelas surpresas vindas da qualificação, com a primeira linha da grelha a ser composta por Fabio di Giannantonio, Marco Bezzecchi e Luca Marini, mas também para perceber qual seria a resposta de pilotos como Pecco Bagnaia e Fabio Quartararo.

Num arranque frenético, Fabio di Giannantonio conseguiu manter a liderança da corrida, mas rapidamente se percebeu que não iria ter ritmo para acompanhar os pilotos que a si se seguiam e, sem muito esforço, Luca Marini conseguiu levar a melhor sobre os dois rookies e assumiu o primeiro lugar ainda antes do fecho da primeira volta. Primeiro lugar esse que durou pouco tempo porque Marco Bezzecchi, seu companheiro de equipa, rapidamente devolveu na mesma moeda, assumindo o primeiro lugar da corrida.

Também Quartararo teve um arranque muito bom, assumindo o quarto lugar. Igualmente Miguel Oliveira conseguiu subir três posições na grelha de partida.

As primeiras dez voltas foram deslumbrantes. Enquanto Quartararo e Bagnaia começavam a disparar e a mostrar um ritmo impressionante. Do lado oposto, Fabio di Giannantonio não tinha ritmo para os da frente o que resultou numa perda consecutiva de posições ao longo de toda a corrida. Miguel Oliveira também se mostrava muito bem, conseguindo facilmente chegar à décima primeira posição.

Num ritmo frenético Quartararo continuava a galgar posições ultrapassando Marini, faltando ainda vinte voltas para o fim, assumindo a segunda posição da corrida. Quem também não descolava era Pecco Bagnaia, o piloto da Ducati não deixou o pelotão da frente fugir e conseguiu ultrapassar Fabio Quartararo, ficando na segunda posição, só atrás de Marco Bezzecchi.

Enquanto na frente existia a indecisão de quem iria levar a melhor com diversas ultrapassagens a acontecer, mais atrás existiam diversas quedas sucessivas. Primeiro Pol Espargaro na passagem da curva nove, depois Joan Mir e, por fim, Enea Bastianinni.

Lá na frente, Bagnaia mostrava querer vencer em casa, ultrapassando Bezzecchi, assumindo o primeiro lugar da corrida. Também Quartararo ultrapassaria o piloto italiano da Mooney VR46 Team, chegando ao segundo lugar e ficando a menos de um segundo de Pecco Bagnaia, da Ducati.

Já nas últimas voltas vimos ainda a ultrapassagem de Aleix Espargaro a Marco Bezzecchi para se colocar no último lugar do pódio.

Até ao final da corrida Quartararo continuava a puxar para tentar apanhar o piloto italiano da Ducati, contudo Bagnaia mostrava um ritmo impressionante e não deu grande hipótese ao piloto francês. Quartararo garantiu assim o segundo lugar da corrida e Aleix Espargaro fechou o pódio, conseguindo o seu quarto pódio consecutivo.

 

O PILOTO DO DIA

Pecco Bagnaia – Apesar de ter largado de quinto, desde cedo mostrou para o que vinha. Assumiu as rédeas de estar a correr em casa e disse presente para garantir uma grande vitória no circuito de Mugello. Melhor seria difícil para o italiano da Ducati que assegurou a segunda vitória da época.

A DESILUSÃO

Fabio di Giannantonio – Após conquistar a pole na qualificação, os olhos estavam postos no piloto italiano da Gresini Racing. Contudo, não conseguiu acompanhar o ritmo que havia demonstrado na qualificação e não foi além do décimo primeiro lugar.

Duas são as paixões que definem o Duarte: A Comunicação e o Desporto. Desde muito novo aprendeu a amar o desporto, muito por culpa dos intervenientes que o compõem. Cresceu a apreciar a mestria de Guardiola, a valentia de Rossi e a habilidade de Hamilton, poder escrever sobre estes é algo com que sempre sonhou.

Duas são as paixões que definem o Duarte: A Comunicação e o Desporto. Desde muito novo aprendeu a amar o desporto, muito por culpa dos intervenientes que o compõem. Cresceu a apreciar a mestria de Guardiola, a valentia de Rossi e a habilidade de Hamilton, poder escrever sobre estes é algo com que sempre sonhou.

FC PORTO vs CD TONDELA